Barrichello supera Wilson e Félix da Costa nos boxes e vence Corrida do Milhão

 (Foto: Fernanda Freixosa/Stock Car/Vipcomm)
A mais valiosa etapa da temporada 2018 da Stock Car teve um desfecho digno de cinema. Com muito drama no fim, Rubens Barrichello deu o pulo do gato graças a uma pilotagem soberba e uma estratégia perfeita com seus dois pit-stops na quente tarde deste domingo (5). O campeão de 2014 repetiu o ano da conquista do seu título e faturou, em Goiânia, a Corrida do Milhão pela segunda vez depois de superar Max Wilson e António Félix da Costa, que também brilharam em uma prova emocionante.

Barrichello se emocionou logo que desceu do carro e comemorou com o filho Dudu. No pódio, uma grande novidade: com inspiração na FE, a comemoração foi feita no meio do povo tendo ao lado Wilson e Félix da Costa. Como prêmio final, o piloto da Full Time ergueu o troféu e, depois, o cheque simbólico de R$ 1 milhão.

Muito mais que a conquista financeira, Barrichello se emocionou e comemorou o fato de estar vivo e relembrou a superação depois do problema de saúde que viveu no começo do ano. E disse que vai reverter o dinheiro ganho neste domingo para o Instituto Família Barrichello, que desenvolve trabalho social com crianças, adolescentes e a terceira idade.
(Foto: Fernanda Freixosa/Stock Car/Vipcomm)

Felipe Fraga terminou em quarto, com Marcos Gomes em quinto, os dois pela Cimed, e Ricardo Zonta, da Shell V-Power, faturando o sexto posto. Allam Khodair garantiu a sétima posição, finalizando à frente de Nelsinho Piquet, que obteve seu melhor resultado desde que estreou como piloto oficial da Stock Car. Entretanto, o dono do carro #33 da Full Time foi punido com o acréscimo de 20s ao seu tempo de prova por atitude antidesportiva. Daniel Serra, com o susto que viveu por ter ficado à frente do forte acidente que envolveu Thiago Camilo, Cacá Bueno e Bruno Baptista, então herdou o oitavo lugar, à frente de Guga Lima, com um surpreendente nono lugar na estreia pela Vogel, e Bia Figueiredo, em décimo.

Vitor Genz foi o 11º, seguido pelo argentino Agustín Canapino, que terminou sua corrida de estreia na Stock Car em 12º. Lucas Foresti, que chegou a liderar a corrida, passou em 13º, com Rafael Suzuki e Gabriel Casagrande fechando a lista dos 15 mais rápidos. Felipe Massa se envolveu em um dos muitos incidentes ao longo da prova, teve um pneu furado e não completou.

Saiba como foi a Corrida do Milhão da Stock Car em Goiânia
(Foto: Duda Bairros/Stock Car/Vipcomm)

Pouco antes da largada, a Stock Car anunciou os seis pilotos mais bem votados na eleição do Fan Push e largaram com um botão de ultrapassagem adicional na Corrida do Milhão: Felipe Massa, Rubens Barrichello, Bia Figueiredo, Lucas Di Grassi, Bruno Baptista e António Félix da Costa. Um grande trunfo para uma disputa que se avizinhava bastante imprevisível.

Com a temperatura ambiente beirando os 30ºC, mas acima dos 50ºC dentro dos carros, os 33 pilotos do grid partiram em busca do milhão de reais diante de um grande público em Goiânia. Na verdade, 32, já que Átila Abreu, da Shell V-Power, e Antonio Pizzonia, da Prati-Donaduzzi, enfrentaram problemas antes mesmo da volta de apresentação. O sorocabano conseguiu ligar seu carro #51 e voltou no pelotão.

Daniel Serra manteve a liderança após largar na pole-position, enquanto Félix da Costa conseguiu passar Barrichello para assumir a segunda colocação. Max Wilson vinha em quarto, sendo muito pressionado por Max Wilson. Átila conseguiu realinhar na sua posição original e aparecia em oitavo lugar. Mais atrás, Galid Osman escapou da pista e bateu na barreira de proteção de pneus.

Um desses pneus voltou para a pista, causando condição perigosa, com Denis Navarro colidindo com a peça. Assim, a direção de prova acionou o safety-car pela primeira vez.

A bandeira verde voltou a tremular na sétima volta. As primeiras posições foram mantidas, enquanto Felipe Fraga pressionava Átila na disputa pelo oitavo lugar. Ainda na volta 7, Júlio Campos perdeu o controle do carro #4 da Prati-Donaduzzi após contato com Allam Khodair no fim da reta e bateu no guard-rail, encerrando sua participação na Corrida do Milhão. Um giro depois, Max Wilson passava Barrichello para subir à terceira posição, mas a manobra foi feita em trecho sinalizado por bandeira amarela. Em seguida, o safety-car foi acionado pela segunda vez.

A segunda relargada aconteceu na volta 12. Serra manteve a ponta, mas passou a ser pressionado por Félix da Costa. Barrichello perdia mais uma posição, para Di Grassi, enquanto Cacá Bueno seguia em sexto e Átila duelava novamente com Fraga. Na volta 13, um grande pelotão de carros, liderados por Serra, entrou nos boxes para o primeiro pit-stop obrigatório. Félix da Costa ficou na pista, assim como Max e Barrichello, que passou o carro #65.

Só que Serra enfrentou problemas na saída do seu pit-stop e perdeu muito tempo. Em contrapartida, o pit-stop de Félix da Costa foi perfeito, assim como o de Rubens Barrichello. Durante a janela, Bruno Bapista e Valdeno Brito chegaram a liderar a corrida. Mas após a parada de todos os pilotos, quem assumiu a ponta foi Lucas Foresti, com Félix da Costa em segundo, Max em terceiro, Barrichello em quarto e Di Grassi em quinto.

Até que um forte acidente causou muita tensão em Goiânia. Thiago Camilo rodou na saída da curva e foi atingido pelos carros de Bruno Baptista e Cacá Bueno, que não conseguiram evitar a colisão. Serra quase bateu, mas conseguiu se esquivar. A maior preocupação foi com Cacá, que perdeu o controle em alta velocidade e sem a porta do lado do passageiro, que foi arrancada pelo impacto. O pentacampeão acertou em cheio a barreira de pneus, mas desceu rapidamente e, sem lesões, voltou para os boxes da Cimed.

O safety-car, obviamente, foi acionado pela terceira vez. Mas a expectativa estava toda com a segunda parada obrigatória e do realinhamento real dos pilotos. Foresti era o líder, com Félix da Costa em segundo, Max Wilson em terceiro, Barrichello e Di Grassi fechando o top-5 e Felipe Massa surgindo numa boa 13ª colocação.

Na relargada, Foresti bem que tentou segurar a liderança, mas não foi páreo para o melhor rendimento dos carros que vinham atrás. Félix da Costa deu o bote com a ajuda do botão de ultrapassagem e retomou a ponta, seguido por Max Wilson, Barrichello e Di Grassi quando restavam pouco mais de sete minutos para o fim da corrida.

Todos ainda tinham de fazer a parada derradeira. A Corrida do Milhão caminhava para um desfecho emocionante e sem favoritos à vitória. Max foi o primeiro a vir para os boxes para fazer o segundo pit-stop. Em seguida, Massa se envolveu em um incidente no trecho oposto do circuito com Denis Navarro e teve o pneu traseiro furado na volta 32. Não houve a intervenção do safety-car desta vez.

Max voltou do seu pit-stop exatamente à frente de Félix da Costa, mas com uma volta de desvantagem. O cenário real seria revelado pouco depois com a parada do piloto lusitano. Após o reabastecimento, António acabou sendo superado por Max e também por Barrichello, que deixou sua parada para o fim.

Com o cronômetro zerado, Barrichello voltou à frente de Wilson e Félix da Costa, tomando a liderança da corrida na penúltima volta. No peito e na raça, o campeão de 2014 deu o pulo do gato para surpreender os rivais e partir para a conquista do seu segundo milhão, na mesma Goiânia onde faturou pela primeira vez o prêmio mais valioso da Stock Car.
Tecnologia do Blogger.