Após dois anos no Chile, ciclista tenta fazer história na 9 de Julho

(Foto:Sergio Barzaghi/Gazeta Press)
Nesta sexta-feira, aconteceu o primeiro Congresso Técnico da 72° edição da Prova Ciclística 9 de Julho. O evento, realizado no prédio da Fundação Cásper Líbero, teve como objetivo explicar ao público presente como seria o circuito da prova e também entregar um Kit, com o número de participação, além de fornecer novas informações para que a corrida tenha o máximo de segurança entre os competidores.

Para Anderson Lucas Gutirrez, que veio ao evento e é conhecido por muitos como “Chileno” já que morou dois anos no país sul-americano, a apresentação do circuito fez com que ele ficasse ainda mais animado para a corrida, que acontecerá daqui três dias. Com 21 anos, ele irá competir na prova pela categoria Elite e espera que seu resultado seja ainda mais positivo do que na primeira vez que esteve presente na Prova 9 de Julho.

“A expectativa é a melhor possível. Tentar fazer um bom resultado, buscar mais uma vitória seria muito importante. Gostei bastante do circuito, na hora irei sentir melhor para saber exatamente o grau de dificuldade da prova, mas eu me sinto muito bem nessa competição e não tem como não reconhecer a Prova 9 de Julho, ela é extremamente importante no calendário do ciclismo nacional”.

Um dos últimos da fila de retirada do Kit, já que continuou no teatro da Gazeta buscando o máximo de conhecimento com competidores experientes da prova, Anderson espera que no dia 9 a situação seja bem diferente: terminar a prova entre os primeiros colocados entre a centena de ciclistas que participarão do evento.

“Eu sou apaixonado pelo ciclismo há quatro anos, foi quando comecei a me interessar ainda mais pelo esporte e pelas competições. Meu pai foi ciclista profissional, mas ele só correu no Chile mesmo. Ele participou da Copa América, foi uma experiência muito boa para ele, mas aqui no Brasil ele apenas correu como “hobby”, faz parte do dia a dia dele e eu acabei entrando nessa rotina também”.

Além disso, Anderson destacou que não precisou mudar muito sua rotina já que está acostumado com o ritmo de competições. ” A verdade é que eu não precisei mudar muito meu planejamento pós-competição, já que tenho uma alimentação regrada e busco ser o mais saudável possível”.

Nas últimas edições, o Brasil teve grande êxito na competição, conquistando todos os títulos da categoria Elite Masculino desde o ano de 2013. Nestas cinco últimas edições, os vencedores foram: Roberto Pinheiro (2013), Flávio Cardoso (2014), Joel Cândido Prado (2015 e 2016) e Caio Godoy (2017). Já na categoria Elite Feminino, o país foi representado no lugar mais alto do pódio nas últimas 13 edições.


Fonte:Gazeta Esportiva
Tecnologia do Blogger.