Hamilton faz dois, Manaus bate o Princesa e é campeão do returno do Amazonense

Maceió marcou o outro gol da vitória e Cléber, de pênalti, descontou no fim para o Tubarão, nesta quarta, na Arena da Amazônia. Com título, Gavião pegará o Fast, na final do campeonato


(Créditos:Emanuel Mendes Siqueira)
Após cair nas semifinais do primeiro turno para o Penarol, o Manaus FC mostrou porque é o atual campeão do Amazonense. Em duelo nesta quarta à noite, na Arena da Amazônia, venceu o Princesa por 3 a 1 e conquistou o título do segundo turno e a vaga na final do campeonato contra o Fast, no sábado, no mesmo local. Os gols da partida foram marcados por Hamilton, duas vezes, e Maceió. O Tubarão descontou com Cléber, de pênalti.

Hamilton mais uma vez foi decisivo para o Manaus. O meia-atacante marcou dois dos três gols do time e chegou aos cinco. Resulado: empatou na artilharia do campeonato, junto com o companheiro Nena, além de Railson e Branco (do Penarol).

Com o título do segundo turno, o Manaus enfrentará o Fast Clube, campeão do primeiro turno, na final do estadual. A partida será no sábado, dia 7 de abril, às 15h, na Arena da Amazônia. Independentemente de conquistar o título ou não, a equipe está garantida na Série D e Copa do Brasil de 2019. Vale ressaltar que apenas o vencedor do estadual garante vaga na fase de grupos da Copa Verde do próximo ano. A outra vaga, da preliminar, leva em consideração o ranking da CBF.

PRIMEIRO TEMPO
O Princesa tentou controlar as ações no início da partida, principalmente com a velocidade de Toró e jogadas individuais de Cléber, que parecia remar sozinho contra o gol de Jonathan. A postura defensiva, inclusive, era perfeita, impossibilitando qualquer infiltração do Manaus, que sentia falta do entrosamento de Nena e Rossini. E quando tudo parecia conspirar a favor do Tubarão, eis que Hamilton mostrou o porquê de ser um dos melhores jogadores do Amazonas.
O meia, que estava um pouco apagado na partida,  viu Rossini avançar pela esquerda e correu para dentro da área. No cruzamento, subiu mais alto que todo mundo - menos que a bicileta de Cristiano Ronaldo - a abriu o placar aos 16 minutos do primeiro tempo. O gol foi um balde de água fria no time visitante, que só teve uma chance de empatar 12 minutos depois. Após bate e rebate, Cristiano Natal chutou cruzado, para excelente defesa de Jonathan. Nos minutos finais, o jogo caiu de produção.

SEGUNDO TEMPO
O segundo tempo foi um espelho do primeiro. O Tubarão procurava brechas não ofertas pelo adversário, que levava mais perigo no contra-ataque. Uma mudança, porém, mudou o cenário da partida: Maceió no lugar de Juninho. O volante precisou de pouco mais de dois minhtos para dar resultado.
Aos 16, Cleitinho avançou nas costas de Alberto e cruzou na medida para o nordestino ampliar o marcador. Depois, o Gavião ainda ampliou, em jogada muito parecida com as outras duas. Negueba cruzou, e Hamilton, de novo ele, fechou o caixão do rival aos 32 minutos. O tempo era curto, e o Tubarão não mostrava maos forças para reagir.


Fonte:Globo Esporte
Tecnologia do Blogger.