Atividade Esporte News: Brasileiro Série C
⚽Notícias
Mostrando postagens com marcador Brasileiro Série C. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Brasileiro Série C. Mostrar todas as postagens

18 outubro 2018

Danilo Báia conquista segundo título nacional em dois anos.

Lateral conquistou seu segundo título nacional em dois anos, defendendo as cores do Operário Ferroviário-PR. 


Fotos: José Tramontin/OFEC
O Operário Ferroviário é Campeão Brasileiro da Série C 2018. O alvinegro venceu o Cuiabá-MT por 1 a 0, na Arena Pantanal, na partida de volta da final e conquistou o título da competição nacional. No primeiro jogo, as equipes empataram em 3 a 3. A algumas temporadas no clube, o lateral-direito conquistou mais um título pelo OFEC.

"Representa pra mim uma marca histórica. Para minha carreira e pro Operário que é algo extraordinário, subimos de patamar no cenário nacional do futebol brasileiro", disse Danilo Báia, lateral-direito do OFEC.

O Operário encerra a Série C do Brasileiro 2018 com 12 vitórias, oito empates, quatro derrotas, 32 gols marcados e o título de campeão. Em 2017, o alvinegro conquistou o título de Campeão Brasileiro da Série D.

Danilo Báia, campeão brasileiro da série D em 2017 e campeão brasileiro da série C em 2018, finaliza falando sobre sua permanência no clube e sonha com voos mais altos.

"Sobre permanecer no Operário, sim.
Sem dúvida​ alguma, tenho sonhos, metas e objetivos dentro do Operário. Primeiro fazer um grande campeonato estadual e depois se Deus quiser fazer uma grande série B, visando o acesso a série A do Brasileirão", finalizou Danilo Báia.

13 outubro 2018

Após término do brasileiro série C, Airon Santos aguarda propostas

Goleiro disputou o Paulistão pelo Noroeste e o campeonato Brasileiro da Série C, pelo Tombense. 


Foto: Bruno Freitas/Noroeste.
Com o término do campeonato brasileiro da série C, o jovem goleiro de apenas 24 anos, Airon Santos está disponível no mercado. O goleiro que já havia sido destaque do Noroeste no Paulistão, aguarda por propostas. 

Com seis vitórias, sete empates e oito derrotas, o Tombense encerrou sua participação no Brasileiro Série C na sexta colocação com 22 pontos.

Airon Santos falou sobre expectativa para voltar a jogar e projeto para 2019 estar novamente jogando em São Paulo.

"Minha expectativa é sempre a melhor. Espero estar em atividade logo e poder voltar a fazer o que eu amo. Estamos a disposição para trabalhar. Estamos ansiosos para estar jogando novamente aqui em São Paulo", disse Airon Santos.

16 setembro 2018

Operário empata com o Cuiabá e primeiro jogo da final da C e termina em briga

Em jogo emocionante, Fantasma saiu na frente, cedeu a virada, mas conseguiu empatar no finalzinho da partida. Final do espetáculo foi marcada por briga no gramado!

Foto:Reprodução/Facebook/Operário FC
O Operário empatou em 3×3 com o Cuiabá no primeiro jogo da final da Série C do Campeonato Brasileiro. O Fantasma chegou a abrir dois gols de vantagem, mas o adversário fez três gols em 20 minutos, virando o jogo. O empate, depois de muita emoção, veio já nos descontos.

As equipes voltam a se enfrentar no próximo sábado (22), às 19h, na Arena Pantanal, em Cuiabá. Qualquer empate levará a decisão do título para os pênaltis. Quem vencer no tempo normal, fatura a Terceirona. Para este compromisso, as duas equipes correm o risco de perder vários atletas. Depois do espetáculo, uma confusão generalizada se instalou no gramado e sobraram tapas e socos pra todos os lados.

Foto: Josué Teixeira
O árbitro mal tinha apitado o início do jogo e, na primeira jogada, o Fantasma marcou, levando a torcida que lotou o Estádio Germano Krüger à loucura. Em jogada pela esquerda, Dione recebeu e chutou com consciência. A bola ainda bateu na trave antes de entrar: 1×0 Operário!

O gol precoce não desanimou o Cuiabá, que quase descontou de cabeça com Marino, aos 12. No entanto, o Fantasma dominava as ações e já no finalzinho do primeiro tempo fez mais um. Danilo Báia cruzou na medida pra Erick subir de cabeça e ampliar para 2×0. Na resposta, Adriano Pardal tentou descontar pro Cuiabá, mas carimbou a trave de Simão.

No segundo tempo, logo aos quatro minutos, o Cuiabá diminuiu. Marino bateu de frente depois do toquinho de Jenison, sem chances para Simão. Um pouco depois, em uma jogada parecida, foi Adriano Pardal que chutou a bomba, mas desta vez, o goleiro do Fantasma mandou pra escanteio.

Mas Marino, oportunista, marcou mais um. Depois do sururu na área, ele se adiantou a Danilo Báia e chutou sozinho, de dentro da área.: 2×2. O empate deixou os cuiabenses animados e Eduardo Ramos achou Jenison na área que subiu mais que a defesa e virou o jogo.

O técnico Gerson Gusmão decidiu mexer na equipe e, com sangue novo, o Operário voltou a ter o controle de jogo. Aos 32, na cobrança de falta de Cleyton, Vítor fez um milagre. Aos 38, Sosa carimbou a trave depois do escanteio.

A insistência valeu e depois do passeio da bola pela área, Robinho aproveitou a sobra e bateu de frente, empatando a partida, já aos 46 da etapa final, decretando o empate em Ponta Grossa.

O Operário jogou com Simão; Danilo Báia (Anderson Paraíba), Alisson, Sosa e Peixoto; Chicão, Erick, Cleyton, Robinho e Dione (Quirino); Bruno Batata (Schumacher).

Já o Cuiabá foi com Victor Souza; Jean, Ednei, Edson Borges e Danilo; Alê, Marino e Eduardo Ramos; João Carlos (Doda), Adriano Pardal e Jenison.


Fonte:TribunaPR

09 setembro 2018

Operário vence Bragantino nos pênaltis e vai para a final da Série C

 (Foto: José Tramontin/OFEC)
Neste domingo, o Operário superou o Bragantino na disputa de pênaltis em partida realizada no estádio Germano Krüger e garantiu a sua presença na final da Série C do Campeonato Brasileiro. Após um novo 0 a 0 com a bola rolando, o time da casa contou com a tarde inspirada do goleiro Simão, que pegou duas cobranças e fechou a disputa em 4 a 2.

Durante o primeiro tempo, as duas equipes arriscaram bastante em suas jogadas ofensivas, porém o time visitante conseguia finalizar com mais perigo as suas jogadas. Logo aos 10 minutos, Juliano aproveitou a sobra dentro da área e finalizou forte, porém o goleiro Simão fez a defesa na melhor oportunidade do primeiro tempo.

Na segunda etapa, o time da casa conseguiu criar mais perigo ao gol adversário e teve uma ótima chance aos 27 minutos, quando Dione passou bem pela marcação e finalizou cruzado, fazendo com que a bola passasse bem perto da trave de Alex Alves.

Treze minutos mais tarde, o Operário teve uma nova grande chance com Schumacher, que subiu mais que todo mundo e cabeceou a bola firmemente na trave.

Com  placar em igualdade, a decisão aconteceu nos pênaltis. Pelo lado do Fantasma, Bruno Batata, Schumacher, Cleyton e Dione converteram. Já pelo lado do Bragantino, Robertinho e Marquinhos acertaram, porém Rafael Chorão, Guilherme desperdiçaram.

Na decisão, o Operário / Bragantino enfrenta agora o Cuiabá, que bateu o Botafogo-SP por 3 a 0 no estádio Santa Cruz no último sábado.

08 setembro 2018

Cuiabá faz história,vence o Botafogo-SP e está na final da Série C

Foto: Raul Ramos/Agência Botafogo
Com a autoridade de quem faz história em 2018, o Cuiabá Esporte Clube vai decidir o título do Campeonato Brasileiro da Série C. Em pleno estádio Santa Cruz, o Dourado bateu o Botafogo (SP) por 3 a 0, assegurou a vaga na decisão e aguarda seu adversário do confronto entre o Operário (PR) e o Bragantino (SP).

O atacante Jenison foi o grande artilheiro do jogo, fazendo dois dos três gols que colocaram o Cuiabá EC na histórica decisão. O lateral-esquerdo Danilo também balançou a rede e manteve o Dourado com o título de melhor ataque da competição, com 39 gols marcados. O jogo de ida, na Arena Pantanal, terminou 0 a 0.

O acesso à Série B, conquistado diante do Atlético (AC), e a vaga para a final obtida neste sábado (8) em Ribeirão Preto não satisfazem o grupo que quer o título inédito para coroar o ano histórico. “Estamos sempre buscando o melhor, nosso grupo é excelente, graças ao trabalho pude estar inspirado mais uma vez hoje e feliz demais com essa vaga na final. Agora vamos em busca do título para coroar o nosso acesso”, afirmou o artilheiro da tarde logo após o jogo.
Foto: Raul Ramos/Agência Botafogo

Com a vitória, o Cuiabá EC completa quatro jogos diante do Botafogo (SP) neste ano, se mantendo invicto. Dois jogos terminaram 0 a 0 e, além do 3 a 0 da semifinal, o Dourado venceu em casa, na fase de grupos, por 2 a 1.

A outra vaga para a final sai amanhã (9). Jogando em Bragança Paulista, Bragantino (SP) e Operário (PR) ficaram no 0 a 0 e agora disputam a partida de volta em Ponta Grossa (PR), no estádio Germano Krüger.

02 setembro 2018

Cuiabá e Botafogo-SP empatam sem gols na Arena Pantanal

 (Foto: Raul Ramos / Agência Botafogo)
Conhecida por sua temperatura quente, Cuiabá recebeu uma partida bastante morna entre os donos da casa e o Botafogo-SP. O placar de 0 a 0 foi um balde de água fria aos quase 25 mil torcedores do Cuiabá que compareceram na Arena Pantanal na noite deste domingo.

O empate por 0 a 0 entre as equipes deixou a decisão da vaga à final da Série C do Brasileiro para o jogo de volta, em Ribeirão Preto.

O primeiro tempo entre Cuiabá e Botafogo foi sem grandes emoções. A partida começou com o time de Ribeirão Preto deixando claro que esperaria o tempo todo o Dourado. O Pantera ficou a primeira etapa sem conseguir ao menos finalizar uma vez. Assim, os donos da casa que tomaram a iniciativa. Aos 5 minutos, Bruno Sávio acertou lindo voleio, mas João Lucas ficou com a bola. Depois deste lance, nenhuma das duas equipes conseguiu ter boas chances e ambos foram ao intervalo sem mexer no placar da Arena Pantanal.

Os times melhoraram nos últimos 45 minutos da partida. O goleiro João Lucas, substituto de última hora de Tiago Cardoso, negociado com o Goiás, fez duas ótimas intervenções e evitou o gol do Cuiabá. O Pantera até se arriscou no ataque e levou perigo em bolas aéreas. Mas nenhum lado conseguiu o gol da vitória.

O jogo de volta da semifinal entre Botafogo e Cuiabá acontecerá em Ribeirão Preto, no estádio Santa Cruz, sábado, às 17h. Quem vencer leva a vaga. Se houver novo empate, a decisão será por pênaltis.

01 setembro 2018

Em jogo de poucas chances, Bragantino e Operário-PR ficam no empate

(Foto: Rafael Moreira/CA Bragantino)
Tudo igual na primeira partida da semifinal da Série C do Campeonato Brasileiro! Neste sábado, no Estádio Nabi Abi Chedid, no interior paulista, Bragantino e Operário-PR não saíram do 0 a 0 e mantiveram o retrospecto equilibrado dos demais confrontos. Em uma partida ruim tecnicamente e de poucas chances, os dois times abusaram da ligação direta e obrigaram muito pouco dos goleiros, deixando a decisão do finalista para o próximo domingo.

O empate deste sábado foi apenas mais um entre as duas equipes no ano. No mesmo grupo durante a primeira fase, Bragantino e Operário se enfrentaram outras duas vezes com dois outros empates. No primeiro turno, o placar foi de 1 a 1. Já no segundo, o placar também não foi alterado: 0 a 0.

Os primeiros 45 minutos foram de muita marcação e supremacia dos sistemas defensivos em relação aos ataques. Jogando dentro de casa, o Bragantino tomou a iniciativa, mas criou apenas duas boas jogadas. Em uma delas, o goleiro Simão fez ótima defesa. Já do lado do Operário-PR, a bola parada foi a principal arma, mas com pouca efetividade.

No segundo tempo, o cenário foi praticamente o mesmo do primeiro, com ambas equipes encontrando muitas dificuldades para criação de jogadas ofensivas e abusando das ligações diretas. Enquanto o Operário parecia satisfeito com o empate para a segunda partida, o Bragantino não conseguia encontrar espaços para sair na frente do placar. Resultado final: 0 a 0 e tudo igual para a decisão.

Com o empate na primeira partida, a decisão de quem vai à final da Série C do Campeonato Brasileiro enfrentar Botafogo-SP ou Cuiabá será no próximo domingo, dia 9 de setembro. A partir das 15h30 (de Brasília), Operário e Bragantino se enfrentam no Estádio Germano Kruger, com o acesso à Série B já garantido, por uma vaga na grande final.

O JOGO

O início de jogo ficou marcado pelo nervosismo e um confronto plasticamente muito ruim para os torcedores presentes no Estádio Nabi Abi Chedid. Enquanto os dois times abusavam das ligações diretas, as principais chances eram criadas por intermédio das bolas paradas. Foi assim que, aos 10 minutos, o Bragantino quase abriu o placar com Mateus Peixoto, que isolou a sobra dada pelo goleiro no rebote após cruzamento.

Aos poucos, o time da casa conseguiu por a bola no chão e trocar boas sequências de passes, enquanto o Operário seguia com a marcação bem postada, mas com muitas dificuldades para criar chances de gol. Tanto que foi o Bragantino que chegou novamente, dessa vez aos 22 minutos. Rafael Chorão lançou Mateus Peixoto, que soltou uma bomba para grande defesa de Simão.

O segundo tempo seguiu a mesma dinâmica da primeira etapa, com os dois times criando muito pouco ofensivamente e abusando nas faltas, principalmente no setor de meio-campo. A primeira oportunidade mais efetiva foi novamente com o time da casa, aos 28 minutos. Buiú cruzou na área tentando encontrar Gustavo, mas o goleiro do Operário saiu bem do gol.

Aos 33, o time do interior paulista chegou novamente, mas mais uma vez pecou no arremate. Marquinhos passou por dois marcadores do Operário e arriscou, mas sem direção. Na reta final, o time paranaense recuou ainda mais para manter ao menos o empate e conseguiu conter as investidas do Bragantino.


Fonte:Gazeta Esportiva

30 agosto 2018

Danilo Báia está em mais uma semifinal com o Operário Ferroviário

O time de Ponta Grossa levantou a taça da Série D no ano passada e da Segunda Divisão Paranaense na atual temporada.


Foto: José Tramontin/OFEC
O lateral-direito Danilo Báia é um dos remanescentes dos últimos títulos do Fantasma. Caso levante a taça da Série C, Danilo Báia e o OFEC terá em seu histórico três acessos e três títulos em menos de dois anos.

"Eu só tenho a agradecer a Deus por me presentear com essa temporada. Até aqui maravilhosa, com acessos e títulos! Estou muitos feliz, espero se Deus quiser conquistar o título da Série C, que seria algo fantástico para o clube, para minha carreira e para o nosso torcedor que merece muito", disse Danilo Báia, lateral-direito do Operário Ferroviário.

O Operário Ferroviário está na Série B do Campeonato Brasileiro 2019. O alvinegro venceu o Santa Cruz por 3 a 0, na tarde do último domingo (26), no Estádio Germano Krüger. A partida foi válida pela volta das quartas de final da Série C. O Fantasma perdeu o primeiro jogo por 1 a 0, mas venceu no placar agregado por 3 a 1.

O alvinegro abriu o placar aos 22 minutos da primeira etapa. Após cruzamento de Cleyton, Sosa recebeu e tocou para Alisson chutar forte no canto direito do goleiro. A vantagem foi ampliada na segunda etapa. Aos 28 minutos, Léo cruzou e Schumacher marcou o dele. Seis minutos depois, Dione recebeu na área, balançou as redes e decretou a vitória e o acesso do Operário.

"Sobre a partida sensacional. Fizemos uma grande partida, precisávamos do resultados. Conseguimos neutralizar o que Santa Cruz tinha de bom que era o contra ataque, a partir daí impomos a nossa intensidade que em casa é muito forte, criamos às oportunidades e fomos felizes nas execuções transformando gols", finalizou Danilo Báia.

O OFEC enfrentara o Bragantino em Bragança neste sábado. O jogo de volta é no Germano Krüger, no domingo dia 9.

28 agosto 2018

Definidas datas e locais das semifinais da Série C

(Foto: Reprodução/CBF)
As datas e os locais das partidas da fase semifinal do Campeonato Brasileiro da Série C foram divulgadas na tarde desta terça-feira, pelo departamento de competições da CBF. Bragantino, Operário, Cuiabá e Botafogo, buscam lugar na frande decisão do Nacional e já sabem quando serão os confrontos.

De acordo com a tabela anunciada pela entidade, o Bragantino vai enfrentar o Operário,do Paraná, no estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista (SP), no próximo sábado, às 16 horas. O time do Sul conseguiu chegar às semis após eliminar o Santa Cruz. Enquanto o Alvinegro também superou um clube pernambucano, o Náutico.

No domingo, Cuiabá e Botafogo-SP vão jogar na Arena Pantanal, em Cuiabá (MT), às 19 horas. O Tricolor do interior passou pelo xará da paraíba. Já o time de Mato Grosso venceu o Atlético Acreano nas quartas.

Os jogos de volta vão acontecer em ordem inversa. Botafogo e Cuiabá decidem uma vaga para a final em partida que vai acontecer no sábado, dia 8 de setembro, às 17 horas, no estádio Santa Cruz, Ribeirão Preto (SP). No domingo, às 15h30, Operário e Bragantino jogam no Estádio Germano Kruger, em Ponta Grossa.


Fonte:Gazeta Esportiva

27 agosto 2018

Cuiabá empata com Atlético-AC no Florestão e garante vaga na Série B de 2019

(Foto: Divulgação)
O Cuiabá Esporte Clube é o mais novo classificado à Série B do Campeonato Brasileiro. Na noite desta segunda-feira, com um empate por 2 a 2 contra o Atlético-AC no Estádio Florestão, o time do Centro-Oeste ainda garantiu presença nas semifinais da Série C.

Depois de ganhar por 2 a 0 o primeiro jogo, disputado na Arena Pantanal, o Cuiabá passou pelo Atlético-AC sem correr grandes riscos. Na tentativa de alcançar a decisão da Terceira Divisão do futebol nacional, o time do Centro-Oeste volta a campo para enfrentar o tradicional Botafogo-SP.

O jogo
Precisando reverter a derrota do jogo de ida por 2 a 0, o Atlético-AC não deixou de criar boas chances no primeiro tempo da partida. Após duas tentativas em bola parada, o Galo Carijó chegou perto aos dez minutos, quando Eduardo cobrou falta, a bola passou por todos na área e o goleiro do Dourado fez a defesa. Mesmo com a vantagem, o Cuiabá também mostrou iniciativa no jogo. Aos 17 minutos, Marino ficou com a sobra, mas finalizou pela linha de fundo. Apesar das boas investidas, as redes não balançaram na primeira etapa.
Na volta do intervalo, o Cuiabá estava ainda mais ofensivo e já começou oferecendo perigo. Logo aos dois minutos, Eduardo Ramos tentou o cruzamento, e Diego mandou para escanteio. Alê cobrou com categoria, a bola desviou em Rafael Barros e entrou: 1 a 0.
 O Galo Carijó respondeu na sequência na tentativa de meia bicicleta de Rafael Tanque, mas que foi defendida por Victor. O time acreano seguiu dominando as ações, mas sem sucesso na hora do chute final. Depois, o Cuiabá voltou a ficar com a posse de bola e a criar boas chances. Até que, aos 28, Bruno Sávio ampliou com um golaço no Florestão. 
O camisa 11 avançou no campo de ataque, olhou onde queria finalizar e chutou colocado, sem chances para Ruan. Aos 36, o Atlético marcou um belo gol. Após cobrança de escanteio, Rafael Barros recebeu da entrada da área e fuzilou o gol do Dourado: 2 a 1. 
O Galo Carijó fez o jogo pegar fogo e chegou ao empate aos 42 minutos, após o capitão Diego testar firme para o fundo das redes. Precisando de mais dois gols para levar a decisão para os pênaltis, o Atlético seguiu ofensivo. No entanto, não havia mais tempo. Com o resultado, o Cuiabá confirmou a vaga na Série B do ano que vem, além de disputar o título da Série C em 2018.

Atlético-AC recebe o Cuiabá no Florestão precisando de vencer por três gols de diferença

Foto:Reprodução/Facebook
O Atlético-AC enfrenta o Cuiabá na noite desta segunda-feira (27) no estádio Florestão, em Rio Branco precisando de vencer por três gols de diferença para se classificar para semifinais da Série B 2019. No jogo de ida o Atlético-AC foi derrotado pelo Cuiabá na Arena Pantanal, por 2 a 0, na última segunda-feira.

Já o Cuiabá está em vantagem no confronto já que venceu o jogo de ida, na Arena Pantanal, na capital do Mato Grosso, por 2 a 0, na última segunda-feira.

Por isso, qualquer empate ou derrota por um gol de diferença garante a classificação do Cuiabá para a próxima fase da Série C.  Se o Galo Carijó vencer por dois gols, independentemente do placar, o classificado será conhecido nas penalidades.Não há critério de gol fora de casa.

O técnico Álvaro Miguéis aproveitou a semana para fazer ajustes no Galo Carijó e buscar corrigir as falhas apresentadas na derrota por 2 a 0. O treinador celeste pode promover uma alteração no time titular com a saída do atacante Neto para a entrada de Jeferson, formando assim o quarteto ofensivo acompanhado de Eduardo, Rafael Barros e Tauã. O zagueiro Reginaldo, expulso logo após o apito final do jogo de ida, não fica à disposição de Álvaro Miguéis. O provável 11 principal do Atlético-AC deve ser formado por: Ruan, Matheus, Diego, João Marcus, Alfredo; Leandro, Kássio, Eduardo, Jeferson, Tauã e Rafael Barros.

O Cuiabá vai repetir a mesma escalação do jogo de ida, o técnico Itamar Schülle deve levar a campo o Dourado com: Victor Souza, Ednei, Edson Borges, Escobar, Ronaell, Alê, Marino, João Carlos, Eduardo Ramos, Bruno Sávio e Jean.

O Jogo será comadado pelo os paulista Luiz Flávio de Oliveira, que será auxiliado pelos também paulistas Miguel Cataneo Ribeiro da Costa e Alex Ang Ribeiro. Do estado de São Paulo também é Adriano de Assis Miranda, quarto árbitro do confronto.

Hoje é último time semifinalista do Campeonato Brasileiro da Série C e que vai garantir vaga na Série B 2019 será conhecido na noite desta segunda-feira (27)  no estádio Florestão, em Rio Branco, para o duelo que fecha as quartas de final da terceira divisão nacional.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-AC X CUIABÁ

Local: Florestão, em Rio Branco (AC)
Data: 27 de agosto de 2018 (segunda-feira)
Horário: 21h (de Brasília)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira  (SP)
Assistentes: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa e Alex Ang Ribeiro (SP)

ATLÉTICO-AC:Ruan, Matheus, Diego, João Marcus, Alfredo; Leandro, Kássio, Eduardo, Jeferson, Tauã e Rafael Barros.Técnico: Álvaro Miguéis

CUIABÁ: Victor Souza, Ednei, Edson Borges, Escobar, Ronaell, Alê, Marino, João Carlos, Eduardo Ramos, Bruno Sávio e Jean.Técnico: Itamar Schülle



26 agosto 2018

Botafogo-PB vacila no final e perde chance do acesso nos pênaltis

(Foto: Renato Lopes/GloboEsporte.com)
Mais uma vez o Botafogo-PB teve o sonho do acesso à Série B frustrado. E com gol no final da partida. Desta vez, o Belo perdeu para o xará Botafogo-SP por 1 a 0 no tempo nornal e nos pênaltis por 4 a 3 no jogo de volta deste domingo, no Estádio Santa Cruz, em Robeirão Preto.

No jogo de ida, o time paraibano havia vencido por 1 a 0. Em casa, o Pantera devolveu o placar e coroou a temporada em que comemora o seu centenário com o acesso.

O resultado classificou o Botafogo-SP para as semifinais da atual edição da Série C. O adversário da fase seguinte sairá do confronto entre Cuiabá e Atlético-AC, na segunda-feira, em Rio Branco. No jogo de ida, o time do Mato Grosso abriu vantagem com uma vitória por 2 a 0.

A outra semifinal da terceira divisão já está definida. Será disputada entre Operário-PR, que passou pelo Santa Cruz, e Bragantino, algoz do Náutico.

Para se juntar ao grupo dos semifinalistas, o Botafogo-SP teve que sofrer no Estádio Santa Cruz. Contando com o apoio da sua torcida, viu a missão ser facilitada depois que Fábio Alves desferiu um carrinho em Lucas Mendes e foi expulso, aos 24 minutos do segundo tempo.

Com um jogador a mais, o Botafogo-SP passou a pressionar o seu xará, que já se esforçava para não fazer a bola rolar. Aos 47 minutos, não houve jeito. Caio Dantas foi acionado por Salino e chutou forte, no alto, para abrir o placar e deixar o público local em êxtase.

Nos pênaltis, o primeiro a desperdiçar foi Juninho, do Botafogo-PB, que chutou no travessão. Logo em seguida, porém, Everton Santos cobrou mal e parou na defesa do experiente goleiro Saulo. Por sorte, Marcos Aurélio também não converteu. Coube, então, a Felipe Augusto fechar a contagem em Ribeirão Preto.


Fonte:Paraíba Online

Náutico empata com Bragantino e amargará mais um ano na Série C

Para reverter uma desvantagem de dois gols após a derrota por 3 a 1 para o Bragantino no jogo de ida das quartas de final, o Náutico teria que ter uma atuação perfeita na Arena de Pernambuco. Para coroar um ano que poderia ser perfeito. Não foi o que aconteceu. 

Apesar de pressionar a equipe paulista durante toda a partida, o campeão pernambucano pecou nas finalizações (com direito a perder um pênalti com Wallace Pernambucano) e cometeu um erro na saída de bola com o prata da casa Luiz Henrique, pagando muito caro por isso. O inútil empate por 1 a 1, decepcionou os 27.469 alvirrubros presentes no estádio e deixou o Timbu mais uma temporada na Série C. O ano de 2018 chega ao fim em agosto.
O jogo
Sem surpresas, o técnico Márcio Goiano escalou o Náutico com Lelê no ataque e apenas dois volantes, em uma formação mais ofensiva do que vinha utilizando. E o cenário do jogo esteve dentro do esperado, com o Timbu procurando pressionar o Bragantino desde os primeiros minutos. 

Com boas trocas de passes e Lelê dando uma boa movimentação ofensiva, os alvirrubros “amassaram’ a equipe paulista, pecando porém no principal. As conclusões das jogadas. Assim, nos 15 minutos iniciais, foram pelo menos três boas chances de abrir o placar. Duas delas, com Josa, o volante mais recuado do time, aparecendo como elemento surpresa.

O grito de gol, porém, ficou preso aos 31 minutos, após cruzamento da direita e cabeçada livre de Dudu para espetacular defesa do goleiro Alex. No entanto, diante do buraco em que estava por conta do resultado do jogo de ida, o Náutico não podia se dar o direito ao erro. E ele aconteceu logo em seguida com Luiz Henrique.

Em uma jogada fácil, onde teve duas chances de afastar a bola, o prata da casa foi desarmado e deixou a defesa desguarnecida. Em um primeiro momento, Bruno até defendeu o chute de Magno. Mas na sequência, ainda com o sistema defensivo desarrumado, Matheus Peixoto, de cabeça, abriu o placar na Arena.

Com a desvantagem agora de três gols, não restou outra alternativa a Márcio Goiano a não ser colocar o time ainda mais a frente. E com isso, Wallace Pernambucano foi acionado. Porém, o treinador sacou Josa, principal marcador, desfez o esquema que vinha pressionando o Bragantino e deixou o Náutico ainda mais exposto. O resultado foi uma queda de produção do time, com a equipe paulista em uma postura ainda mais favorável.
Segundo tempo
No retorno para a etapa final, Márcio Goiano fez mais uma mudança, com a entrada de Rafael Assis na vaga de Dudu. Como era de se esperar, o desenho seguia sendo o do Náutico atacante e o Bragantino se defendendo. Faltava ao time pernambucano, porém, ser mais incisivo na definição das jogadas, com poucos chutes, muitos cruzamentos e bolas tocadas de lado a lado. Sem penetração na defesa do Massa Bruta.

Para complicar ainda mais, o Bragantino passou a jogar com o regulamento ainda mais debaixo do braço. Com nove minutos, o técnico Marcelo Veiga colocou mais dois zagueiros em campo, bloqueando de vez a sua entrada da área. 

As últimas esperanças de uma histórica reação acabaram aos 24 minutos, quando o goleiro Alex defendeu um pênalti cobrado por Wallace Pernambucano. Foi a senha para a torcida começar a deixar a Arena de Pernambuco. Aos 38 minutos, Wallace Pernambucano ainda empatou a partida. Para poucos torcedores gritarem gol. O ano do Náutico chegava ao fim.

Ficha do jogo
Náutico 1
Bruno; Bryan, Camutanga, Suelinton e Assis; Josa (Wallace Pernambucano), Luiz Henrique e Lelê (Jobson); Dudu (Rafael Assis), Ortigoza e Robinho. Técnico: Márcio Goiano.

Bragantino 1
Alex; Buiu (Everton), Lázaro, Guilherme Mattis e Fabiano; Adenilson, Magno, Rafael Chorão e Vitinho; Matheus Peixoto (Danilo Bueno) e Léo Jaime (Júnior Goiano). Técnico: Marcelo Veiga.

Local: Arena de Pernambuco
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (Fifa-RJ)
Assistentes: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa (Fifa-RJ) e Carlos Henrique Alves (RJ)
Gols: Matheus Peixoto (32 min do 1º) e Wallace Pernambucano (38 min do 2º)
Cartões amarelos: Ortigoza, Rafael Assis (N), Buiu, Guilherme Mattis, Vitinho, Matheus Peixoto, Adenílson, Lázaro (B) 
Público: 27.469
Renda: R$ 879.515


Fonte:Super Esportes

Santa perde para Operário por 3 a 0 e terá que disputar a Série C em 2019

Foto:José Tramontin/Operário-PR
Com 104 anos de história, o Santa Cruz carrega grandes feitos que orgulham a sua multidão fiel de seguidores. Desde 2008, porém, o clube passou a criar uma ligação amarga com o porão do futebol brasileiro. Foi neste ano que a equipe passou a frequentar a Série C de maneira preocupante. Neste domingo, no estádio Germano Krüger, em Ponta Grossa, diante do Operário, teve a oportunidade de deixar essa indesejada relação para trás. Precisava de um empate. No entanto, falhou. E falhou feio. Sem mostrar qualquer força que respeite a sua tradição, a equipe acabou derrotada por 3 a 0, nas quartas de final, e termina a temporada de 2018 em pleno mês de agosto. Já o rival garante uma vaga na Segunda Divisão no próximo ano.

Após criar apenas duas chances nos primeiros minutos de partida, o time de Roberto Fernandes se desmantelou em campo. Não conseguiu criar lances ofensivos. Tampouco soube se defender e sofreu gols de Alisson, Schumacher e Dione. Cada vez que as redes balançaram, vinha certeza de que o time tricolor terá que disputar a Série C pela quinta vez na história. Fruto de um ano em que a equipe sofreu para superar os mata-matas, sendo eliminado precocemente no Pernambucano, Copa do Brasil, Copa do Nordeste e, agora, no Campeonato Brasileiro.

Primeiro tempo

O Santa Cruz começou o jogo com apenas uma mudança na equipe titular. Após Carlinhos Paraíba sentir cansaço muscular ao longo da semana, Roberto Fernandes optou por colocar Charles desde o início do confronto. O time, portanto, ganhou um reforço na marcação e conseguiu se ajustar para sair rápido nos contra-ataques. Com essa proposta, o Tricolor teve as primeiras chances de gol do confronto antes de ser bombardeado.

As duas, por sinal, estiveram nos pés de Pipico e, em sequência, logo aos seis e sete minutos.  A primeira foi criada por Vitor e finalizada para fora pelo atacante, levando perigo. Na segunda, Robinho roubou a bola no meio-campo. Na sequência, o centroavante se esticou para aproveitar o cruzamento, mas não conseguiu.

A empolgação, imediatamente, saiu de cena para entrar o drama. Afinal, logo no minuto seguinte, o Fantasma passou a atormentar o Santa Cruz. Foi uma sequência de chances que começou com um gol anulado corretamente devido ao impedimento de Schumacher até o placar ser aberto. Aos 21 minutos, após cruzamento, a defesa coral não cortou o perigo e o zagueiro Alisson chutou de fora da área para colocar o time mandante na frente. O gol também quebrou a sequência do Mais Querido de não ser vazado em quatro jogos seguidos.

Nesse momento, o Tricolor já sofria para marcar as investidas do rival e via a estratégia de iniciar o confronto mais protegido ruir. Afinal, o Santa Cruz mostrou dificuldade para interromper a criação do Operário, principalmente com o meia Cleyton. Quando tinha a bola, o problema passou a ser a dificuldade de articulação, tentando a todo instante ligações diretas. A etapa inicial chegou ao fim no lucro para Roberto Fernandes.

Segundo tempo

Mesmo com o cenário adverso, Roberto Fernandes decidiu voltar aos minutos finais com a mesma formação. Nos primeiro 20 minutos, as duas equipes pareciam com receio de se expor. O jogo, então, ficou morno. Foi quando o treinador do Santa Cruz decidiu arriscar e tirou volante Charles para a entrada do atacante Augusto. 

Antes mesmo que qualquer mudança fosse constatada, a equipe do  Operário desferiu outro duro golpe. Aos 27 minutos, após cruzamento, Schumacher se adiantou a Danny Morais e chutou de primeira para fazer o segundo gol do time. Abatido e cometendo erros bobos com a bola, o Santa Cruz se desestabilizou ainda mais na partida. O nocaute veio aos 34 minutos. Dione fez o terceiro e decretou a permanência coral na Série C.
Ficha do jogo
Operário 3
Simão; Léo, Alisson, Sosa e Peixoto; Chicão, Erick e Robinho (Xuxa); Lucas Batatinha (Dione), Schumacher (Quirino) e Cleyton. Técnico: Gerson Gusmão
Santa Cruz 0
Ricardo Ernesto; Vítor; Sandoval (Augusto Silva), Danny Morais e Allan Vieira; Willian Maranhão, Charles (Augusto) e Arthur Rezende; Jailson, Robinho e Pipico. Técnico: Roberto Fernandes

Local:  Germano Krüger, em Ponta Grossa
Árbitro: Raphael Claus (Fifa/SP)
Assistentes: Danilo Ricardo Simon Manis (Fifa-SP) e Rogerio Pablos Zanardo (SP)
Gols: Alisson (21min do 1ºT), Schumacher (27min do 2ºT), Dione (34min do 2ºT)
Cartões amarelos: Lucas Batatinha, Chicão (O); Arthur Rezende (S)
Público: 7.085
Renda: R$ 241.950,00


Fonte:Super Esportes

Para concretizar ano perfeito, Náutico busca reação ante Bragantino por acesso à Série B

Alvirrubro precisa de vitória por três gols de vantagem para obter classificação direta, ou por dois para forçar a decisão por pênaltis

Existem anos que de tão emblemáticos viram referências dentro da história de um clube. No Náutico, 1968 será sempre ligado ao hexacampeonato pernambucano, assim como 2001 o do título do centenário (evitando que o rival Sport igualasse a sequência de seis estaduais seguidos). Nessa mesma linha, 2018 tem tudo para entrar nessa categoria. Um ano que iniciou sem motivos para dar esperanças aos alvirrubros vem sendo marcado como o do resgate, com a conquista do Campeonato Pernambucano, após 13 anos de jejum, e a tão esperada volta aos Aflitos, próxima de ser concretizada. Resta porém, o último passo. O mais importante. O que coroaria uma temporada perfeita e pavimentará um 2019 menos penoso. Pelo menos financeiramente. Falta o acesso à Série B do Campeonato Brasileiro. Missão a ser iniciada às 17h deste domingo, na Arena de Pernambuco, contra o Bragantino.

Partida que também é um resumo da caminhada do Náutico nesta Série C. Assim como foi preciso uma recuperação surpreendente para chegar às quartas de final, com o time saindo da lanterna para a primeira colocação do Grupo A, os alvirrubros precisarão, novamente, de uma reação daquelas para não ser esquecida pela torcida. Após a derrota por 3 a 1 no jogo de ida, encerrando uma série de 10 partidas invicta da equipe, o Timbu precisa de um triunfo por três gols de vantagem para obter a classificação de forma direta, ou de pelo menos por dois tentos para levar a decisão para os pênaltis. Qualquer outra situação favorece o Bragantino.

Sendo assim, não resta outra opção ao técnico Márcio Goiano a não ser mandar a campo uma formação mais ofensiva do que de costume, com a retirada de um dos volantes (no caso Jhonnatan), para a entrada de mais um jogador ofensivo. O mais cotado é o meia Lelê, com Wallace Pernambucano podendo ser a surpresa na escalação. "O Náutico precisa se agressivo. Estamos perdendo a partida. Com Lelê temos maior mobilidade e com o Wallace ganhamos em presença de área. Mas são dois jogadores que com certeza, em determinado momento do jogo, vai nos ajudar bastante", explicou o treinador.

Outra aposta dos alvirrubros em uma reviravolta é o retrospecto positivo como mandante. Nesta Série C, o Timbu manteve o bom aproveitamento de toda a temporada na Arena de Pernambuco, somando sete vitórias, um empate e apenas uma derrota. Além disso, quatro desses triunfos foram por dois gols de vantagem (pênaltis) e um por três (classificação direta). Além disso, com mais de 23 mil ingressos vendidos de forma antecipada, o time terá seu maior público nesta Série C. E o segundo maior da temporada, abaixo apenas da final do Campeonato Pernambucano, que contou com 42.352 torcedores, recorde em jogos de clube do estádio.

"A cada vitória o torcedor foi comparecendo em maior número. Nós sabemos o que vale esse jogo para todos nós. Sentimos na pele a importância dessa partida e o torcedor é parte importante nisso. Ele faz parte desse processo. Vamos estar todos juntos nesse momento muito importante para o clube", encerrou o treinador. A convocação está feita. 
Ficha do jogo
Náutico
Bruno; Bryan, Camutanga, Suelinton e Assis; Josa, Luiz Henrique e Lelê (Wallace Pernambucano); Dudu, Ortigoza e Robinho. Técnico: Márcio Goiano

Bragantino
Alex Alves; Buiú, Lázaro, Guilherme Mattis e Fabiano; Adenilson, Magno, Rafael Chorão e Vitinho (Fernandinho); Léo Jaime e Matheus Peixoto. Técnico: Marcelo Veiga.

Local: Arena de Pernambuco
Horário: 17h
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (Fifa-RJ)
Assistentes: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa (Fifa-RJ) e Carlos Henrique Alves (RJ)
Ingressos: Sul superior (R$ 20); norte inferior (R$ 30), leste e oeste superior (R$ 30); Timbu VIP Open Bar (R$ 120 para sócio e R$ 150 para não sócio).

Para deixar a Série C no passado, Santa Cruz joga por empate contra Operário-PR por acesso

Após vencer jogo de ida no Arruda, Tricolor tem vantagem mínima no jogo das 15h deste domingo, em Ponta Grossa, em partida decisiva para o clube

Não é digno da história do Santa Cruz estar na Série C. Não é condizente com o tamanho da torcida, do estádio. Com a tradição do clube. Porém, de 2008 para cá, foi esta a divisão do Campeonato Brasileiro que o Tricolor mais disputou. Mais do que as Séries B e D, onde esteve por três anos, e que a elite nacional, onde passeou por uma vez, em 2016. Para voltar a pensar grande e evitar a quinta participação na Terceirona da história, o Tricolor tem pela frente o jogo mais importante do ano. Às 15h deste domingo, o Mais Querido enfrenta o Operário-PR, no estádio Germano Krüger, em Ponta Grossa. A um empate do acesso. Por um empate para deixar a Série C no passado. E, de preferência, não voltar nunca mais.

O Tricolor jogou a Terceira Divisão em 2008, 2012, 2013 e nesta temporada. Na última vez em que esteve na competição atual, terminou o ano com o título de campeão. “Hoje em dia, você pode ter a maior tradição do planeta, maior torcida, a camisa mais tradicional. Se você não tiver estrutura de trabalho compatível com a exigência atual, qualquer time está sujeito à queda”, alertou Roberto Fernandes. “Mas vamos em busca desse acesso, antes de tudo”, acrescentou.

Apesar de ter no currículo mais de 20 clube somados em quase duas décadas de carreira, o treinador coral jamais conseguiu a façanha de conquistar um acesso de divisão nacional. "De Brasileiro, não tenho. Até porque das vezes que briguei pelo acesso foi na Série B, onde não tem mata-mata. De mata-mata, só conquistei acesso no Campeonato Paulista. Pela primeira vez na Série C que chego com essa possibilidade", disse.

“De todos os jogos dessa briga pelo acesso, nenhum tem mais cara de acesso na Série C que esse. Náutico vai jogar na Arena, o Botafogo-SP em um estádio amplo… Nós vamos para um  alçapão, que favorece choque, catimba e lembrando que o Operário não se limita a isso, é tecnicamente uma equipe muito boa, de bons jogadores, que considero ter pelo menos o mesmo nível do Santa Cruz”, alertou o técnico coral.

Diferentemente de Roberto, o elenco tricolor que joga diante do Fantasma - apelido do adversário que soa irônico a um adversário que se viu rodeado pelo “fantasma” do rebaixamento com frequência nos últimos anos - tem alguns jogadores têm acesso pelo próprio Santa Cruz. Casos do zagueiro Danny Morais e dos laterais Allan Vieira e Vítor, que levaram o time à Série A com o vice-campeonato da Série B, em 2015. 

“Eles saíram comemorando o placar de 1 a 0 porque era o placar mínimo. A vitória dentro de casa era o que a gente queria, para chegarmos fortes na volta. Estamos cientes que vamos enfrentar uma equipe forte, mas temos totais condições de voltarmos com mais esse acesso", afirmou o experiente Vítor, 36 anos, autor do belo gol de falta que deu a vitória ao Tricolor no último domingo, no Arruda. 
O time
A escalação do Santa Cruz para o jogo decisivo contra o Operário é uma interrogação. Guardado a sete chaves por Roberto Fernandes. “São dois aspectos. Se alguém registrar em cartório para que possa estar assegurada a escalação do Operário e me entregá-la, eu devolvo a escalação do Santa Cruz”, disse o treinador. “É uma guerra, jogo decisivo. Vale a vida do Santa Cruz”, acrescentou. Dentre as possibilidades, estão a utilização de uma escalação com três zagueiros ou a entrada do volante Charles, de mais contenção, na vaga de Carlinhos Paraíba. 
Operário-PR
Assim como o Santa Cruz, o Operário fechou os treinamentos à imprensa e à torcida desde a última quinta-feira. Mistério do técnico Gerson Gusmão, que terá que realizar pelo menos duas mudanças forçadas na equipe. Suspenso, o atacante Bruno Batata deverá ser substituído pelo experiente Schumacher. Na cabeça de área, Índio está vetado. Erick é o possível substituto. No meio de campo, existe ainda uma disputa entre Xuxa, Cleyton e Robinho por duas vagas. Há ainda a possibilidade de o trio jogar junto. Nesse caso, Lucas Batatinha ficaria no banco.
Ficha do jogo
Operário-PR
Simão; Léo, Alisson, Sosa e Peixoto; Chicão, Erick e Robinho; Lucas Batatinha, Cleyton e Schumacher. Técnico: Gerson Gusmão.

Santa Cruz
Ricardo Ernesto; Vítor; Danny Morais e Allan Vieira; Willian Maranhão, Carlinhos Paraíba (Charles) e Arthur Rezende; Jailson, Robinho e Pipico. Técnico: Roberto Fernandes.

Local: Germano Krüger, em Ponta Grossa.
Data: 26/08/2018.
Horário: 15h.
Árbitro: Raphael Claus (FIFA-SP).
Assistentes: Danilo Ricardo Simon Manis (FIFA-SP) e Rogerio Pablos Zanardo (SP).

20 agosto 2018

O Cuiabá bate o Atlético-AC no jogo de ida e abre vantagem na briga por vaga nas semifinais da Série C

Cuiabá 2 x 0 Atlético-AC (Foto: Pedro Lima / Cuiabá EC)
Foto:Pedro Lima/Cuíabá EC
O Cuiabá saiu na frente do Atlético-AC na noite desta segunda-feira, pelo jogo de ida das quartas de final da Série C do Campeonato Brasileiro. Graças aos gols de Alê e Edson Borges, o time mato-grossense fez o dever de casa e saiu da Arena Cuiabá com o importante triunfo por 2 a 0.

Com o resultado, o Cuiabá fica com ótima vantagem para o jogo de volta, que acontecerá na próxima segunda-feira, no estádio Florestão, em Rio Branco. Caso os mato-grossenses avancem às semifinais, eles se garantirão automaticamente na Série B do ano que vem.

O jogo – O Cuiabá começou a partida pressionando os visitantes, mas faltava eficiência para conseguiu reverter a superioridade em gols. Depois de rondar a área do Atlético-AC algumas vezes, os donos da casa, enfim, conseguiram vencer o bloqueio rival com Alêm, que aproveitou o cruzamento de Eduardo Ramos para bater firme e abrir o placar.

No segundo tempo o Atlético-AC bem que tentou reagir logo no início, mas quando a defesa anfitriã não interferia nas jogadas, os próprios jogadores da equipe acreana acabavam pecando nas conclusões.


(Foto: Reprodução)
O Cuiabá, por sua vez, tentou aproveitar o nervosismo adversário e quase ampliou aos 23 minutos, quando Ednei experimentou de fora da área após erro na saída de bola do Atlético-AC e obrigou o goleiro Ruan a fazer importante defesa. Somente no finalzinho da partida, mais precisamente aos 42, que os donos da casa acabaram fazendo 2 a 0. Após cobrança de escanteio, Escobar cruzou, e Edson Borges apareceu livre para completar para o gol e garantir o triunfo do Dourado.

Confira quais foram os outros resultados nos jogos de ida das quartas de final da Série C:

Santa Cruz – PE 1 x 0 Operário – PR

Bragantino – SP 3 x 1 Náutico – PE

Botafogo-PB 1 x 0 Botafogo-SP

19 agosto 2018

Santa Cruz vence o Operário e larga na frente por acesso à Série B

Tricolor venceu paranaenses no Arruda com golaço de falta do lateral Vítor

Foto:Nando Chiappetta/DP
Dever de casa feito. Com o apoio de um Arruda lotado, com quase 50 mil pessoas, e uma atuação competente, principalmente no primeiro tempo, o Santa Cruz derrotou o Operário-PR por 1 a 0 no jogo de ida das quartas de final da Série C. Resultado que dá aos corais a vantagem do empate no próximo domingo, em Ponta Grossa, para retornar à segunda divisão nacional. 

Já ao time paranaense, que chegou a quinta partida seguida sem vitórias, resta quebrar essa sequência. Triunfo por um gol de vantagem leva a decisão para os pênaltis. Por dois ou mais, a vaga é da equipe do Operário.
O jogo
Com a sua força máxima, o Santa Cruz entrou em campo para seguir a risca a cartilha que lhe cabia nesse primeiro jogo do mata-mata. Contando com um apoio em massa da torcida, o tricolor procurou se impor como mandante desde os primeiros minutos, sendo superior ao Operário durante todo o primeiro tempo.

Tendo no arisco atacante Jailson a sua principal válvula ofensiva, sendo bastante agudo pelo lado esquerdo e “amarelando” os defensores adversários (foram três na etapa), os tricolores pecavam apenas no último terço de campo. Com erros de passes e tomadas de decisões erradas nas finalizações. Faltava ao time, um pouco mais de paciência. 

E também de qualidade na criação do meio de campo, com Carlinhos Paraíba e Arthur Rezende, os responsáveis pela distribuição do jogo coral, rendendo em uma rotação abaixo do restante do time. Com o Operário mais preocupado em segurar o ímpeto pernambucano, a defesa teve pouco trabalho. E se impôs quando preciso.

Porém, para coroar a boa apresentação na etapa inicial faltava o principal. E em uma “falta dupla”, com a barreira paranaense impedindo a cobrança inicial com o braço, o experiente lateral direito Vítor mandou uma bomba indefensável para o goleiro Simão. Golaço e vantagem merecida no placar.

Segundo tempo

Sem ter motivos para mexer na equipe, o técnico Roberto Fernandes manteve a mesma formação do Santa Cruz para a etapa final. O mesmo fez o treinador Gerson Gusmão, do Operário. A mudança da equipe paranaense foi de postura, saindo um pouco mais para o ataque. 

Com isso, o goleiro Ricardo Ernesto foi obrigado a fazer boa defesa logo aos três minutos, em chute de Clayton. O que, por outro lado, deu ao Santa os espaços que não apareceram no primeiro tempo. Cabia aos pernambucanos aproveitarem.

Buscando dar maior velocidade a transição da defesa para o ataque em busca de um contra-ataque, Roberto Fernandes sacou Carlinhos Paraíba para pôr o lateral Mailton, aos 16 minutos, com Jailson sendo deslocado para o meio e Arthur Rezende como volante. A partir daí, porém, o que se viu foi um jogo mais truncado. Com o Operário muitas vezes abusando das faltas para matar as investidas corais. Sem, contudo, deixar de ser perigoso.

Em dois lances, o time paranaense por pouco não empata. No primeiro, com Bruno Batata chegando atrasado dentro da pequena área. No segundo, com Robinho isolando livre da entrada da área. Aos 36, sentindo o crescimento do Operário na partida, Roberto Fernandes reforçou o meio de campo com a entrada de Charles na vaga de Arthur Rezende. Foi o suficiente. Vitória e vantagem assegurada.
Ficha do jogo
Santa Cruz 1
Ricardo Ernesto; Vítor (Leandro Costa), Sandoval, Danny Morais e Allan Vieira; William Maranhão, Carlinhos Paraíba (Maílton) e Arthur Rezende (Charles); Jailson, Pipico e Robinho. Técnico: Roberto Fernandes.

Operário-PR 0
Simão; Leo, Alisson, Sosa e Peixoto; Chicão, Índio (Erick), Xuxa e Clayton (Robinho); Bruno Batata e Lucas Batatinha (Quirino). Técnico: Gerson Gusmão.

Local: Arruda, no Recife.
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (Fifa-RJ).
Assistentes: Rodrigo Figueiredo Corrêa e Carlos Henrique Alves  (ambos do RJ).
Gols: Vítor (45 min do 1º) (SC). 
Cartões amarelos: Ricardo Ernesto, Allan Vieira, Pipico e Robinho (SC), Quirino, Léo, Robinho, Índio, Xuxa, Bruno Batata e Erick (O). 
Público: 49.476.
Renda: R$ 782.335.


Fonte:Super Esportes

Botafogo-PB encara o xará paulista no primeiro confronto pelo acesso à Série B

Foto: Nádya Araújo/ Botafogo-PB
A dois passos do paraíso. É onde está o Botafogo-PB neste domingo (19), quando começa a decidir seu futuro na Série C do Campeonato Brasileiro. Contra o Botafogo-SP, em 180 minutos, o time paraibano disputa uma vaga na segunda divisão nacional do ano que vem. O primeiro jogo será logo mais, às 19h, no estádio Almeidão, em João Pessoa.

O Belo terminou a fase de grupos em alta. Depois de uma oscilação que rendeu a incômoda marca de seis partidas sem vencer, na reta final, o time dirigido por Evaristo Piza se encorpou e atingiu sete jogos sem perder, arrancada que rendeu a quarta colocação, e o direito de disputar o mata-mata do acesso.

Com o artilheiro Nando suspenso por ter recebido o terceiro cartão amarelo no empate por 2 a 2 com a Juazeirense, o Botafogo-PB só tem um desfalque para a partida. Em contrapartida, o treinador terá alguns retornos importantes.

O goleiro Saulo, o lateral direito Gedeilson, o zagueiro Júnior Lopes e os volantes Rafael Jataí e Rogério, que não atuaram contra os baianos por estarem suspensos, voltam ao time e iniciam as quartas de final zerados no número de cartões. Na frente, Leandro Kível é o substituto natural do camisa 9, apesar de Piza ter testado uma formação com Mário Sérgio atuando mais avançado durante a semana.

A tarefa do Belo para conseguir o acesso será dura, uma vez que seu xará paulista mostrou sua força na primeira fase terminando na liderança do Grupo B. Com vários jogadores experientes no elenco como o zagueiro Plínio, ex-Botafogo-PB, o atacante Pimentinha e o meia Tchô, por exemplo, a Pantera tem um ataque poderoso. A dupla formada por Caio Dantas e Felipe Augusto marcou 19 gols ao todo, apenas três a menos que todo o time da estrela vermelha, por exemplo.

Léo Condé, treinador do Botafogo-SP, fez mistério durante toda a semana sobre a escalação. Certo mesmo é o desfalque do lateral esquerdo Daniel Vaçan, que está suspenso. O meia Tchô e o lateral esquerdo Peri, que se recuperaram de lesão, estão liberados para atuar.

Em toda história, os dois times só se enfrentaram uma vez. No Campeonato Brasileiro de 1978, quarenta anos atrás. A partida foi disputada em Ribeirão Preto, e os paulistas venceram por 2 a 1.

Arbitragem

O trio de arbitragem é todo da FIFA e pertence ao estado de Goiás. Wilton Pereira Sampaio apita o jogo, acompanhado dos auxiliares Fabrício Vilarinho da Silva e Bruno Raphel Pires. O quarto árbitro será Bruno Rezende da Silva.

Escalações

Botafogo-PB: Saulo, Gedeilson, Gladstone, Júnior Lopes, Fábio Alves; Rafael Jataí, Rogério, Juninho, Clayton Rosa e Marcos Aurélio; Leandro Kível. Técnico: Evaristo Piza.

Botafogo-SP: Tiago Cardoso, Marcos Martins, Carlos Henrique, Plínio, Peri; Yuri, Léo Baiano, Everton Santos; Pimentinha, Felipe Augusto e Caio Dantas. Técnico: Léo Condé.


Fonte:Paraíba Online

Santa Cruz recebe Operário no jogo mais importante do ano no Arruda

Primeira das duas partidas que valem o acesso acontece às 17h deste domingo

Foto:Paulo Paiva/DP
É chegado o momento mais importante do ano para o Santa Cruz. Aquele pelo qual todo o planejamento da temporada foi traçado. Todas as contratações, idas e vindas de atletas e técnicos aconteceram. A razão de cada vitória ao longo de toda a Série C ter valido a pena. O Tricolor recebe às 17h deste domingo o Operário-PR, na primeira das duas partidas válidas pelas quartas de final do Brasileiro, que irá decidir o acesso à Série B. De olho na vantagem, o técnico Roberto Fernandes espera sair em vitorioso do Arruda nem que seja com o placar mínimo. Para isso, seguramente, irá contar com o maior público do ano no estádio.

O melhor público do ano no Arruda aconteceu na 13ª rodada na vitória por 2 a 0 sobre o Remo, quando 14.782 torcedores estiveram no José do Rêgo Maciel. Somente até a última sexta-feira, mais de 13 mil já haviam sido vendidos antecipadamente. Fator que anima Roberto Fernandes na mesma proporção ele divide uma preocupação. Afinal, o Operário é uma equipe dura. Fez a segunda melhor campanha do Grupo B. O treinador coral espera um jogo em que o equilíbrio dê a tônica da decisão. Não em vão, fez um pedido especial à torcida ressaltando que, qualquer vantagem, mínima que seja, será de grande valor.

“Se eu tiver direito a um pedido, peço que a torcida tenha paciência. Se esse gol não sair logo, não podemos nos desequilibrar. Não podemos sair para fazer o gol de qualquer jeito e se desorganizar. Vamos jogar contra uma equipe organizada e o caminho é pressionar de forma organizada também para construir o placar que nos interessa, que é buscar a vitória. Se buscarmos um placar mais amplo, melhor. Mas, primeiro, o foco é buscar a vitória. Saindo do Recife com uma vitória, já teremos uma vantagem interessante”, afirmou Roberto Fernandes.

A partir deste ano, não existe mais a figura do gol qualificado fora de casa. Vale ressaltar que, no histórico da Série C, em torno de 90% das equipes que conseguem sair com a vitória no primeiro jogo do mata-mata acabam classificadas para as semifinais e, consequentemente com o acesso à Série B. A seu favor, o Santa Cruz conta com a melhor defesa da competição (sofreu apenas 13 gols). Mais do que isso, não é vazada há três rodadas, desde que o goleiro Ricardo Ernesto assumiu a titularidade. Embora jogando em casa e com o bom momento a seu favor, Roberto Fernandes não vê o Tricolor como favorito.

“Se for falar de Santa Cruz e Operário e pegar a história dois clubes, quantos títulos cada um tem, número de torcedores, de participações na Série A, evidentemente que o Santa tem um peso maior. Mas isso não quer dizer é melhor, que tem uma condição de trabalho melhor, de suporte melhor. Temos consciência de tudo isso, mas em campo vamos precisar fazer o jogo do ano para conseguir o resultado que nos interessa”, pontuou.
O time
Após fechar uma semana de treino que classificou como “muito boa”, o técnico Roberto Fernandes adotou o mistério como estratégia para esconder a escalação. Com praticamente o elenco completo à disposição, o treinador dificilmente deverá promover alguma alteração que fuja ao tradicional. A única dúvida em evidência é na cabeça de área, onde Carlinhos Paraíba, voltando a ficar à disposição após duas rodadas, trava uma disputa com Charles. O zagueiro Danny Morais, o volante Willian Maranhão e o meia Arthur Rezende, voltando de suspensão, reforçam à equipe. “Eu tenho certeza que a equipe titular do Santa Cruz todo mundo sabe qual é. Agora, não existe uma coisa imexível”, deixou no ar.
Operário-PR
Equipe mais equilibrada da Série C, presente em 17 das 18 rodadas no G4, o Operário chega ao Arruda respaldado pelo histórico recente e pela confiança da torcida. Na saída de Ponta Grossa, interior do Paraná, centenas de torcedores fizeram uma bela festa para dar força ao elenco. Classificado desde a 14ª rodada, o Fantasma é o time que mais vezes esteve na liderança do Grupo B: sete rodadas. Assim como Roberto Fernandes, o técnico Gerson Gusmão fez mistério na escalação. Mas garantiu que não irá só se defender no Arruda. “Vamos montar uma equipe para que o Operário possa ir lá e mostrar a sua força, não ir só para se defender”, ressaltou.
Ficha do jogo
Santa Cruz
Ricardo Ernesto; Vítor; Danny Morais e Allan Vieira; Willian Maranhão, Carlinhos Paraíba (Charles) e Arthur Rezende; Jailson, Robinho e Pipico. Técnico: Roberto Fernandes.

Operário-PR
Simão; Léo, Alisson, Sosa e Peixoto; Chicão, Índio e Robinho; Lucas Batatinha, Cleyton e Bruno Batata. Técnico: Gerson Gusmão.

Local: Arruda, no Recife.
Data: 19/08/2018.
Horário: 17h.
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (FIFA-RJ).
Assistentes: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa (FIFA-RJ) e Carlos Henrique Alves de Lima Filho (RJ).
Ingressos: Arquibancada Inferior (escudo): R$ 40 (inteira) e R$ 25 (meia); Arquibancada inferior (atrás da barra): R$ 25; Arquibancada superior: R$ 20; Cadeira aluguel: R$ 60 (não sócio), R$ 50 (conselheiro) e R$ 30 (sócio proprietário); Sócios: R$ 20 (Patrimonial e Prata); e Grátis (Diamante e Ouro).


Fonte:Super Esportes
 
Back To Top