Após afastamento de técnico, Diego Hypólito revela violência na infância

(Foto: Ben Stansall/AFP)
Nesta segunda-feira, Fernando de Carvalho Lopes, ex-técnico da Seleção Brasileira de ginástica, foi afastado pelo clube Mesc após denúncias de abuso a mais de 40 jovens ginastas. Com o caso, o medalhista olímpico Diego Hypólito revelou ter sofrido abusos quando era criança e defendia o Flamengo.

Em entrevista à TV Globo, Diego relatou episódios em que sofreu violência em seus primeiros anos no esporte. “Eles me faziam ficar pelado e pegar com o ânus uma pilha colocando uma pasta de dente em cima”, disse o ginasta. “Neste dia, quando aconteceu isso, eu tive ataque epilético e depois, por ter tido o ataque epilético, eu não consegui fazer a prova toda. (…) Eu fiquei muito nervoso com a situação acontecendo, me deu desespero”.

O bicampeão mundial de solo também revelou punições desproporcionais de técnicos e ginastas mais velhos. “Quando a gente não treinava certo ou acontecia alguma errada, tinha períodos do ano que eles faziam isso de pegar e colocar a gente dentro de uma tampa de plinto. E ainda jogavam magnésio com a gente dentro, igual a um caixão”, contou. “Hoje eu tenho problema pra entrar em avião, que é fechado, elevador, que é fechado. Não consigo entrar em túnel, que eu tenho medo. São todos reflexos do que eu vivi quando eu era criança”.

Entenda o caso

Fernando de Carvalho Lopes foi afastado do cargo da Seleção Brasileira de ginástica no dia 14 de julho de 2016, um mês antes dos Jogos Rio-2016, logo após um menino de 13 anos resolver revelar aos pais os abusos que vinha sofrendo do técnico durante treinamentos no clube de São Bernardo do Campo (SP).

Depois do acontecimento, Lopes jamais voltou a trabalhar na equipe, mas mantinha o cargo administrativo no Mesc até o início desta segunda-feira. Durante a reportagem feito pelo “Fantástico”, inúmeras denúncias começaram a aparecer sobre abusos sexuais. Frases como “tocava com frequência seus órgãos genitais” e “pediu para eu me masturbar na frente dele” eram bastante frequentes durante os depoimentos. Ao todo, foram 42 relevações de assédio.

O técnico é apontado como um dos principais responsáveis pelo sucesso de Diego Hypolito, prata na Rio-2016 no solo e um dos maiores atletas do país. O ginasta afirmou que, até pouco tempo, não acreditava nas acusações, mas que ouvindo a repercussão e seus companheiros, mudou de opinião sobre Fernando de Carvalho Lopes.

Alguns dos ex-ginastas do treinador ressaltaram que o coordenador técnico da Seleção Brasileira e profissional do São Caetano, Marcos Goto, profissional que era recorrido pelos ginastas após os abusos, tirava sarro e fazia piada do assunto com os ginastas.


Fonte:Gazeta Esportiva
Tecnologia do Blogger.