Barcos de Holanda e China brigam por título da etapa do Brasil da Volvo

Nas últimas horas, o Dongfeng se aproximou do líder Brunel e gerou reviravolta na disputa. Vestas 11th Hour Racing chegou às Malvinas após problemas com mastro

(Foto: James Blake/Volvo Ocean Race)
Na madrugada deste sábado, os holandeses do Brunel voltaram à liderança da sétima etapa da Volvo Ocean Race 2017-18. Apesar da vantagem, a equipe começa a ser pressionada pelo barco chinês do Dongfeng, que chegou a tomar a ponta na subida a Itajaí, destino final da regata de 7.600 milhas náuticas. A previsão de chegada das equipes é entre os dias 4 e 5 de abril.

Na chegada ao Atlântico Sul, o Team Brunel, comandado por Bouwe Bekking, viu sua liderança de 80 milhas ser diluída no mar. O próprio capitão do barco holandês chegou a dizer que a etapa seria uma nova regada após a passagem das equipes pelo Cabo Horn.

- É duro pra gente, pois os barcos atrás de nós conseguiram a mudança de rumo primeiro. Vamos ficar todos juntos novamente! Isso é regata. A prova será decidida nas milhas finais, assim como outras - concluiu Bekking.

Mesmo com as tripulações desgastadas pela regata nos mares do sul, elas tentam driblar o vento fraco e disputam acirradamente a melhor posição, já que a etapa até o Brasil tem pontuação dobrada.

O team AkzoNobel, da brasileira Martine Grael, está em terceiro lugar e mantém chances de vitória. Atrás dos três primeiros, duas equipes navegam lentamente. O MAPFRE retornou depois de suspender a regata por 13 horas no Cabo Horn para fazer reparos. Mesmo estando a 200 milhas da liderança, a equipe espanhola tem chances de se recuperar.

Já o Turn the Tide on Plastic, que teve problemas no mastro na véspera e quase ficou fora da etapa, está com velas reduzidas e logicamente menos velocidade. Enquanto isso, o Vestas 11th Hour Racing conseguiu diminuir os danos da queda do mastro na sexta-feira e chegou em Port Stanley, Ilhas Falkland. Atualmente, a equipe trabalha em vários cenários logísticos para voltar a integrar a flotilha em Itajaí. Essa etapa foi abandonada.

- Eu estava no leme. Houve um grande estrondo e depois a quebra logo acima do primeiro spreader...O topo do mastro bateu na água. Para proteger a integridade do casco, tivemos que cortar tudo - disse o navegador Simon Fisher sobre o drama vivido pela equipe do Vestas 11th Hour Racing.


Fonte:Lance
Tecnologia do Blogger.