Vitória culpa arbitragem pelo revés e convoca torcida para ‘grande final’

(Foto: Maurícia da Matta/EC Vitória)
Um lance aos 33 minutos do primeiro tempo foi um dos motivos pelos quais o auxiliar técnico do Vitória, Anderson Batatais, acredita que o resultado final de 2 a 1 para o Bahia poderia ter sido outro, fosse diferente a postura do árbitro Luiz Flávio de Oliveira, que deu cartão amarelo para o goleiro Douglas por falta em Neílton, quando o atacante sairia sem goleiro para finalizar.

Em sua entrevista coletiva, o substituto de Vágner Mancici à beira do campo não poupou as autoridades da partida de responsabilidade pelo resultado e alertou para o lance capital que definiu o encaminhamento do jogo. Apesar das críticas, Batatais reafirmou a confiança na virada dentro do Barradão, quando o Vitória terá os torcedores apoiando, já que ficou definido a presença de torcida única nos dois jogos.

“Quero deixar bem claro que o lance capital do jogo foi do árbitro. Nunca vi você dar uma falta de uma bola que bate no peito do adversário. Se bate na mão é falta. Se a bola não bate na não do goleiro seria nosso gol. E eles ficariam com um a menos. Teve um erro capital da arbitragem. O Neilton tentou fazer o que tinha que ser feito, mas foi impedido pelo adversário. Cabe ao árbitro aplicar a regra”, disse o auxiliar.

“Agora a gente crê que o nosso torcedor vai dar uma resposta, vai nos impulsionar e vamos ter a possibilidade de fazer o que fizemos em alguns momentos do jogo, que é gostar de bola e buscar a vitória para ser campeão”, completou.

A possível expulsão de Douglas não foi o único lance em que a arbitragem despertou a fúria do time do Vitória. O segundo gol do Bahia foi marcado em cobrança de pênalti e o goleiro Fernando Miguel, envolvido diretamente no lance, reafirmou não ter tocado em Vinícius. “Não foi pênalti. Vinicius pega, simula, ele joga a perna em cima de mim. Não foi pênalti”, disse o arqueiro na zona mista.


Fonte:Gazeta Esportiva
Tecnologia do Blogger.