Atividade Esporte News: Atletismo
⚽Notícias
Mostrando postagens com marcador Atletismo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Atletismo. Mostrar todas as postagens

19 maio 2020

Atleta russa revela ter recebido proposta para se prostituir

Daria Klishina disse também se arrepender das fotos sensuais que fez no passado

Foto: Alexander Hassenstein/Getty Images

A vice-campeã mundial de salto em distância de 2017, Daria Klishina, revelou em uma entrevista ao site Sports.ru que lhe ofereceram US$ 200.000 por mês por trabalhar como prostituta de luxo. Segundo a atleta russa, a proposta chegou dos EUA através do Instagram.

— Me ofereceram para ser uma 'acompanhante'. Isso aconteceu meio ano atrás. Eu nunca esperava algo assim — disse Daria, que é bicampeã da Europa.

De acordo com ela, ao receber a mensagem sua resposta imediata foi: "Sinto muito, mas esta proposta não me interessa".

Mesmo assim, o homem insistiu: "Não, espere, não recuse tão cedo, você não sabe em que termos, a quantia e tal".

Aos 29 anos, Daria disse que não se vê como uma mulher que concordaria com esse tipo de proposta, e se arrepende de ter feito fotos sensuais no passado:

— Todo mundo tem, digamos, erros de jovens. Você faz isso sem pensar que isso possa afetar sua carreira ou mesmo fora dela. Penso nisso como algo do passado — disse Klishina.

Jogos de Tóquio: velocista se diz pronto para "correr em alto nível"

Paulo André Camilo tem a segunda melhor marca do país nos 100 metros

Foto: Abelardo Mendes Jr/rededoesporte.com.br

Aos 20 anos, o velocista Paulo André tem tudo para brilhar na Olimpíada de Tóquio (Japão) como expoente do atletismo brasileiro. Nascido em Santo André, no ABC paulista, e radicado em Vila Velha, no Espírito Santo, o atleta já coleciona uma extensa lista de conquistas. Tricampeão do Troféu Brasil na prova dos 100 metros rasos (2017, 2018 e 2019), campeão mundial e pan-americano no revezamento 4x100 no ano passado.  Durante o Troféu Brasil no anno passado, o paulista fez a segunda melhor marca do Brasil na história dos 100 m, a prova mais rápida do atletismo. Paulo André cruzou a linha de chegada em Lima (Peru) com o tempo de 10s02, ficando a apenas dois centésimos de segundo da marca obtida pelo velocista Robson Caetano, único brasileiro campeão pan-americano (Havana,1991), que bateu o recorde nacional e sul--americano em 1988, ao terminar a prova em dez segundos cravados. Na noite de ontem (18), Paulo André participou de uma live (transmissão ao vivo) na conta oficial da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), no Instagram. 

O atleta já se garantiu na prova individual dos 100 m em Tóquio (Japão), e também no revezamento 4x100 m. Mas, apesar da vaga assegurada, somente às vésperas dos Jogos, serão divulgados os nomes dos atletas da equipe que competirá no Japão.

Enquanto isso, Paulo André segue com foco total na estreia olímpica. Ele e o pai, o treinador Carlos Camilo, estão “confinados”,no  Espírito Santo. "Estava com as malas prontas para ir para os Estados Unidos quando a pandemia [do novo coronavírus] chegou com tudo. Claro que fiquei chateado, mas não posso parar. Esse ano que falta para os Jogos passa muito rápido. Conversei com o meu pai e a minha equipe. Escolhemos Vila Velha. Estamos confinados aqui. Estou conseguindo treinar na pista. Só preciso adaptar academia", descreveu.      

Novo calendário

Outra motivação para o jovem brasileiro foi o novo calendário da modalidade divulgado na semana passada pela Confederação Internacional de Atletismo (World Athletics). Antes realizados ao longo do ano, as etapas da Diamond League e do novo Continental Tour serão condensadas entre os meses de agosto e outubro deste ano. "Nas primeiras semanas da quarentena, várias vezes sentia falta das competições. Foi difícil seguir treinando sem ter nada previsto. Mas não parei. E, se tivesse competição nesse final de semana, estaria pronto. Estou treinando em alto nível. O foco é claro que é a Olimpíada, mas essa volta na Diamond League será importante demais". 

Mundial de Revezamentos

Paulo André ao lado do Rodrigo Nascimento, de Derick Silva e do Jorge Vides foram os mais rápidos no Campeonato Mundial, em maio passado, Yokohama (Japão). A equipe verde e amarela terminou a prova com 38s05, os Estados Unidos levaram a prata com 38s07 e a Grã-Bretanha fechou o pódio com 38s15. 

"Durante o aquecimento, no estádio em Yokohama, lá onde o Brasil ganhou a Copa em 2002, a gente viu que estávamos fazendo uma preparação legal. Fazendo as passagens bem limpas. Percebi que tínhamos chances. Fomos bem na semifinal e chegamos na decisão. Aquela noite não foi fácil. Passamos um pouco de problemas por causa do fuso horário. No dia, quando entramos na pista parece que caiu a ficha mesmo. Pensei comigo que estávamos desconfiados há poucos dias e que naquela hora a gente estava prestes a correr a final. Depois foi só história”.

Essa vitória histórica foi em maio e, meses depois, em outubro, no Mundial de Atletismo, em Doha (Catar), a equipe nacional formada por Rodrigo Nascimento, Vitor Hugo dos Santos, Derick Silva e Paulo André conquistou o quarto lugar com a marca de 37s72,  quebrando o histórico recorde brasileiro e sul-americano da prova que durou mais de 19 anos. A antiga marca era 37s90 obtida na conquista da prata olímpica em Sydney (Austrália), em 2000.  Esse quarto lugar no Mundial de 2019 confirmou a vaga brasileira nos Jogos de Tóquio.

Recorde brasileiro

"Não sinto pressão. É uma coisa que me motiva. Acho que a palavra mais correta é expectativa. Você precisa aprender a correr a prova dos 100 m. Ela é muito complexa. Sempre tem um ponto que você precisa acertar. Em 2019, corri várias vezes entre 10s e 10s10. Para mim e para a minha equipe, é uma realidade. Se eu quero fazer história individualmente, preciso pensar em 09s80, 09s70".

No Troféu Brasil do ano passado, ele chegou a concluir a prova em 09s90, mas a marca não foi homologada porque o vento estava em 3,6 m/s, superando o limite máximo de 2 m/s. Já, no Campeonato Mundial, Paulo André fez o tempo de 10s14, ficou em quarto lugar na primeira série semifinal, e em 12º no geral, sem conseguir a vaga na final. A classificatória foi vencida pelo americano Christian Coleman, que acabou sendo o campeão mundial da prova, com o tempo de 09s76 (a sexta melhor marca de todos os tempos).

Relação com o pai 

Pai e treinador, o ex-velocista Carlos Camilo acompanha o dia a dia da carreira do filho.  O carinho, a preocupação e os cuidados do ex-atleta levam a crer que a carreira de Paulo André será ainda mais vitoriosa. Mas a convivência nem sempre é tranquila. "Ele é um pouco chato como amigo", revela às gargalhadas o jovem velocista. Paulo André reconhece que em algumas vezes a dupla misturava um pouco as coisas. "Mas hoje em dia ele me entende muito. E eu também amadureci bastante" completa.

Fonte: Agência Brasil

Edição 2020 da Corrida de Juiz de Fora será virtual e beneficente

Organizador propõe desafio pela internet para corredores e ciclistas

Foto: Acervo Pessoal

Em época de pandemia do novo coronavírus (covid-19), que tem inviabilizado praticamente todos os eventos esportivos ao redor do mundo, a solução dos organizadores da Corrida Rural da Represa em Juiz de Fora (na zona da mata mineira) para não cancelar a edição desse ano, que será a terceira da iniciativa, foi propor um formato online, diferente dos anos anteriores, nos quais a Represa João Penido foi o cenário da prova.

O organizador da corrida, Jaime Moura, disse à Agência Brasil que “a ideia é cada um correr ou pedalar na sua própria casa, ou onde lhe convier, porém sozinho e distante de todos os concorrentes”.

“Vale correr no quintal, na esteira, na bicicleta ergométrica e até na garagem”, afirma Jaime. Os percursos são de seis, 12 e 21 quilômetros de corrida ou 30 e 60 quilômetros de ciclismo. “Cada um dos competidores terá que comprovar a distância percorrida e o tempo através de postagens em redes sociais, ou através de fotos de cronômetros digitais”, afirma.

A inscrição apenas com medalha custa R$ 35, e com o kit completo, R$ 70. “O kit completo tem medalha, camiseta e máscara. Não temos fins lucrativos, vou distribuir todo o valor arrecado para entidades assistenciais da região. O cadastro pode ser feito pela página do evento na internet.

“Corro todo dia 10 quilômetros aqui em casa. Dá sim [para correr em casa]. É só querer. Já recebemos inscrições de vários locais. Tem gente do Ceará, da Argentina, de Portugal e até da China”, diz o organizador. As entidades que serão auxiliados com os recursos obtidos são a Sopa dos Pobres e o Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Fonte: Agência Brasil

28 outubro 2018

Kiptum bate recorde mundial da meia maratona

O queniano Abraham Kiptum. EFE/Manuel Bruque
O queniano Abraham Kiptum bateu, com o tempo de 58min18, o recorde mundial da meia maratona, em prova disputada neste domingo em Valência, na Espanha.

Kiptum, de 30 anos e que tinha como melhor marca pessoal 59min09, superou assim um recorde que estava vigente desde 2010, de 58min23, e era do eritreu Zersenay Tadese.

Em segundo lugar na prova de hoje em Valência ficou o etíope Jemal Yimer (58min33), seguido pelo compatriota Abadi Hadis (58min44).

Entre as mulheres, a vitória ficou com Gelete Burka, da Etiópia, com tempo de 1h06min10, seguida por Alia Mohammed, dos Emirados Árabes Unidos (1h06min13), e Edith Chelimo, do Quênia (1h06min18).

14 outubro 2018

Com gol do herói da Euro, Portugal vence Escócia em amistoso

Helder Costa, Éder e Bruma garantem vitória portuguesa (Foto: Andy Buchanan/AFP)
Fechando a rodada de amistosos internacionais neste domingo, a seleção de Portugal foi a Glasgow encarar a Escócia e mesmo sem entrar em campo com os jogadores considerados titulares venceu a partida sem dificuldades pelo placar de 3 a 1.

O próximo compromisso de Portugal está marcado apenas para o mês de novembro, quando encara a Itália, fora de casa, pela quinta rodada da Liga das Nações, no dia 17, às 17h45 (de Brasília). Pela mesma rodada da competição e no mesmo dia e horário, a Escócia também entra em campo e visita a Albânia.

O jogo

O primeiro tempo foi equilibrado, com chances para ambos os lados. Portugal conseguiu ficar mais com a bola no pé, mas a Escócia chegou a ter momentos de superioridade, sobretudo na metade da primeira etapa, mas não aproveitou para converter em gols.

Mesmo equilibrando a partida e chutando bastante, os escoceses tomaram um banho de água fria pouco antes de ir para o intervalo. Aos 43 minutos, Kevin Rodrigues cruzou na área e Hélder Costa estava lá para ganhar do zagueiro e mandar para o fundo da rede, abrindo o placar em Glasgow.

O segundo tempo começou morno, com poucas emoções. Portugal não tinha mais tanta vantagem na posse de bola e via os adversários chutaram mais ao gol. No entanto, a equipe de Fernando Santos fez valer a superioridade técnica e o favoritismo para chegar ao segundo tento.

Aos 29 minutos, em falta cobrada na medida por Renato Sanches, Éder, o herói da Euro 2016, subiu mais alto para cabecear da entrada da pequena área e estufar as redes, ampliando para os lusos.

Já no finalzinho, aos 39 minutos, Gedson Fernandes acionou Bruma, que invadiu a área, driblou a marcação e mandou a bomba no ângulo direito para decretar o triunfo.

Nos acréscimos, aos 49 minutos, saiu o gol de honra da Escócia. Em jogada bem trabalhada, McGregor ganhou dos defensores, girou e tocou Steven Naismith, que sem pestanejar, mandou para o fundo da rede.

Confira outros resultados dos amistosos internacionais deste domingo:

Tailândia 1 x 0 Trinidad e Tobago


Fonte;Gazeta Esportiva

10 outubro 2018

Australiano que apoiou o movimento Black Power em 1968 ganha estátua

EPU/AFP/Arquivos / -
A Austrália vai homenagear com uma estátua Peter Norman, o velocista branco que apoiou no pódio dos Jogos Olímpicos do México-1968 a manifestação a favor do movimento Black Power dos atletas negros americanos Tommie Smith e John Carlos.

Meio século depois, a foto segue sendo uma das mais famosas da história do esporte. Nela, é possível ver Smith e Carlos, primeiro e terceiro colocados da prova dos 200 metros nos Jogos Olímpicos, erguendo o punho fechado e usando uma luva preta durante o hino dos Estados Unidos, um protesto silencioso contra a discriminação racial.

No segundo lugar do pódio, Norman, um atleta branco, dá seu apoio aos dois atletas americanos ao usar um adesivo do "Olympic Project for Human Rights" (OPHR), um movimento pelos direitos humanos que havia convidados os atletas negros a boicotar os Jogos Olímpicos.

Os três homens pagaram caro pelo gesto. Os dois americanos foram suspensos da delegação americana e banidos por toda vida dos Jogos Olímpicos. Norman (1942-2006), que nunca lamentou seu gesto, se tornou um pária na Austrália.

O velocista não foi selecionado para os Jogos de Munique-1972, mesmo tendo corrido diversas vezes abaixo do tempo necessário para se classificar, e também foi esquecido pela organização dos Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000.

Foi preciso esperar até 2012, seis anos após a morte de Norman, para que o Parlamento australiano apresentasse um texto pedindo desculpas ao atleta pelo tratamento ao qual foi submetido.

- Momento emblemático -
EPU/AFP / -
A federação australiana, a Athletics Australia, explicou que o gesto de Norman era agora reconhecido como "um dos momentos mais emblemáticos do esporte australiano e um momento particular na história olímpica".

A entidade anunciou que uma estátua de bronze de Norman será erguida nos arredores do Estádio Lakeside de Melbourne, no sul da Austrália, um ano após o lançamento de uma campanha para que isso fosse feito.

"As iniciativas para homenagear Peter Norman, como esta estátua, chegam muito tarde", reconheceu o presidente da federação de atletismo, Mark Arbib.

O dirigente também anunciou que o dia 9 de outubro, data da morte do ex-atleta em 2006, será de agora em diante o "Dia Peter Norman", uma homenagem respeitada nos Estados Unidos há mais de uma década.

Smith e Carlos foram em 2006 dois dos carregadores do caixão de Norman. Carlos pediu aos australianos que "contem a seus filhos a história de Norman".

Em abril, o Comitê Olímpico Australiano concedeu a Ordem ao Mérito a Peter Norman, a título póstumo.

16 setembro 2018

Queniano Eliud Kipchoge quebra recorde mundial na maratona

AFP / John MACDOUGALL
O queniano Eliud Kipchoge venceu a maratona de Berlim, neste domingo, e quebrou o recorde mundial da prova ao cruzar a linha de chegada em duas horas, um minuto e 39 segundos.

O recorde anterior pertencia ao compatriota Dennis Kimetto, que percorreu os 42,195 km do percurso na capital alemã em 2h02:57, em 2014.

"Minha única palavra é 'obrigado'", declarou Kipchoge após cruzar a linha de chegada. O maratonista agradeceu seus colaboradores e os organizadores.

Após a largada, Kipchoge começou a abrir a vantagem sobre seus principais adversários depois da primeira hora da corrida. O queniano foi marcando tempos parciais sempre abaixo do recorde de Kimetto.

Kipchoge foi favorecido pelo excelente clima da prova, com temperatura de aproximadamente 20º C e sem vento.

Após deixar para trás o primeiro pelotão, Kipchoge correu sozinho os últimos 17 km da maratona.

"Foi difícil correr sozinho, mas estava confiante. Disse que ia correr minha própria corrida, seguindo meu plano, e tinha confiança", declarou Kipchoge, que sempre insiste que nesta prova "a força mental é chave".

Por outro lado, a queniana Gladys Cherono conseguiu defender o título conquistado no ano passado e voltou a vencer a prova feminina, cruzando a linha de chegada em 2h18:11.

15 setembro 2018

Thiago Braz vai competir no Troféu Brasil de Atletismo neste domingo

 (Foto: Wander Roberto/COB)
O Troféu Brasil de Atletismo, realizado pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) e coorganizado pela Federação Paulista de Atletismo (FPA) termina neste domingo. O último dia do evento terá uma de suas principais atrações.

Às 14 horas (de Brasília), o campeão olímpico Thiago Braz, do Pinheiros, tenta a medalha de ouro no salto com vara masculino. O atleta ficou no lugar mais alto do pódio nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, quando venceu o duelo acirrado contra o francês Renaud Lavillenie ao saltar 6,03 metros.

Além de Thiago Braz no salto com vara, a final dos 200 metros feminino também traz uma das principais atrações do Troféu Brasil de Atletismo. Depois de conquistar o ouro nas provas de 100 metros e 400 metros, Vitória Rosa tenta sua terceira vitória na competição.

O Troféu Brasil de Atletismo acontece em Bragança Paulista (SP), no Estádio Central de Desenvolvimento do Atletismo. O último dia do evento começa às 8h55.

Confira todas as finais do Troféu Brasil de Atletismo deste domingo

09h05 – Salto com vara feminino
09h45 – Salto em altura feminino
10h00 – 5.000 m feminino
11h00 – 200 m feminino
11h15 – 200 m masculino
11h30 – Heptatlo (800 m)
13h45 – Salto em distância feminino
14h00 – Salto com vara masculino
14h25 – 400 m com barreiras feminino
14h45 – Salto em altura masculino
14h50 – 400 m com barreiras masculino
15h00 – Lançamento do dardo masculino
15h15 – 1.500 m feminino
15h30 – 800 m masculino
15h45 – Salto em distância masculino
16h00 – 5.000 m masculino
16h45 – 4×400 m feminino
17h05 – 4×400 m masculino


Fonte:Gazeta Esportiva

31 agosto 2018

Thiago Braz fecha etapa de Bruxelas em 10º; Andressa de Morais é prata

 (Foto: Flávio Florido/Exemplus/COB)
Campeão olímpico no salto com vara na Rio 2016, Thiago Braz não teve um bom desempenho na etapa de Bruxelas da Diamond League. Nesta sexta-feira, o brasileiro passou longe do pódio e terminou a prova na décima colocação, com a marca de 5,53m.

O campeão foi o russo Timur Morgunov, que compete sob bandeira neutra, com 5.93m de marca. A medalha de prata ficou com o americano Sam Kendricks (5,88m) e a de bronze com o canadense Shawnacy Barber (5,83m).

O quarto lugar ficou o polonês Piotr Lisek, com 5,78m. Fechando o top 5, ficou o maior de rival de Thiago, o francês Renaud Lavillenie com a marca de 5.73m.

Brasil sobe ao pódio no lançamento de disco

Ao contrário de Thiago, o dia de Andressa Oliveira de Morais foi de sucesso. A paraibana terminou em segundo lugar no lançamento de disco com a marca de 64,65m, que só foi superada pela cubana Yaimé Pérez, com 65,00m. Ambas superaram a favorita Sandra Perkovic, bicampeã olímpica e bicampeã mundial, que ficou em terceiro lugar, com 64,31m.

“Estou muito feliz. O resultado mostra, mais uma vez, que o trabalho que venho fazendo com o meu técnico está dando certo. Aliás, não estou conseguindo tudo isso sozinha. Tenho de agradecer a muita gente”, comemorou a recordista sul-americana.


Fonte:Gazeta Esportiva

24 agosto 2018

Brasil conquista 10 medalhas no primeiro dia do Ibero-Americano

(Foto: Fernando dos Reis/CBAt)
O Brasil começou muito bem a sua participação no 18º Campeonato Ibero-Americano de Atletismo, aberto na tarde desta sexta-feira, no Estádio Chan Chan, na cidade de Trujillo, no Peru. A equipe brasileira participou de seis das nove finais realizadas na primeira etapa da competição, conquistando 10 medalhas, sendo quatro de ouro, quatro de prata e duas de bronze.

Nas duas provas mais aguardadas do dia – as finais dos 100 m masculino e feminino -, o Brasil obteve ótimos resultados. No masculino, fez dobradinha. Paulo André de Oliveira e Jorge Henrique Vides completaram a distância com o mesmo tempo: 10s26. Paulo André levou o ouro no fotofinish.

No feminino, Vitória Cristina Rosa confirmou o favoritismo ao vencer com 11s33, seguida da equatoriana Angela Tenório (11s36). Rosangela Santos, recordista sul-americana, ficou com a medalha de bronze, com 11s44. Os brasileiros já haviam dominado as semifinais dos 100 m. Vitória venceu a primeira série, com 11s37, e Rosangela, a segunda, com 11s49 (0.5). No masculino, Paulo André ganhou a primeira, com 10s37, e Jorge Henrique, a segunda, com 10s33.

No lançamento do disco, nova dobradinha brasileira. Andressa Oliveira de Morais conquistou a medalha de ouro, com 62,02 m, seguida de Fernanda Borges, com 60,14 m. Andressa, recordista sul-americana da especialidade, participa no próximo dia 31 da final da Liga Diamante em Bruxelas, na Bélgica.

No salto em altura, o Brasil conseguiu também duas medalhas. Foi prata com Talles Frederico Silva, com 2,21 m, mesma marca do campeão argentino Carlos Layoy. Fernando Ferreira garantiu o bronze, com 2,10 m. Augusto Dutra conquistou a medalha de ouro no salto com vara, com 5,40 m. O argentino Germán Chiaraviglio ficou em segundo lugar, com 5,20 m, seguido do espanhol Didac Salas, com 5,10 m. No salto em distância, Eliane Martins assegurou a medalha de prata, através da marca de 6,66 m. A campeã foi a espanhola Juliet Itoya, com 6,73 m.

Para este sábado, estão previstas mais 21 finais, sendo 11 pela segunda etapa e 10 pela terceira. Os destaques do Brasil são Gabriel Constantino e Darlan Romani, recordistas sul-americanos dos 110 m com barreiras e do arremesso do peso, respectivamente. Gabriel disputa a final às 11h10 (de Brasília), enquanto Darlan, que na semana que vem participa da etapa final da Liga Diamante em Zurique, na Suíça, compete a partir das 16h35 (também de Brasília).


Fonte:Gazeta Esportiva

18 agosto 2018

Bolt chega na Austrália para período de treinos no Central Coast Mariners

Foto:Reprodução/Twitter
Após encerrar a sua trajetória como velocista, Usain Bolt vem apostando na carreira de jogador de futebol. O jamaicano de 31 anos, multicampeão olímpico já realizou testes no Borussia Dortmund e amistosos na Noruega, e agora passará por um período de treinos no Central Coast Mariners, clube que disputa a elite do futebol australiano.

Em sua chegada à Syney, Bolt atraiu diversos torcedores ao aeroporto, e o diretor geral do clube australiano, Shaun Mielekamp, mostrou-se animado com a novidade.

“Nosso objetivo é ser a marca esportiva mais inovadora, divertida e voltada para a comunidade na Austrália, é nossa vantagem competitiva. Ter Usain Bolt vindo ao clube para treinar e, espero, se desenvolvendo em um jogador profissional está perfeitamente alinhado com esta parte da filosofia do clube”, declarou.

Semanas atrás, o atleta já havia dado entrevista ao site oficial do Central Coast Mariners para falar sobre a oportunidade, e revelou que tornar-se jogador é um sonho para ele.

“Estou muito animado sobre ir para a Austrália e gostaria de agradecer ao dono e à administração do Central Coast Mariners por me conceder esta oportunidade. Sempre foi meu sonho jogar futebol profissionalmente, e sei que isso vai me envolver em muito trabalho duro e treinamentos para chegar ao nível necessário para jogar e causar impacto na liga”, disse.


Fonte:Gazeta Esportiva

12 agosto 2018

Calvin prata atrás do Mzuronak bielorrusso no Campeonato Europeu

Foto:AFP / Andrej ISAKOVIC
A francesa Clémence Calvin, neófito na distância, ficou em 2º lugar na maratona no Campeonato Europeu de Atletismo (2h 26:28), seis segundos atrás do bielorrusso Volha Mazuronak domingo, em Berlim.

A checa Eva Vrabcova-Nyvltova completou o pódio (2: 26.31).

Último adversário para acompanhar Mazuronak, Calvin (28) tentou surpreendê-la no início do último quilômetro.

Mas Mazuronak, 5ª no Rio Games na modalidade, tem experiência e é ela quem largou os franceses nos últimos hectómetros.

"Eu disse ganhando a medalha de prata porque eu cheguei mais forte que eu. Mesmo que eu não tenha me impressionado e, depois do 35º quilômetro, eu pensei que" aguenta falar sobre sua velocidade de terminal + " respondeu o Martigale.

"Agora eu posso dizer que sou um corredor de maratona, você luta antes de tudo contra si mesmo, não há aspecto tático", disse a jovem.

Com 29 anos e vivendo em Nova York, Mazuronak estava competindo na capital alemã para a sua 12ª maratona.

Calvin medalhista de 10.000m de dinheiro para a "Europa" em 2014 em Zurique e um tricolor no início, é o terceiro francês no pódio na maratona no Campeonato Europeu.

Ela também completou com a prata o bronze de Maria Rebelo, em 1990, e o ouro aos quase 40 anos de Christelle Daunay em 2014.

Calvin também estabeleceu o segundo desempenho francês de todos os tempos em 42.195 km, atrás da marca nacional de Daunay, 2 horas 24 min 22 seg desde 2010.

A Bielorrússia venceu a equipe de ouro, também forte em quarto e quinto lugares em individual, à frente da Itália e da Espanha.

O belga Koen Naert vence grande vitória no Campeonato Europeu, os franceses estão lutando

Foto:AFP / Andrej ISAKOVIC
O belga Koen Naert dominou a maratona do Campeonato Europeu de Atletismo em 2h09min51seg, um novo recorde para o evento, enquanto os franceses terminaram em 30º no domingo, em Berlim.

Naert venceu com uma vantagem confortável, à frente da suíça Tadesse Abraham (2h 11:34) e da italiana Yassine Rachik (2h12: 09).

O Blues, que teve que defender sua equipe em 2º lugar no Zurique em 2014, sofreu na segunda metade do evento.

Abdellatif Meftah terminou em 30º em 2:19:23, bem na frente de Yohann Durand (2:19:33) e Benjamin Malaty 39º (2h 20:19).

Líder da equipe, Hassan Chahdi, doente, abandonado logo após a meia-corrida.

"Eu tive uma dor de garganta aqui em Berlim com as mudanças repentinas de temperatura e talvez o ar condicionado do hotel, mas no início da corrida me senti muito bem, eu estava no clima para o grupo. Eu sofri um primeiro ponto depois de uma dúzia de quilômetros, então eu tinha mais e mais problemas para respirar, eu não podia sentir minhas pernas poderiam me carregar e então eu estava forçado a desistir ", disse Chahdi.

Recordista europeu (2h 05:48), o norueguês Sondre Nordsal Moen, lesionado, saiu rapidamente da prova.

Por equipes, a Itália está à frente da Espanha e da Áustria, com a França caindo para o 10º lugar.

Naet, usando barba e óculos, começou pouco depois do 30º km para gradualmente aumentar sua vantagem. Ele terminou em sétimo e primeiro Europeu da maratona de Berlim em 2015.

07 agosto 2018

Usain Bolt fecha contrato para treinar em clube australiano

 (Foto: Adrian Dennis/AFP)
Desde que se aposentou do atletismo, Usain Bolt deixou claro que gostaria de tentar ser jogador de futebol. O ex-velocista jamaicano já fez treinos com o Manchester United, Borussia Dortmund, Stromsgodset (Noruega) e Mamelodi Sundowns (África do Sul). Agora ele irá dar um novo passo.

O homem mais rápido do mundo fechou um acordo com o Central Coast Mariners. A equipe australiana anunciou: “podemos confirmar a chegada a um acordo para que Bolt treine por tempo indeterminado no clube com o objetivo dele se tornar jogador de futebol profissional”.

“O acordo entre o Central Coast Mariners e Usain Bolt não garante um contrato, mas proporciona uma grande oportunidade para conseguir seu objetivo de se tornar um jogador de futebol”, completou o comunicado.

Usain Bolt, que tem oito ouros olímpicos e se aposentou no ano passado, também comemorou a nova oportunidade em sua carreira. Lenda nas provas de 100 metros e 200 metros rasos, o velocista completará 32 anos no dia 21 de agosto.

“Estou emocionado de chegar a Austrália e gostaria de agradecer tanto ao proprietário como ao treinador por estar oportunidade. É meu sonho jogar futebol profissionalmente e trabalharei duro nos treinamentos para obter o nível necessário para fazer a diferença na A-League (Campeonato Australiano)”.


Fonte:Gazeta Esportiva

05 agosto 2018

Em Fortaleza, quenianos superam brasileiros no Circuito de Corridas

(Foto: Natinho Rodrigues /adorofoto/HT Sports)
A sexta etapa do Circuito de Corridas, neste domingo, terminou como a anterior: com os quenianos dominando e subindo no lugar mais alto do pódio. Desta vez em Fortaleza, Isaac Kimutai Kiplagat e Emily Chepkemoi Arusio desbancaram o brasileiros Joílson Bernardo da Silva e Franciane dos Santos Moura na Elite 10km, como fizeram na capital pernambucana no final do último mês.

No Aterro da Praia de Iracema, a disputa masculina foi decidida nos mertros finais quando Isaac tomou a dianteira e cruzou a linha de chegada marcando 30min02. Ele foi seguido por Joilson, que anotou 13 segundo a mais. “Faltou pouco para subir ao degrau mais alto do pódio. Mas foi uma boa disputa e estou feliz com o resultado”, destacou o brasileiro.

O pódio da categoria Elite 10km masculino foi completado com o Juarez Rosa Silva, que anotou 30min57, Damião Ancelmo de Souza , dono de 31min15 e Noel dos Reis Alves (31min27).

No feminino, por sua vez, apenas quatro segundos separaram Franciane, campeã na abertura do Circuito na Capital mineira, de outro ouro. Emily, número um do dia, completou o percurso em 35min21. No pódio, subiram também Aline Prudêncio de Freitas (36min49), Cruz Nonata da Silva (37min57) e Antonia Bernadete Lins da Silva (38min22).

“Fiz uma boa prova, não desisti em nenhum momento e gostei do resultado. Estou me preparando para a Meia Maratona de Belo Horizonte, agora em agosto, e cruzar em segundo lugar em duas etapas seguidas do Circuito é gratificante”, disse a melhor atleta do Brasil.

A próxima etapa da competição acontece em Porto Alegre, no próximo dia 26. A competição acaba apenas em 08 de dezembro, com encerramento em Goiânia, depois de 12 estágios.


Fonte:Gazeta Esportiva

31 julho 2018

Sistema de classificação do atletismo para Tóquio 2020 é divulgado

(Foto: WAGNER CARMO/CBAT)
A pouco menos de dois anos para o início dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, e faltando exatamente o mesmo tempo para começarem as disputas de atletismo, a Federação Internacional da categoria (IAAF) divulgou, nesta terça-feira o sistema de qualificação para a competição. A definição foi aprovada na reunião da entidade, na última semana, em Buenos Aires, Argentina.

Para a disputa de 10.000m, maratona, marcha atlética, revezamento e eventos combinados (decatlo, heptatlo e pentatlo) o período de qualificação acontece entre 1 de janeiro de 2019 até 29 de junho de 2020. Para as outras disputas, a busca por vaga começa em 1 de julho de 2019 e se estende até 29 de junho de 2020.

Para garantir espaço entre os convocados, existem duas maneiras. A primeira delas é conquistando uma boa colocação no ranking mundial da categoria no final do período de classificação.

A segunda forma é atingindo o indice exigido pela entidade, no mesmo tempo. O valores necessários serão divulgados mais adiante. Segundo a entidade, “os padrões de entrada serão definidos com o único propósito de qualificar atletas com desempenhos excepcionais incapazes de se qualificarem por meio do ranking”.

O atletismo terá 1900 competidores, ao todo, com, no máximo, três representantes por país em cada prova. Os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 serão abertos em 24 de julho, com o programa de atletismo a partir de 31 de julho.


Fonte:Gazeta Esportiva

06 julho 2018

Thiago Braz e Dilshod Nazarov chegam para o GP Brasil de Atletismo

 (Foto: Wagner Carmo/CBAt)
Os atletas que disputarão a 33ª edição do Grande Prêmio Brasil de Atletismo continuam a chegar ao País. A competição, que faz parte do IAAF World Challenge, é considerada a mais importante do Atletismo na América Latina. Disputado pela primeira vez em 1985, em São Paulo,será realizado na cidade de Bragança Paulista, na região de Campinas (SP).

O evento, que será acompanhado por delegados da IAAF, acontecerá no domingo (8), no Estádio do Centro Nacional de Desenvolvimento de Atletismo (CNDA) – Estrada Municipal Antônio Franco de Lima, s/n (acesso pela Rodovia Alkindar Monteiro, km 50,5 – SP 063) – Bairro do Campo Novo. A entrada será livre para o público.

Na manhã desta sexta-feira (dia 6) a organização informou a chegada de dois campeões olímpicos nos Jogos do Rio 2016: Thiago Braz (Brasil), no salto com vara, e Dilshod Nazarov (Tadjiquistão), no lançamento do martelo. Como os demais participantes do GP, Thiago e Nazarov estão hospedados no Atibaia Residence Hotel & Resort, na cidade de Atibaia.

O brasileiro manifestou esperanças de saltar bem na competição. “Este ano enfrentei lesões”, disse Thiago, antes de subir ao quarto para descansar. “Primeiro senti a panturrilha e depois o pé, isso tem atrapalhado”, admitiu o saltador, que começou bem o ano e marcou 5,90 m na temporada indoor.

Thiago explicou que pretendia saltar na Liga Diamante de Lausanne (Suíça), na quarta-feira (dia 4), mas acabou não competindo exatamente porque sentia incômodo no pé. “Em situações assim é melhor prevenir e preferi não saltar”, afirmou o atleta. “Aqui no GP Brasil vamos buscar uma boa marca”, finalizou o campeão olímpico.

Dos atletas inscritos no salto com vara do GP o dono da melhor marca no ano é o norte-americano Cole Walsh, que tem 5,75 m (recorde pessoal) e ocupa o 12º no Ranking Mundial.

No lançamento do martelo, Nazarov é o sexto do ano, com 78,18 m. Outro nome top 10 na prova é Pavel Bareisha, da Belarus, 10º com 77,37 m. O brasileiro Wagner Domingos, o Montanha, é o recordista sul-americano com 78,63 m. Ele foi finalista na Olimpíada do Rio.

O evento começará no domingo às 13:30. No total, cerca de 130 atletas de 25 países disputarão 16 provas oficiais do torneio. Também serão disputadas duas provas de 100 m de paratletas (100 m masculino e 100 m feminino).

SERVIÇO

EVENTO: Grande Prêmio Brasil Caixa de Atletismo
LOCAL: Estádio do CNDA
ENDEREÇO: Estrada Municipal Antônio Franco de Lima, s/n (acesso pela Rodovia Alkindar Monteiro, km 50,5 – SP 063) – Bairro do Campo Novo.
DATA: 08/07/2018
HORA: 13:30
ENTRADA: livre

Fonte:Gazeta Esportiva

03 julho 2018

Campeão olímpico do martelo é atração no GP Brasil de Atletismo

 (Foto: Wagner Carmo/CBAt)
O Grande Prêmio Brasil de Atletismo 2018 terá dezenas de atrações internacionais no próximo domingo, a partir das 13h30 (de Brasília), no Estádio do Centro Nacional do Desenvolvimento do Atletismo, na cidade de Bragança Paulista, em São Paulo. As provas de arremesso e lançamentos terão atletas do Brasil e exterior que estão entre os melhores do mundo.

O campeão olímpico no Rio 2016, com 78,68 m, Dilshod Nazarov, do Tadjiquistão, confirmou sua participação no lançamento do martelo. Seu recorde pessoal é de 80,71 m, obtido em Halle, na Alemanha, em 2013. Este ano, Nazarov obteve 78,18 m em Chorzów, na Polônia, e ocupa a quinta colocação no Ranking Mundial.

O britânico Nick Miller, outra atração na prova, no GP Brasil, é o terceiro colocado no Ranking Mundial com 80,26 m, marca alcançada em Gold Coast, na Austrália. O Brasil terá dois representantes de respeito, Wagner Domingos finalista olímpico no Rio 2016, e Allan Wolski. Recordista sul-americano da prova com 78,63 m, Wagner, conhecido como Montanha, tem 74,56 m como melhor resultado do ano. Já Allan Wolski tem o recorde pessoal de 75,22 m, alcançado em São Bernardo do Campo.

Além de constar do programa do GP Brasil, que faz parte do IAAF World Challenge, um dos principais circuitos do Atletismo internacional, a prova também integra o Hammer Throw Challenge.

No arremesso do peso, o brasileiro Darlan Romani é o atleta mais bem ranqueado na competição: quarto colocado, com 21,95 m, marca conseguida na etapa da Liga Diamante de Eugene, nos Estados Unidos. O brasileiro, quarto colocado no Mundial Indoor de Birmingham, terminou em quinto lugar na Olimpíada do Rio. O seu maior adversário deve ser o nigeriano Chukwuebuka Enekwechi, que tem 21,18 m como recorde pessoal, estando em 11º lugar no Ranking da IAAF. A marca foi obtida em Charlottesville, nos Estados Unidos.

No lançamento do disco, o norte- americano Rodney Brown e o jamaicano Traves Smikle estão entre os favoritos. Rodney lançou este ano 65,33 m, em Chicago, nos Estados Unidos, enquanto Traves tem 67,72 m, alcançados em janeiro em Kingston, na Jamaica.

No peso feminino, a jamaicana Danniel Thomas-Dodd é o grande nome. Quinta colocada no Ranking Mundial com 19,36 m, marca conseguido em Gold Coast, na Austrália. Entre as adversárias estão a norte-americana Daniella Hill, que tem 19,64 m como recorde pessoal e 18,02 m como melhor do ano. A força brasileira da prova é Geisa Arcanjo, finalista olímpica em Londres 2012 e Rio 2016. A brasileira tem como recorde pessoal 19,02 m, alcançado no Estádio Olímpico de Londres, em 2012.

Já o lançamento do disco feminino, a paraibana Andressa de Morais entra na prova, com o seu melhor resultado da temporada: 63,77 m, alcançados na Liga de Diamante de Doha, no Catar. Ela é a recordista sul-americana da prova, com 64,68 m, marca obtida em Assunção. Fernanda Borges tem 64,01 m como pessoal.


Fonte:Gazeta Esportiva

26 junho 2018

Paulo André mira repetir desempenho do último ano no GP Brasil

(Foto: Wagner Carmo/CBAT)
Em bom momento na carreira, o paulista Paulo André de Oliveira volta a defender seu país no Grande Prêmio Brasil de Atletismo. Ele entra na pista no dia 8 de julho, para a prova que fechará o evento, no Centro Nacional do Desenvolvimento do Atletismo (CNDA), em Bragança Paulista (SP).

No último ano, ele venceu a mesma competição, dessa vez, em São Bernardo do Campo (SP) com 10s23. Comandado por seu pai, Carlos José Camilo de Oliveira, ele também ganhou o Troféu Brasil, igualmente no ABC Paulista, com 10s18.

No próximo mês, Paulo encara três fortes nomes estrangeiros. O sul-africano Thando Roto, que tem 9s95 como recorde pessoal, é o favorito para subir no lugar mais alto do pódio. Além dele, Cejhae Greene, de Antigua & Barbuda, entra na prova com 10s01 como o seu melhor resultado, alcançado no dia 30 de abril de 2016. Por sua vez, Roscoe Engel, também da África do Sul, soma 10s06 como melhor tempo.

No feminino, a primeira brasileira a ser finalista nos 100m em um Mundial, Rosangela Santos, tem como meta fazer a prova em menos de 11s e repetir a marca da semifinal da competição internacional. Ela corre ao lado de Vitória Rosa, líder do ranking brasileiro com 11s18.

A norte-americana Barbara Pierre, dona do melhor resultado nos 100m (11s23) e campeã mundial em pista coberta dos 60m em Portland, nos Estados Unidos, em 2016, entra como principal nome a ser batido.


Fonte:Gazeta Esportiva

17 junho 2018

Brasileiros se destacam em torneios europeus de atletismo

(Foto: Divulgação)
O atletismo brasileiro continua faturando medalhas nas competições pela Europa. No Meeting Internacional de Berna, na Suíça, o catarinense Rodrigo Pereira do Nascimento venceu os 100 m, com 10.26s. O suíço Alex Wilson ficou em segundo lugar, com 10.38s, seguido do holandês Solomon Bockarie, com 10.41s. O carioca Derick Souza terminou em quarto, com 10.48s.

Rodrigo também conseguiu garantir o pódio nos 200m, ficando em segundo com 20.47. Ele terminou atrás do suíço Wilson Alex, campeão, com 20.26.

Já na França, no Meeting Internacional de Marselha, Vitória Cristina Rosa ganhou a medalha de bronze nos 100 m, com 11.32. A jamaicana Kerron Stewart foi a campeã, com 11.25, seguida da francesa Orlann Ombissa Dzangue, com 11.28. Na mesma competição, Eliane Martins terminou em quarto lugar no salto em distância, com 6,67m.

Enquanto isso, na Alemanha, duas competições simultâneas. No Weitsprung Gala, Jessica Carolina dos Reis terminou em 6º lugar na prova do salto em distância, com 6,00 m. Em Leverkussen, na Alemanha, Rosangela Santos ficou com a medalha de prata nos 100 m, com 11.47.


Fonte:Gazeta Esportiva
 
Back To Top