Gustavo Scarpa recusa Arábia e acerta retorno ao Palmeiras

Foto:Divulgação
Ele está de volta. Gustavo Scarpa recusou uma oferta de mais de R$ 40 milhões de um clube da Arábia Saudita e acertou seu retorno ao Palmeiras. A volta do meio-campista foi definida em reunião de Alexandre Mattos com representantes da OTB Sports, que administra a carreira do atleta, na Rússia.

Na tarde de ontem, após o TST (Tribunal Superior do Trabalho) conceder habeas corpus ao jogador, a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) publicou no BID (Boletim Informativo Diário) a rescisão de contrato de Scarpa com o Fluminense. Desde então, o meia teve seu destino nas mãos e optou pelo Alviverde.

O atleta e seus empresários tinham uma oferta milionária de um clube da Arábia Saudita, além de sondagens do Benfica-POR. A opção do jogador, porém, foi reassinar seu contrato com o Palestra, no valor de 6 milhões de euros, pagos em luvas a Scarpa – este havia sido suspenso por cláusula contratual em virtude do imbróglio jurídico com o Fluminense.

O ‘novo’ contrato de Scarpa com o Palmeiras deve ser assinado ainda nesta quarta-feira e terá os mesmos moldes do acordo anterior. A intenção do clube é que o jogador possa embarcar junto com a delegação palestrina para o Panamá, onde a equipe fará uma série de amistosos em intertemporada.

No entanto, independentemente da decisão do meia, o Fluminense entrará com recurso no TST. Se conseguir derrubar o habeas corpus, o Tricolor volta a ter o vínculo do atleta. Se ele tivesse optado pela Arábia, o procedimento seria o mesmo, sendo que caso o clube estrangeiro descumprisse ordem do TST, o time das Laranjeiras poderia acionar a Fifa, que tem órgãos para definir a situação.

Segundo o advogado do atleta, o Fluminense deve a Scarpa R$ 735 mil, referente a atrasados do FGTS (junho a novembro de 2017, direitos de imagem (agosto a novembro de 2017), o 13º salário de 2016, férias e o salário de novembro de 2017, de quase R$ 135 mil. Além de R$ 84 mil em salários de março a outubro de 2017.

No dia 12 de janeiro, a juíza Dalva Macedo, da 70ª Vara do Trabalho do Rio, negou o pedido de liberação antecipada enquanto o processo estivesse em andamento. Um dia depois, porém, Scarpa entrou com um mandado de segurança em segunda instância e conseguiu se desvincular do time carioca, assinando acordo de cinco anos com o Palmeiras.

Vestindo o manto do Maior Campeão do Brasil, ele jogou de janeiro a março, atuando em sete partidas do Campeonato Paulista (duas como titular). No dia 11 de março, o Palestra venceu o Ituano por 3 a 0, com dois gols do meio-campista. O duelo foi o último antes da mesma juíza, Dalva Macedo, apresentar parecer que o colocou novamente como atleta do Flu.


Fonte:Gazeta Esportiva
Tecnologia do Blogger.