Atividade Esporte News: Copa do Brasil
⚽Notícias
Mostrando postagens com marcador Copa do Brasil. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Copa do Brasil. Mostrar todas as postagens

17 outubro 2018

É hexa! Cruzeiro se impõe em Itaquera, vence Corinthians e conquista a Copa do Brasil

Time celeste cria as melhores chances e garante título com vitória por 2 a 1

Cruzeiro levanta a taça da Copa do Brasil 2018
Comemore, torcedor! O Cruzeiro é, de maneira isolada, o maior campeão da Copa do Brasil! Os 2.400 celestes presentes no Itaquerão, em São Paulo, e os milhões espalhados por Minas Gerais e pelo Brasil certamente estão orgulhosos de um time que se impôs diante do Corinthians e venceu por 2 a 1 na noite desta quarta-feira, pelo jogo de volta da decisão. A equipe celeste abriu o placar aos 27min do primeiro tempo, em finalização de Robinho. Aos 9min do segundo tempo, Jadson empatou para o Timão, em cobrança de pênalti. Aos 36min, um contragolpe mortal garantiu a taça. Depois de servir à Seleção Uruguaia em dois amistosos e viajar durante 24 horas do Japão até o Brasil, Arrascaeta recebeu de Raniel, tocou por cima do goleiro Cássio e deu números finais ao jogo.

Duas decisões polêmicas envolvendo consultas ao árbitro de vídeo chamaram a atenção na partida. O árbitro Wagner do Nascimento Magalhães recorreu ao VAR para tirar dúvidas em dois lances. Ao assistir às imagens, ele entendeu que houve contato de Thiago Neves com Ralf no lance do pênalti, aos 7min da etapa final. E aos 24min, viu tapa de Jadson no peito de Dedé, em jogada que antecedeu o chute de fora da área do atacante Pedrinho e encobriu Fábio. Seria o segundo gol corintiano. De acordo com Paulo César de Oliveira, comentarista de arbitragem do canal SporTV, Wagner Magalhães errou na primeira marcação e acertou na segunda.

Foto:DJalma Vassão/Gazeta Press
A vitória desta quarta-feira é a primeira do Cruzeiro na Arena Corinthians. E que vitória! É a vitória do título. Da vaga direta na fase de grupos da Copa Libertadores de 2019. Da premiação de R$ 50 milhões (R$ 61,9 milhões acumulados ao longo da competição). Da condição de maior campeão da Copa do Brasil, com seis conquistas, deixando o Grêmio em segundo, com cinco. Do inédito bicampeonato consecutivo na história do torneio. Do time que finalizou 22 vezes nos dois confrontos da decisão, contra apenas 12 do Corinthians. Do trabalho em longo prazo de Mano Menezes, no comando do time de maneira ininterrupta desde julho de 2016.

O jogo

Mano Menezes não mexeu na estrutura do Cruzeiro. A única mudança foi por suspensão. Egídio, que recebeu o terceiro cartão amarelo na partida de ida, deu lugar a Lucas Romero. Antes da partida, em entrevista ao SporTV, o treinador explicou a decisão de improvisar o volante em vez de escalar Marcelo Hermes, especialista na função. “Romero já foi testado na direita e sempre foi bem. Temos uma ideia inicial de conter esse ímpeto (do Corinthians)”. Do lado corintiano, Jair Ventura apostou nas entradas do veterano Emerson Sheik, de 40 anos, e do centroavante Jonathas, de 1,90m, que teria a missão de brigar com Dedé e Leo na bola aérea.

Foto:Marcos Ribolli
O Cruzeiro cedeu a posse de bola ao Corinthians, mas não baixou suas linhas. A marcação firme começava desde o meio-campo, com Robinho, Thiago Neves e Rafinha fechando os espaços e facilitando o trabalho dos jogadores de defesa. E se por ventura os donos da casa conseguiam algum sucesso diante da primeira linha celeste, complicavam-se na sequência da jogada. Os inúmeros lançamentos, seja pelo meio ou nas laterais, eram tranquilamente afastados por Dedé, que também foi eficiente e veloz nos botes por baixo.

A estratégia estava bem desenhada. Se o Corinthians vacilasse em algum momento, o Cruzeiro estaria pronto para incomodar. Aos 20min, Léo Santos e Henrique bateram cabeça na zaga, e Thiago Neves arriscou de primeira, porém fraco, nas mãos de Cássio. O primeiro erro foi perdoado. O segundo não. Aos 27min, Léo Santos se atrapalhou na lateral de campo para tentar evitar uma saída de bola. Rafinha recuperou a redonda e passou para Barcos, que se livrou de Gabriel e chutou colocado no canto esquerdo. Após a bola explodir na trave, Robinho pegou a sobra e bateu de primeira, fora do alcance de Cássio. Silêncio da multidão corintiana em Itaquera. Festa dos 2.400 cruzeirenses: 1 a 0.

O placar agregado de 2 a 0 trazia uma confiança ainda maior na busca pelo hexa. O Cruzeiro não se intimidou e procurou o segundo gol. Aos 33min, Thiago Neves cobrou falta para a grande área, e Dedé subiu mais que a zaga adversária. Caprichosamente, a bola bateu na trave. O Corinthians, por sua vez, não conseguiu jogar. O domínio de 71% de posse de bola foi enganoso. A troca de passes se resumia ao meio-campo. Fábio não efetuou uma defesa sequer na etapa inicial. Só levou um susto aos 35min, em cabeceio de Henrique.

No segundo tempo, o árbitro Wagner do Nascimento Magalhães virou protagonista por causa de suas consultas ao árbitro auxiliar de vídeo. Aos 7min, ele foi avisado por Wilton Pereira Sampaio, responsável pela coordenação do VAR, de que havia um lance duvidoso na dividida entre Ralf e Thiago Neves. Ao assistir às imagens, o juiz deu pênalti. Na cobrança, aos 9min, Jadson cobrou do lado direito, e Fábio pulou para o esquerdo: 1 a 1.

Aos 24min, o Corinthians marcou o segundo gol, em belo chute de longa distância de Pedrinho, que encobriu Fábio. Mas Wagner Magalhães novamente recorreu ao VAR. Na consulta ao vídeo, ele identificou um tapa de Jadson no peito de Dedé, momentos antes da conclusão do atacante. O lance foi invalidado, para alívio dos cruzeirenses e revolta da torcida corintiana no estádio.

Passados os lances polêmicos, o Corinthians seguiu com seus 70% de posse de bola, enquanto o Cruzeiro, já com os velozes e ágeis Raniel e Arrascaeta em campo, ficou à espera de um contragolpe. Aos 36min, a dupla resolveu a parada em São Paulo: após toque de Raniel, o uruguaio carregou a bola em direção à área e tocou por cima de Cássio para fazer 2 a 1. No mais, coube à torcida celeste fazer contagem regressiva e celebrar o tão esperado hexa da Copa do Brasil!

CORINTHIANS 1X2 CRUZEIRO

CORINTHIANS
Cássio; Fagner, Leo Santos, Henrique e Danilo Avelar; Ralf e Gabriel (Mateus Vital, aos 35min do 2ºT); Ángel Romero, Jadson e Emerson Sheik (Clayson, aos 32min do 2ºT); Jonathas (Pedrinho, aos 21min do 2ºT)
Técnico: Jair Ventura

CRUZEIRO
Fábio; Edilson, Dedé, Leo e Lucas Romero; Henrique e Ariel Cabral; Robinho, Thiago Neves (Lucas Silva, aos 35min do 2ºT) e Rafinha (Arrascaeta, aos 21min do 2ºT); Barcos (Raniel, aos 29min do 2ºT)
Técnico: Mano Menezes

Gols: Jadson, aos 9min (COR); Robinho, aos 27min do 1ºT; Arrascaeta, aos 36min do 2ºT (CRU)

Cartões amarelos: Ralf, aos 8min, Gabriel, aos 18min, Emerson Sheik, aos 25min, Fagner, aos 32min do 1ºT. Jadson, aos 26min, Clayson, aos 41min do 2ºT (COR); Rafinha, aos 35min, Thiago Neves, aos 39min do 1ºT. Robinho, aos 12min do 2ºT (CRU)

Motivo: jogo de volta da final da Copa do Brasil


Fonte:Super Esportes

10 outubro 2018

Cruzeiro vence o Corinthians e fica mais próximo do hexa da Copa do Brasil

Com gol de Thiago Neves, time celeste aproveita casa cheia no Mineirão, bate o Corinthians por 1 a 0 e sai na frente na decisão da Copa do Brasil

Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro
Se há uma semana a torcida do Cruzeiro deixava o Mineirão triste em função do empate por 1 a 1 com o Boca Juniors, que eliminou o time da Copa Libertadores, a noite desta quarta-feira terminou em festa. Diante de mais de 53 mil torcedores, o meia Thiago Neves fez justiça à fama de sempre brilhar em decisões e chamou a responsabilidade no confronto de ida da decisão da Copa do Brasil, contra o Corinthians. Ele marcou o gol da vitória cruzeirense, aos 45min do primeiro tempo, ao cabecear a bola cruzada pelo lateral-esquerdo Egídio. Também foi responsável por um chute na trave, aos 34min da etapa inicial, e de assistências precisas para Henrique e Dedé quase balançarem a rede em finalizações de cabeça.

A grande atuação de Thiago Neves teve todo um sistema por trás. Enquanto o incansável Rafinha corria pelo lado esquerdo, dando trabalho à marcação de Fagner, os volantes Henrique e Ariel Cabral – surpresa de última hora de Mano – contabilizavam inúmeras intervenções no meio-campo, dando o menor espaço possível aos paulistas. Prova disso é que o goleiro Fábio não fez uma defesa sequer em 90 minutos. Cássio, por sua vez, trabalhou bem tanto na primeira quanto na segunda parte.

Na próxima quarta-feira, às 21h45, na Arena Corinthians, Raposa e Timão escrevem o segundo capítulo da final da Copa do Brasil. Ao Cruzeiro, um simples empate basta para alcançar o sexto título e se tornar o maior vencedor da história da Copa do Brasil. Pelo quarto título, o Corinthians precisa ganhar por dois gols de diferença. Vitória alvinegra por um tento de vantagem levará a disputa para os pênaltis. Quem conquistar a taça faturará R$ 50 milhões, além dos 11,9 milhões acumulados pelas classificações nas três fases anteriores (oitavas de final, quartas de final e semifinal), e, claro, garantirá presença na etapa de grupos da Copa Libertadores de 2019.

O jogo

Mais do que apagar o amargo sabor da eliminação para o Boca Juniors nas quartas de final da Copa Libertadores, o Cruzeiro queria fazer um bom resultado dentro de casa para sair à frente do Corinthians na decisão da Copa do Brasil. Ao divulgar a escalação, o técnico Mano Menezes promoveu uma surpresa: o argentino Ariel Cabral no lugar de Lucas Silva. Além dessa mudança, o meia Rafinha entrou na vaga de Arrascaeta, convocado para representar a Seleção do Uruguai nos amistosos contra Coreia do Sul (12/10) e Japão (16/10).

A torcida celeste pode até ter ficado temerosa pela ausência do camisa 10, mas assim que a bola rolou, a confiança no triunfo foi retomada. Tudo porque o meia Thiago Neves, outrora criticado em função da temporada oscilante em 2018, mostrou o bom futebol que o fez ganhar rótulo de ‘cara das decisões’. Desde os primeiros minutos, ele procurou participar da construção de ataques, servindo de referência para os laterais Egídio e Edilson e os ‘pontas’ Robinho e Rafinha. Aos 18min, Thiago carregou a bola na intermediária e chutou rasteiro, exigindo rebote de Cássio. Na sequência do lance, cabeceou por cima após cruzamento de Edilson.

Enquanto Thiago Neves tinha liberdade para pensar, virar a bola e até mesmo prendê-la, o Corinthians encontrava dificuldades diante do bom posicionamento da marcação cruzeirense. Grande parte das tentativas de avanço do Timão em jogadas pelo meio foram desarmadas pelos volantes Henrique e Ariel Cabral. Se a alternativa era recorrer às beiradas, com Ángel Romero e Clayson, lá estavam Egídio e Edilson para o combate. Num beco praticamente sem saída, o Corinthians, em determinados momentos, procurou alongar o passe. Mas aí apareciam Dedé e Leo, sem cerimônias, para afastar o perigo com chutões e fortes cabeceios.

Se o Corinthians não conseguia criar, o Cruzeiro voltou a ir para cima. Aos 34min, Thiago Neves experimentou de pé direito, de fora da área, e acertou a trave de Cássio. Aos 39min, o goleiro corintiano errou o passe na saída de bola para Leo Santos, que acabou obrigado a cometer falta em Rafinha. Na cobrança de Thiago Neves, Henrique cabeceou à queima-roupa e Cássio fez ótima defesa.

O Cruzeiro continuou com a posse de bola no campo ofensivo. Quando o primeiro tempo entrou para os acréscimos, o árbitro Anderson Daronco adicionou seis minutos. Tempo suficiente para, enfim, arrancar o grito de gol da multidão vestida de azul. Aos 45min, Thiago Neves acertou boa inversão de bola para Egídio, que chamou Ángel Romero para dançar e deixou o paraguaio na saudade. Na linha de fundo, o camisa 6 cruzou sem muita força, no segundo poste. Thiago Neves, o mesmo que iniciou a jogada, correu em direção à área, cabeceou a redonda e contou com desvio no zagueiro Henrique para fazer 1 a 0.

Com a vantagem no placar, o Cruzeiro voltou tranquilo para o segundo tempo, enquanto o Corinthians seguiu esbarrando na aplicação tática dos comandados de Mano Menezes. Na tentativa de mudar o panorama da primeira final, o técnico Jair Ventura recorreu ao banco de reservas, colocando Pedrinho e Araos nos lugares de Clayson e Mateus Vital. Nada adiantou. O Cruzeiro continuou melhor e mais próximo do segundo gol do que o Timão de alcançar o empate. Aos 17min, Edilson tabelou com Thiago Neves e cruzou para Barcos, que tirou demais de Cássio e cabeceou para fora. Aos 29min, mais uma bola pelo alto: dessa vez, foi Dedé quem subiu quase na pequena área e casquinhou de leve, à direita da meta alvinegra.

A última cartada de Jair Ventura no Corinthians foi o veterano Emerson Sheik, de 40 anos, no lugar do também experiente Jadson, de 35. No Cruzeiro, Mano Menezes apostou no fôlego renovado dos garotos Raniel, de 22, e David, de 23, como substitutos dos rodados Barcos, de 43, e Thiago Neves, de 33. No fim das contas, os jogadores que entraram travaram divididas e disputas ríspidas nas intermediárias. Não houve qualquer lance de perigo nos instantes finais. Melhor para o Cruzeiro, que assegurou o 1 a 0 e está em vantagem no duelo de volta, na próxima quarta-feira, na Arena Corinthians.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 1 x 0 CORINTHIANS 

Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data: 10 de outubro de 2018, quarta-feira
Horário: 21h45 (horário de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco (Fifa-RS)
Assistentes: Alessandro Álvaro Rocha de Matos (Fifa-BA) e Fabricio Vilarinho da Silva (Fifa-GO)
Público: 1 pagantes
Renda: R$
Cartões amarelos: Thiago Neves, Henrique e Egídio (Cruzeiro); Léo Santos, Araos e Jadson (Corinthians)
Cartão vermelho: Araos (Corinthians)
Gols:
CORINTHIANS: Thiago Neves, aos 46 minutos do primeiro tempo

CRUZEIRO: Fábio; Edilson, Dedé, Léo e Egídio; Henrique, Ariel Cabral, Rafinha (Rafael Sóbis), Thiago Neves (David) e Robinho; Barcos (Raniel)
Técnico: Mano Menezes

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Léo Santos, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Gabriel, Mateus Vital (Araos) e Jadson (Emerson Sheik); Clayson (Pedrinho) e Romero
Técnico: Jair Ventura

27 setembro 2018

Robinho comemora classificação e valoriza 3ª final da Copa do Brasil em 4 anos

Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro
Mais uma vez Robinho está na final da Copa do Brasil. Após o empate no Mineirão por 1 a 1 na noite de ontem (26), o Cruzeiro eliminou o Palmeiras e garantiu sua vaga na decisão do torneio.

A classificação, aliás, não é novidade para o meia. Pelo contrário, vem se tornando rotina nos últimos anos. Isso porque das últimas 4 edições da Copa do Brasil, Robinho chegou a 3 finais. Foi campeão em 2015 pelo Palmeiras, com direito a assistência na decisão. Em 2016, caiu na semifinal para o Grêmio, também defendendo o clube alviverde e, no ano passado, novo titulo, dessa vez com o próprio Cruzeiro.

Em busca do tricampeonato, Robinho comemora a classificação para mais uma final da competição. “Muito bom poder chegar em outra final, estou muito feliz por tudo que vem acontecendo. A Copa do Brasil é um torneio bastante complicado, qualquer deslize pode custar a classificação. Não é fácil chegar numa final, por isso temos que valorizar essa vaga. Até agora, em todas as finais da Copa do Brasil que eu cheguei, ganhei. Espero que eu possa manter esse retrospecto nesse ano também”, destacou o jogador, que possui 45 jogos, 11 gols e 11 assistências pelo torneio. São 24 vitórias, 9 empates e 12 derrotas, aproveitamento de 60%.

No domingo (30), o Cruzeiro volta a enfrentar o Palmeiras, dessa vez pela Série A do Brasileirão. Já na quinta-feira (04), outra decisão pela frente, a Raposa encara o Boca Juniors pelas quartas de final da Libertadores. “É, estamos numa sequência de decisões, não tem descanso. Temos jogos importantes pela frente e precisamos contar com todos do grupo para manter o nível nas partidas. Acredito bastante na força do nosso elenco e sei que temos condições de conseguir grandes resultados em todas as competições”, finalizou.

A partida entre Palmeiras e Cruzeiro acontece às 11h, no Pacaembu.

12 setembro 2018

Implacável fora de casa na Copa do Brasil, Cruzeiro bate Palmeiras e garante vantagem na semifinal

FOTO:MARCELLO FIM/O FOTOGRAFICO/ESTADÃO CONTÚDO
O Cruzeiro venceu mais uma vez fora de casa pela Copa do Brasil. Assim como nas fases anteriores, quando bateu Atlético-PR e Santos fora de seus domínios, o time celeste iniciou a semifinal com triunfo sobre o Palmeiras, por 1 a 0. O único gol da Raposa no jogo do Allianz Parque, em São Paulo, foi marcado pelo atacante Barcos logo aos 4 minutos de jogo, depois de bonita tabela entre Thiago Neves e Robinho.

O segundo e decisivo duelo entre Cruzeiro e Palmeiras, que definirá quem seguirá para a decisão, está marcado para 26 de setembro, às 21h45, no Mineirão. Antes disso, a Raposa terá pela frente dois compromissos pelo Campeonato Brasileiro, contra Atlético e Santos, e o duelo de ida das quartas de final da Copa Libertadores. Na próxima quarta-feira, dia 19, a Raposa visita o Boca Juniors, em Buenos Aires, pelo torneio sul-americano. A partida na Bombonera também será às 21h45.

O jogo

Cruzeiro e Palmeiras não surpreenderam nas estratégias adotadas no início da partida no Allianz Parque. Dono da casa, o time paulista partiu para cima do adversário empurrado por seu torcedor e explorando, especialmente, as costas de Egídio com a intensidade de Willian. Logo aos 2', o Bigode desarmou o lateral celeste na intermediária e deu assistência para Moisés. O meia errou o alvo na finalização. Do outro lado, os mineiros aguardaram o alviverde para atacar nos contra-ataques. Foi assim, logo aos 4', que o time abriu o placar. 

Principais articuladores do Cruzeiro, Robinho e Thiago Neves tabelaram no meio-campo, Robinho avançou com a bola dominada até intermediária e encontrou Barcos entrando livre de marcação na meia-lua. O argentino dominou, chegou até a marca do pênalti e finalizou com precisão, encobrindo o goleiro Weverton. 1 a 0. Na comemoração, o argentino fez o famoso sinal dispensando a inhaca. Desde que foi contratado, o jogador só havia marcado um tento com a camisa celeste.

Apesar do gol, o Cruzeiro mostrou dificuldade para marcar as principais investidas do Palmeiras na primeira etapa e precisou contar com o talento de Fábio. Aos 10', Dudu recebeu na esquerda, fintou Edilson e bateu cruzado. A bola raspou na trave esquerda do goleiro cruzeirense. Aos 13', foi Moisés que chegou na linha de fundo sem muita dificuldade e deu assistência perfeita para Willian. O ex-jogador da Raposa finalizou, a bola desviou em Leo e tocou o travessão do camisa 1 celeste. Por fim, aos 28', foi Borja que por muito pouco não deixou sua marca. Ele recebeu na entrada da área, dominou, mas acertou a rede pelo lado de fora.

Na volta do intervalo, o Cruzeiro reforçou sua estratégia. Na frente do placar, o time concertou a marcação e conseguiu conter o ímpeto do Palmeiras, especialmente nas tentativas de finalizações da intermediária. Ainda que não tenha chegado nenhuma vez com perigo ao gol de Weverton, o time celeste também não sofreu grandes ameaças até os 35', minuto em que Edilson foi expulso da partida. Depois disso, a pressão dos paulistas foi intensificada, mas as chances claras não apareceram muito em função do ferrolho criado pela defesa celeste. Assim, mais uma vez a Raposa venceu um jogo de mata-mata fora de casa. 

PALMEIRAS 0X1 CRUZEIRO

PALMEIRAS
Weverton; Mayke, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Thiago Santos (Lucas Lima) e Bruno Henrique; Willian, Moisés e Dudu; Borja. Técnico: Luiz Felipe Scolari

CRUZEIRO
Fábio; Edilson, Dedé, Leo e Egídio; Henrique e Lucas Silva; Robinho (Bruno Silva), Thiago Neves e Arrascaeta (Rafinha); Barcos (Raniel). Técnico: Mano Menezes

Gols: Barcos (4'1ºT)
Cartões amarelos: Thiago Santos, Dudu (Palmeiras); Leo, Fábio, Edilson (Cruzeiro)
Cartão vermelho: Edilson (Cruzeiro)

Público: 32.960
Renda: R$2.732.380,90

Motivo: jogo de ida das semifinais da Copa do Brasil
Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data e horário: 12 de setembro de 2018 (quarta-feira), às 21h45
Árbitro: Wagner Reway (FIFA/MT)
Assistentes: Alessandro Alvaro Rocha de Matos (FIFA/BA) e Fabrício Vilarinho da Silva (FIFA/GO)
Árbitro de vídeo: Péricles Bassols Pegado Cortez (PE)


Fonte:Super Esportes


Corinthians segura 0 a 0 com o Flamengo e deixa decisão para SP

Foto:Staff Imagens/Flamengo
O Corinthians não teve uma atuação brilhante, mas mostrou dedicação e organização defensiva como há algum tempo não se via no clube. Diante de um Flamengo que sofreu para vencer as linhas de marcação alvinegras, o clube paulistano tentou no primeiro tempo, só se segurou no segundo e cravou um resultado de 0 a 0 na noite desta quarta-feira, no estádio do Maracanã, pela primeira partida da semifinal da Copa do Brasil.

Os dois times decidem a vaga na decisão do torneio nacional no próximo da 26, uma quarta-feira, na Arena Corinthians. Até, no entanto, disputam duas rodadas do Campeonato Brasileiro, esfriando um pouco o clima de decisão que tomou conta do embate nos últimos dias.

O próximo compromisso dos comandados de Jair Ventura será contra o Sport, às 19h (de Brasília) do domingo, em Itaquera, na tentativa de afastar a equipe da zona de rebaixamento do torneio. Barbieri e seus atletas, por outro lado, encaram o clássico contra o Vasco, no sábado, às 19h (de Brasília), na capital federal.

Flamengo fica com a bola, mas erra

O Corinthians entrou em campo na noite desta quarta-feira com a clara proposta de barrar as investidas do habilidoso meio-campo adversário. Carente de alguns ajustes, a trinca de volantes Ralf, Gabriel e Douglas demorou a barrar as investidas, vendo Vitinho assustar em um chute da entrada da área. Clayson e Romero, voltando para formar uma linha de 5 à frente da defesa, ajudaram a deixar o time mais seguro.

Passado o susto inicial, o Timão começou a sair um pouco mais da sua defesa e quase abriu o placar em uma bobeada de Lucas Paquetá. Colocado em campo mediante grande esforço da diretoria flamenguista, que fretou um voo para trazê-lo dos Estados Unidos, onde defendeu a Seleção Brasileira na terça-feira, o meia recuou bola curta para Diego Alves, Clayson interceptou, invadiu a área e bateu forte, mandando na rede pelo lado de fora.

Pouco depois, Clayson deu belo drible em Éverton Ribeiro, tabelou com Jadson e serviu Douglas dentro da área. O volante chutou cruzado, mas mandou para fora. A resposta dos donos da casa não tardou. Após uma bola afastada parcialmente para a defesa, Cuellar jogou de novo para a área e Paquetá, com o pé direito, chutou cruzado, exigindo boa defesa de Cássio, espalmando para o lado.

Até o intervalo, o camisa 12 ainda teve outra ótima intervenção quando Vitinho cobrou escanteio pelo lado direito, Danilo Avelar desviou para trás e o goleiro conseguiu fazer boa defesa. O mesmo Vitinho tentou em bom lance pela esquerda, ganhando da marcação de Gabriel e cruzando rasteiro para o meio da área, mas Uribe, atrasado e atrapalhado por Henrique, não conseguiu concluir.

Corinthians não deixa passar nada

Os dois times voltaram para a etapa final com a mesma formação, aparentemente satisfeitos com o que foi apresentados nos 45 minutos iniciais. De novo na bola parada, principalmente escanteios, o Flamengo buscou testar a defesa corintiana pelo alto e, se não conseguiu uma finalização de perigo, ao menos ameaçou em jogadas que demoraram a ser afastadas pela retaguarda. Na melhor delas, Ralf, na linha da pequena área, evitou finalização de Réver.

Vitinho seguiu como a melhor opção dos donos da casa, sempre tentando a jogada individual, apesar da forte marcação. Em ouro lance do ponta esquerda, a bola foi rolada para Lucas Paquetá chutar forte da entrada da área, mas parar em defesa segura de Cássio. Foi o último lance do meio-campista da Seleção em campo, substituído, assim como o centroavante Uribe. Entraram Willian Arão e Henrique Dourado.

Os donos da casa viram Arão cair bem pelo lado direito e cruzar várias vezes, mas sempre parando na boa atuação de Henrique. Jair perdeu Fagner e Gabriel, visivelmente cansados, e mandou a campo Paulo Roberto e Araos na tentativa de dar mais gás ao time. A única alteração por opção foi a entrada de Mateus Vital na vaga de Clayson, que já não conseguia puxar os contragolpes corintianos.

Coube a Vital conseguir o único lance mais perigoso do alvinegro, dando pelo drible em Léo Duarte e servindo Romero. O paraguaio, porém, longe das suas noites iluminadas do último mês, cruzou mal para trás. Os minutos finais foram de pressão intensa, mas sem grandes finalizações dos donos da casa, vaiados pela sua torcida.

FICHA TÉCNICA
FLAMENGO 0 X 0 CORINTHIANS

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 12 de setembro de 2018 (Quarta-feira)
Horário: 21h45(de Brasília)
Árbitro: Braulio da Silva Machado (SC)
Assistentes: Kléber Lúcio Gil (Fifa-SC) e Guilherme Dias Camilo (Fifa-MG)
Cartões amarelos: Douglas (Corinthians)

FLAMENGO: Diego Alves; Rodinei, Léo Duarte, Réver e Renê; Cuéllar, Everton Ribeiro, Lucas Paquetá (Willian Arão), Diego e Vitinho (Lincoln); Uribe (Henrique Dourado)
Técnico: Maurício Barbieri

CORINTHIANS: Cássio; Fagner (Paulo Roberto), Léo Santos, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Gabriel (Araos) e Douglas; Jadson, Romero e Clayson (Mateus Vital)
Técnico: Jair Ventura


Fonte:Gazeta Esportiva

11 setembro 2018

Ezequiel comemora sequência no Cruzeiro e mira semifinal da Copa do Brasil

Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C.
O lateral-direito Ezequiel vem ganhando espaço e conquistando a confiança do técnico Mano Menezes. Das últimas 8 rodadas do Campeonato Brasileiro, o jogador atuou em 5, sendo titular em 4 partidas.

Animado com a sequência no time, Ezequiel avalia o momento da equipe na temporada e valoriza as oportunidades recebidas. “Cada jogador tem sua importância. Estamos disputando 3 grandes competições e temos pouco tempo para descansar entre os jogos. Sei que o Mano precisa contar com o máximo possível de jogadores nesse momento, por isso é importante estar bem para contribuir com a equipe. Procuro ajudar sempre da melhor forma, dando o meu máximo quando entro em campo. Fico feliz pelas oportunidades que venho recebendo, é sinal de que o trabalho está sendo positivo”, analisou o lateral de 25 anos.

Com rodada do Brasileirão só no final de semana, o Cruzeiro agora foca na Copa do Brasil. Amanhã (12), o time mineiro encara o Palmeiras, fora de casa, pela semifinal do torneio. “Mais um jogo decisivo pela frente, tem sido assim praticamente nos últimos meses. Nossa equipe está acostumada com decisões e vem conseguindo grandes resultados. A gente sabe da importância e da dificuldade desse jogo, o Palmeiras tem uma ótima equipe e está vivendo um momento muito bom. É importante aproveitarmos esse primeiro jogo para construirmos vantagem para a segunda partida, em nossa casa”, concluiu.

O duelo entre Palmeiras e Cruzeiro acontece às 21h45.

16 agosto 2018

Bahia luta, mas perde para o Palmeiras e está eliminado da Copa do Brasil

Foto:DJalma Vassão/Gazeta Press
O Bahia se esforçou, teve boas chances, mas está eliminado da Copa do Brasil. Na noite desta quinta-feira (16), a equipe fez frente ao Palmeiras, mas perdeu por 1 a 0. O único gol do jogo foi marcado pelo atacante Dudu, de cabeça.

Fora da competição nacional, o Tricolor mira as atenções para o jogo contra o Cruzeiro, no próximo domingo (19), em Belo Horizonte, pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com a vitória, o Verdão avançou à semifinal da competição, onde enfrentará o Cruzeiro. Já o Esquadrão volta suas atenções para a Série A e a Copa Sul-Americana, ao menos com esperanças de resultados melhores para a torcida.

O JOGO

A partida começou com o Bahia atacando o Palmeiras, mas foi o alviverde que teve uma grande chance para abrir o placar. Após uma bola rebatida na grande área, a bola sobrou com Borja. De frente para Anderson, o colombiano bateu rasteiro, mas a bola passou ao lado da meta.

Edigar acerta a trave

O Esquadrão quase chegou ao primeiro gol aos 14 minutos. Após passe para Léo no lado esquerdo do ataque, o lateral cruzou rasteiro para a grande área, e Edigar acertou a trave. Na sequência, Gilberto completou, mas a bola acertou o próprio Edigar.

Depois, foi o Palmeiras que ficou muito perto da abertura do placar. Após uma falha do Bahia, Willian recebeu na grande área, driblou a defesa tricolor e tocou rasteiro para intervenção de Anderson. Na sequência, o goleiro deu um tapa na bola e afastou.


Aos 35 minutos, o Palmeiras cobrou uma falta rápida e deixou Moisés de cara para o gol. O meio-campista tocou e Anderson fez grande defesa. Três minutos depois, após boa troca de passes, Vinícius bateu da entrada da área e o goleiro Weverton defendeu.

Quando o relógio marcava 39 minutos, Borja brigou na grande área, chutou rasteiro com desvio em Bruno e a bola acertou a trave do goleiro Anderson. Aos 46, após sobra do escanteio, Bruno Henrique chutou forte de fora da área e Anderson ficou com a bola.

Segundo tempo
Logo nos primeiros segundos, após um chute para a frente, Borja ganhou a disputa com Tiago, ficou de frente para Anderson, tocou por cima, mas o arqueiro do Tricolor conseguiu amortecer. Aos seis minutos, Willian aproveitou sobra do escanteio, bateu de trivela e a bola passou muito perto.

Dudu marca para o Palmeiras

Aos 26 minutos, a jogada pela lateral complicou o Bahia. Pela direita, Mayke tabelou com Moisés, cruzou na área e o
baixinho Dudu cabeceou para o fundo do gol. Oito minutos depois, o Palmeiras aproveitou o contragolpe e avançou com força. De fora da área, Willian bateu colocado e a bola passou ao lado da meta.

Perto do fim, o Bahia teve uma boa chance com Zé Rafael, que bateu falta colocada, que passou muito perto da meta do goleiro Weverton.
 

FICHA TÉCNICA
Palmeiras 1 x 0 Bahia
Copa do Brasil - Quartas de final (2º jogo)

Local: Pacaembu, em São Paulo
Data: 16/08/2018
Horário: 19h15
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Assistentes: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa (RJ) e Bruno Raphael Pires (GO)
Árbitro de vídeo: Braulio da Silva Machado (SC)
Cartões amarelos: Felipe Melo (Palmeiras) / Bruno, Nino Paraíba (Bahia)
Gol: Dudu (Palmeiras) 

Palmeiras: Weverton, Marcos Rocha, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique e Moisés; Dudu, Willian (Hyoran) e Borja (Thiago Santos). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

Bahia: Anderson; Bruno (Nino Paraíba), Lucas Fonseca, Tiago e Léo; Elton e Gregore; Zé Rafael, Vinícius (Élber) e Edigar Junio (Régis); Gilberto. Técnico: Enderson Moreira.

15 agosto 2018

Flamengo derrota o Grêmio no Maracanã e avança na Copa do Brasil

O Flamengo garantiu a classificação para as semifinais da Copa do Brasil ao derrotar o Grêmio por 1 a 0, em partida disputada na noite desta quarta-feira, no Maracanã. Na próxima fase da competição nacional, o Rubro-negro da Gávea vai enfrentar o Corinthians que eliminou a Chapecoense, em Chapecó. O único gol da partida foi marcado por Éverton Ribeiro, aos quatro minutos do primeiro tempo. No jogo de ida, as duas equipes haviam empatado por 1 a 1.

O resultado refletiu o que aconteceu em campo. O time dirigido por Mauricio Barbieri se aproveitou de uma falha da defesa gremista para sair na frente do marcador e depois soube administrar a vantagem. Já o Grêmio se desarvorou ao sofrer um gol logo no início de partida e não conseguiu mais se encontrar em campo, apesar das mudanças feitas na equipe pelo técnico Renato Gaúcho.

O jogo – O Flamengo começou a partida fazendo pressão e não deixando o Grêmio ter liberdade para sair jogando. E a marcação se mostrou eficiente logo aos quatro minutos quando a equipe rubro-negra marcou o primeiro gol. Vitinho cruzou, Cortez tentou afastar, mas errou de forma grotesca e a bola sobrou para Lucas Paquetá que ajeitou para Éverton Ribeiro bater de perna direita e inaugurar o marcador.

Em desvantagem, o Grêmio passou a adiantar seus jogadores para tentar chegar na área rubro-negra com mais facilidade, mas o Flamengo marcava bem e não dava espaço aos gaúchos.

O time rubro-negro seguiu controlando as ações e, aos 13 minutos, Lucas Paquetá tabelou com Diego e caiu na área após trombar com Jailson. Os rubro-negros pediram a marcação de pênalti, mas o árbitro nada viu de irregular na jogada.

Depois de marcar o primeiro gol, o Flamengo passou a atrair o adversário para seu campo na tentativa de sair em velocidade. Já o Grêmio, surpreendido com o gol, tentava pressionar, mas não conseguia se aproximar do gol defendido por Diego Alves em condições de concluir.

Aos 19 minutos, Éverton Ribeiro faz boa jogada individual e lança Henrique Dourado, mas o goleiro Marcelo Grohe chega primeiro e fica com a bola.

Aos 23 minutos, foi a vez de o Grêmio pedir a marcação de pênalti quando Cortez caiu na área após choque com Lucas Paquetá. Com ajuda do árbitro de vídeo, Ricardo Marques Ribeiro decidiu que o lance foi legal para irritação do técnico Renato Gaúcho que já vinha reclamando das marcações do juiz.

A equipe dirigida por Mauricio Barbieri marcava forte no meio campo e não dava espaços ao adversário. O Grêmio só voltou a ameaçar aos 35 minutos quando Ramiro investiu pela direita e cruzou rasteiro, mas ninguém conseguiu chegar na bola para a conclusão. Logo depois, Everton, na pequena área, concluiu por cima um cruzamento de Ramro, mas a arbitragem invalidou o lance, marcando impedimento do atacante tricolor.

Depois desses lances, o Grêmio passou a ser mais agressivo, enquanto o Flamengo se defendia bem e armava jogadas em velocidade para surpreender a defesa gaúcha.

Aos 44 minutos, Vitinho investiu pelo meio, trocou passes com Paquetá e chutou forte, mas a bola foi desviada pelo zagueiro Kannemann. Na jogada seguinte foi a vez de Geromel impedir que a conclusão de Vitinho chegasse ao gol.

Os dois times voltaram sem modificações para o segundo tempo que começou com o Grêmio no ataque. E Ramiro, depois de receber na área, tentou uma bicicleta, mas a bola subiu demais e não levou perigo para Diego Alves.
Aos quatro minutos, novamente Ramiro foi acionado pela direita e cruzou na pequena área, mas os atacantes chegaram atrasados para tentar empurrar a bola para o gol.

O Grêmio ficava mais tempo com a bola, mas o Flamengo se defendia bem e não deixava o goleiro Diego Alves ser ameaçado. Os cruzamentos da equipe gaúcha eram facilmente neutralizados pela defesa rubro-negra. Aos dez minutos, Barbieri trocou Vitinho que já não rendia bem por Marlos Moreno. E Moreno protagonizou a primeira boa jogada de ataque do segundo tempo. Ele investia pelo meio quando foi derrubado por Kannemann na entrada da área. Diego cobrou, mas a bola desviou na barreira e saiu para escanteio. Na cobrança, Diego bateu fechado e o goleiro Marcelo Grohe salvou.

Preocupado com a pouca produtividade do ataque, Renato Gaúcho trocou o apagado André por Jael.
O Flamengo pouco chegava ao ataque. Aos 21 minutos, Cuellar recebeu na intermediária e arriscou, mas a bola passou bem longe da trave gremista. A resposta da equipe sulista veio com Maicon que se livrou da marcação e chutou forte, mas em cima de Diego Alves que fez a defesa sem dificuldades. Aos 24, foi a vez de Jael concluir para boa defesa do goleiro rubro-negro.

Renato trocou o lateral Léo Moura pelo atacante Marinho numa tentativa de aumentar a pressão sobre a defesa carioca. Ramiro passou a atuar pela direita, se revezando com Jailson no lado direito.

Aos 31 minutos, Marlos Moreno recebeu na entrada da área e bateu forte. O goleiro Marcelo Grohe defendeu com a perna e Lucas Paquetá tentou completar, mas Kannemann chegou primeiro e aliviou o perigo.

Nos minutos finais o Flamengo recuou para defender o resultado e Diego chegou a se desentender com Luan que tentava apressar a saída do meia, que pediu substituição, do campo.

Desgastado pela pressão sem resultado, o Grêmio não teve mais forças para tentar mudar o resultado e o Flamengo conseguiu assegurar a importante vitória.

FICHA TÉCNICA
FLAMENGO-RJ 1 X 0 GRÊMIO-RS

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 15 de agosto de 2018 (Quarta-feira)
Horário: 21h45 (horário de Brasília)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG)
Assistentes: Kleber Lucio Gil (Fifa-SC) e Danilo Ricardo Simon Manis (Fifa-SP)
Árbitro de Vídeo: Raphael Claus (Fifa-SP)

Cartão Amarelo: Diego Alves, Renê, Diego (Fla); Maicon, Luan, Marinho e Douglas, no banco de reserva(Gre)
Gol:
FLAMENGO: Éverton Ribeiro, aos quatro minutos do primeiro tempo

FLAMENGO: Diego Alves, Rodinei, Réver, Léo Duarte e Renê; Cuéllar (Willian Arão), Lucas Paquetá, Diego (Rômulo), Everton Ribeiro e Vitinho (Marlos Moreno); Henrique Dourado
Técnico: Mauricio Barbieri

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Léo Moura (Marinho), Geromel, Kannemann e Cortez ; Maicon (Alisson), Jaílson. Ramiro e Luan, Everton e André (Jael)
Técnico: Renato Gaúcho


Fonte:Gazeta Esportiva

Jadson marca no fim, Corinthians elimina a Chape e avança à semi

Foto: TARLA WOLSKi / Estadão Conteúdo
O Corinthians fez um dos seus piores jogos do ano em termos de técnica e qualidade na noite desta quarta-feira, contra a Chapecoense, em Chapecó. Porém, depois de mais de 80 minutos satisfeito com a vantagem de 1 a 0 obtida no jogo de ida, o Alvinegro ainda viu Jadson achar um gol de falta e sacramentar a passagem da equipe para as semifinais da Copa do Brasil.

O Timão agora enfrenta o Flamengo, que derrotou o Grêmio por 1 a 0 também nesta quarta-feira, no Maracanã, e assegurou sua vaga por ter empatado no duelo de ida, na casa do adversário. Data e horário dos jogos ainda serão divulgados pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Enquanto não sabem quando voltam as suas atenções novamente ao mata-mata nacional, os comandados de Osmar Loss seguem na caminhada pelo Campeonato Brasileiro no sábado, às 19h (de Brasília), contra o Grêmio, na Arena Corinthians, fechando o primeiro turno do torneio nacional. Já os atletas de Guto Ferreira também vão para a capital paulista, mas para encarar o líder São Paulo, às 19h (de Brasília) do domingo, no Morumbi.

Jogo fraco e VAR utilizado

O primeiro tempo da partida em Chapecó não mostrou nada de muito relevante no que prometia um jogo bastante disputado pela vaga na semifinal da Copa do Brasil. O primeiro lance de razoável perigo foi ainda aos cinco minutos, quando Jadson levantou a bola na área e falta lateral e Romero cabeceou na primeira trave. Jandrei, bem posicionado, mandou para escanteio.

A oportunidade, no entanto, foi um mero acaso numa disputa repleta de embates físicos e lançamentos direto para a linha lateral. Sem um centroavante na frente nem a habilidade de Pedrinho para abrir espaços, o Timão mal conseguiu ficar com a bola até os 30 minutos de bola rolando, quando Jadson, da entrada da área, chutou forte e parou em defesa tranquila de Jandrei.

A Chape, que viveu de bolas paradas na intermediária e nas laterais, quase conseguiu abrir o placar em falta batida por Canteros que Thyere, livre, completou para a rede. O defensor, no entanto, estava bastante impedido, como apontou o auxiliar e confirmou o VAR, após um minuto de paralisação. O placar, portanto, não foi alterado na primeira etapa.

Belo gol de Jadson “salva” o fim

O segundo tempo começou mais movimentado logo de cara, com Douglas arriscando de fora da área e mandando rente à trave de Jandrei. Com um pouco mais de espaço, o Timão passou a jogar mais no campo de ataque e teve outra oportunidade minutos depois, quando Fagner chegou na linha de fundo e rolou para Emerson Sheik chutar rasteiro, ao lado do gol.

Precisando de um gol para manter-se vivo na competição, o time da casa começou a tentar empurrar o Alvinegro para o seu campo de defesa com bolas longas à procura de Wellington Paulista. Preocupado em dar mais gás à sua equipe, o técnico Guto Ferreira mandou a campo Alan Ruschel, Kendy e Doffo, que fizera o gol da vitória no domingo, na esperança de levar mais perigo.

A tática quase deu certo pouco depois dos 30 minutos, quando Kendy ganhou disputa na área e a bola ia saindo, mas Henrique tentou dominar e quase colocou para dentro. Para sorte do corintiano, no entanto, a bola passou embaixo do pé do zagueiro e foi para a linha de fundo.

Quando a partida parecia caminhar para um final de bolas na área e pressão da Chape, porém, Mateus Vital entrou na vaga de Clayson e sofreu falta na lateral da área. Jadson foi para a batida, a bola encobriu Jandrei e entrou no ângulo, sacramentando a sequência da caminhada corintiana.

FICHA TÉCNICA 
CHAPECOENSE 0 x 1 CORINTHIANS

Local: Arena Condá, em Chapecó (SC)
Data: 15 de agosto de 2018, quarta-feira
Horário: 21h45 (horário de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Assistentes: Fabrício Vilarinho da Silva (Fifa-GO) e Guilherme Dias Camilo (Fifa-MG)
Público: 11.438 presentes
Renda: R$ 389.005,00
Cartões amarelos: Amaral, Kendy (Chape); Emerson Sheik, Cássio, Clayson (Corinthians)
Gols:
CORINTHIANS: Jadson, aos 39 minutos do segundo tempo

CHAPECOENSE: Jandrei; Eduardo, Rafael Thyere, Douglas e Bruno Pacheco (Alan Ruschel); Marcio Araújo, Amaral, Bruno Silva (Kendy), Yann Rolim (Doffo) e Canteros; Wellington Paulista
Técnico: Guto Ferreira

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Pedro Henrique, Henrique e Danilo Avelar; Gabriel, Douglas (Ralf); Romero, Jadson, Emerson Sheik (Jonathas) e Clayson (Mateus Vital)
Técnico: Osmar Loss


Fonte:Gazeta Esportiva

Cruzeiro vence o Santos nos pênaltis e avança na Copa do Brasil

Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C.
O Santos foi guerreiro. Ao iniciar o jogo, no Mineirão, na noite desta quarta-feira, em confronto válido pelas quartas de final da Copa do Brasil, o Peixe entrou em campo com o placar contrário. Na partida de ida, a Raposa venceu por 1 a 0. Na volta, o clube da Vila Belmiro resolveu complicar: no tempo normal conseguiu vencer por 2 a 1, de virada. Nos pênaltis, no entanto, o goleiro Fábio brilhou, defendeu todas as cobranças e o Cruzeiro classificou-se com 3 a 0.

O Cruzeiro foi superior na maior parte do jogo. Nos dois tempos, a Raposa conseguiu criar mais e ter chances para fazer gols. O Santos, porém, em alguns momentos chegava, mas ainda foi um Peixe travado, com pouca criatividade

Primeiro tempo

Precisando do resultado, o Santos entrou em campo com uma postura ofensiva. O técnico Cuca colocou sua equipe com quatro homens de frente, em busca de um gol logo no início da partida para dar tranquilidade do empate no placar agregado.

Nos primeiros minutos o técnico Cuca precisou fazer uma substituição em sua equipe. O zagueiro Luiz Felipe sentiu a coxa esquerda e precisou deixar o gramado. Gustavo Henrique foi chamado.

O Cruzeiro marcava a saída de bola do Santos. Os primeiros minutos começaram intensos e para a Raposa o resultado apareceu. Aos 12 minutos, Thiago Neves recebeu na direita, cortou para o meio e chutou rasteiro para abrir o placar.

Aos 14, o Santos teve uma grande chance. Em cruzamento na área, após falta em Rodrigo, Gustavo desviou de cabeça e levou muito perigo ao time do Cruzeiro.

O tento deixou o jogo mais lento. O Cruzeiro passou a estudar mais as jogadas e deixava o confronto amarrado. O Santos não conseguia infiltrar na defesa azul. Vale ressaltar que o time de Mano Menezes não estava fechado. A principal aposta de Cuca era Rodrygo, mas o setor ofensivo do Peixe não vivia bom momento.

Quando o primeiro tempo caminhava para o final, aos 41 minutos, o Santos conseguiu o empate na partida. Em ótimo chute de Gabriel, de fora da área, a bola pegou na bochecha da meta de Fábio.

O gol colocou o Santos novamente na partida. No placar agregado, neste momento, a partida estava em 2 a 1.

Segundo tempo

Na volta para a etapa complementar, o Cruzeiro assustou o Santos logo aos 9 minutos. Em cobrança de escanteio, a bola chegou até o zagueiro Dedé. Ele desviou de cabeça e a redonda parou na trave do goleiro Vanderlei. No rebote, a defesa conseguiu proteger a redonda e o arqueiro segurou firme.

Na medida que o tempo ia passando, o Cruzeiro mostrava quem mandava no jogo. No lance seguinte, o Cruzeiro fez uma bela jogada, uma troca de passes envolvente entre seus homens de meio campo, Robinho, Arrascaeta e Thiago Neves, finalizando com o lateral Edilson, na cara do gol, mas a zaga tirou em cima da linha.

O Santos seguia com grande dificuldade para criar seus lances no meio campo. Com isso, a bola chegava com mais dificuldade na frente. Rodrygo que não estava acostumado a jogar centralizado, praticamente como um armador, tinha dificuldades para cumprir a função.

Após os 30 minutos, o Santos passou a ficar com a bola nos pés. O Cruzeiro se fechou. O Peixe trocava passes, tentava de todos os lados. Em cruzamento da direita, a bola chegou em Bruno Henrique que mandou para o fundo das redes.

O Cruzeiro se mandou para o ataque. Aos 42, a Raposa quase conseguiu o empate. Rafinha aproveitou o rebote dentro da área e chutou e Vanderlei fez uma defesa milagrosa.

Pênaltis:

Lucas Silva – gol

Bruno Henrique – perdeu

Raniel – Gol

Rodrygo – perdeu

David – Gol

Jean Mota – perdeu

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 1 (3) X 2 (0)SANTOS

Local: Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Data: 15 de agosto de 2018 (Quarta-feira)
Horário: 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR)
Assistentes: Bruno Boschilia (PR) e Alessandro Alvaro Rocha de Matos (BA)

Gols: Thiago Neves, aos 9 minutos do primeiro tempo (Cruzeiro); Gabriel, aos 41 minutos do primeiro tempo, Bruno Henrique, aos 38 minutos do segundo tempo (Santos)

Cartões: Gustavo Henrique, Gabriel (Santos); Edilson (Cruzeiro)

CRUZEIRO: Fábio, Edilson, Dedé, Léo e Egídio; Henrique, Lucas Silva, Robinho (Rafinha), Thiago Neves e De Arrascaeta (David); Hernán Barcos (Raniel)
Técnico: Mano Menezes

SANTOS: Vanderlei, Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe (Gustavo Henrique) e Dodô; Renato (Daniel Guedes), Diego Pituca e Artur Gomes (Jean Mota); Rodrygo, Bruno Henrique e Gabigol.
Técnico: Cuca


Fonte:Gazeta Esportiva

Bahia relaciona 22 jogadores para o segundo jogo das quartas de final da Copa do Brasil, diante do Palmeiras, no Pacaembu.

Foto:Divulgação/E.C.Bahia
Após o último treinamento com bola em Salvador, o técnico Enderson Moreira relacionou 22 jogadores para o segundo jogo das quartas de final da Copa do Brasil, diante do Palmeiras, no Pacaembu.

Contratados depois do período de inscrição, o lateral esquerdo Paulinho e o atacante Clayton não estarão disponíveis para este compromisso em São Paulo. O goleiro Douglas, apesar do retorno à rotina de treinamentos, segue de fora da equipe.

Por outro lado, o treinador do Bahia contará com o retorno de Léo, que cumpriu suspensão no jogo da Fonte Nova, e o meia Marco Antônio, recuperado das dores no pé esquerdo.

Confira a lista:

Goleiro: Anderson e Fernando
Laterais: Bruno, Léo e Nino
Zagueiros: Everson, Grolli, Lucas Fonseca e Tiago
Meio-campistas: Edson, Elton, Flávio, Gregore, Marco Antônio, Nilton, Régis, Vinicius e Zé Rafael
Atacantes: Edigar Junio, Élber, Gilberto e Júnior Brumado.

Com bom retrospecto contra o Bahia, Antônio Carlos alerta para perigos da Copa do Brasil e enaltece Felipão: “Especialista”

Foto Anexada: Divulgação/Palmeiras
Na próxima quinta-feira (16), o Palmeiras decidirá seu futuro na Copa do Brasil. Após um empate sem gols no jogo de ida, em Salvador, o Verdão precisa de uma vitória para avançar à próxima fase da competição.

Um dos pontos fortes da equipe paulista, a defesa poderá contar com o retorno de Antônio Carlos, poupado na vitória contra o Vasco por 1×0 no último fina de semana. “Temos demonstrado muita solidez defensiva. Quem entra consegue manter o nível das atuações e quem ganha com isso é o Palmeiras. A temporada é longa, com várias competições e ter um elenco forte é fundamental para obter sucesso na temporada”, revelou o zagueiro.

Há dois jogos de completar cinquenta com a camisa palmeirense, Antônio Carlos possui um bom retrospecto contra o Bahia. Foram dois jogos com um empate e uma vitória com direito a gol marcado. “Espero que esse retrospecto seja ampliado e que a gente saia de campo com a classificação. Tenho certeza que será uma partida complicada, mas temos que fazer prevalecer o fator casa e conquistar esse resultado positivo”, destacou.

Segundo Antônio Carlos, o Palmeiras terá ainda um grande ponto a seu favor e ele estará no banco de reservas. Trata-se de Luiz Felipe Scolari, especialista em competições mata-mata. “O Felipão sabe como ninguém jogar esse tipo de competição. Tenho certeza que ele vai montar a melhor estratégia para que a gente consiga conquistar essa vaga. A Copa do Brasil é uma competição traiçoeira e temos que ter atenção durante os noventa minutos”, finalizou.

A partida contra o Bahia acontecerá amanhã (16), às 19h15, no Pacaembu. Quem vencer irá enfrentar o vencedor do confronto entre Cruzeiro e Santos nas semifinais.

14 agosto 2018

Vinicius falou sobre a partida decisiva contra o Palmeiras

 Fotos: Felipe Oliveira / EC Bahia
O entrevistado do dia hoje no Fazendão foi o meia Vinicius. O jogador falou sobre a difícil e decisiva partida contra o Palmeiras, nesta quinta (16), pelas quartas de final da Copa do Brasil.

“Claro que a gente sabe que será um jogo difícil. Sou um cara que as vezes se torna até repetitivo, quando falo em fazer história no clube. Quinta-feira temos grande possibilidade de fazer história. Ir pela primeira vez para uma semifinal de Copa do Brasil. Assim como na Sul-Americana, nunca tinha passado da segunda fase, hoje estamos nas oitavas. Esse grupo está mostrando competência. A gente sabe que será um jogo difícil, que a torcida deles vai comparecer em peso. Mas sabemos também da grandeza do Bahia, do nosso atual time, temos jogadores competentes que podem chegar lá, fazer o melhor e classificar. É isso, procurar fazer história. Tenho certeza que tem grandes chances de acontecer isso. Temos que mentalizar isso, para que a gente possa chegar lá na quinta-feira e se Deus quiser dar tudo certo, e a gente passar de fase”, disse.

Vinicius sabe das dificuldades de enfrentar o Palmeiras fora de casa. Porém, para o meia, o Tricolor já está se adaptando ao trabalho do técnico Enderson Moreira e acredita que o time pode fazer um grande jogo em São Paulo.

“A gente sabe que no começo do jogo eles vão vir com tudo, pelo calor que vai estar o Pacaembu, certeza que estará cheio, torcida vai empurrar. Mas estamos começando a ter o DNA do Enderson, começando a jogar dentro e fora de casa da mesma maneira. Estamos criando essa identidade. Estávamos oscilando muito. Estamos em uma sequência de jogos pontuado, com resultados positivos. Isso está amadurecendo e fortalecendo nossa equipe. Vai ser difícil, principalmente no início do jogo, mas vamos para lá querendo o triunfo, o mais importante para ir para a semifinal. Se não for nos 90 minutos, vai ter a disputa de pênaltis. Vamos preparado para qualquer cenário”, falou.

Ouça a entrevista completa:

02 agosto 2018

Gregore admite pênalti e revela papo com Daronco para não ser expulso

Foto:Felipe Oliveira/E.C.Bahia
Aos 30 minutos do segundo tempo, Gregore derrubou Artur na área e cometeu pênalti a favor do Palmeiras na Fonte Nova. O árbitro Anderson Daronco, além de apontar a marca da cal, também expulsou o jogador do Bahia. Porém, cerca de cinco minutos depois, após consulta ao VAR e rever o lance, Daronco resolveu trocar o cartão vermelho pelo amarelo e manter o pênalti, que por fim foi desperdiçado por Bruno Henrique.

Após a partida terminar sem gols, Gregore comentou como tudo aconteceu dentro do campo, foi sincero ao admitir o pênalti, mas revelou como tentou convencer o árbitro a não expulsá-lo.

“Quando surgiu o lance, o Daronco acertou no pênalti, foi pênalti, sim, mas ele falou que eu empurrei o jogador (Artur). E eu disse que não empurrei, dei um encontrão com o peito. Mas eu já estava saindo, quando o Jean pediu para eu esperar um pouco. Ele viu o vídeo e voltou atrás”, afirmou o atleta tricolor, antes de completar.

“A gente sabe quando é pênalti, né, cara? Eu, na minha cabeça, já sabia que era pênalti ali. Não sabia que ia ser expulso, mas graças a Deus o árbitro de vídeo fez a escolha certa”.

Gregore deixou claro que é a favor do VAR no futebol e contou que os jogadores já sabiam como o auxílio seria utilizado nessa quinta-feira, no primeiro embate pelas quartas de final da Copa do Brasil.

“A gente teve uma palestra um dia antes do jogo, explicaram detalhadamente para a gente, vimos na Copa (do Mundo), isso vai ajudar muito o futebol”, concluiu.

Avaliação do técnico
Enderson Moreira se mostrou satisfeito com o que viu em campo de sua equipe contra o Palmeiras. O treinador só lamentou a falta de tranquilidade dos jogadores nos momentos cruciais. Mesmo assim, acredita que o Tricolor tem condições de conquistar a classificação em São Paulo, onde o gol qualificado não terá validade.

“Jogo equilibrado, nossa equipe tem demonstrado qualidade, tranquilidade, hoje um pouco mais ansiosos do que normalmente está, mas, pela vontade de acertar, um pouquinho de pressa para acertar, e a gente acaba errando. Teve um pouco isso na última bola, mas foi um confronto equilibrado”, avaliou.

“O gol qualificado, são situações, já fui eliminado e classifiquei por ele, agora é outra situação, isso não pode interferir em nada no nosso planejamento. O que temos é uma partida acessível. Temos uma capacidade muito boa de poder buscar essa classificação em São Paulo”, garantiu.
 
Back To Top