Atividade Esporte News: Ginástica
⚽Notícias
Mostrando postagens com marcador Ginástica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ginástica. Mostrar todas as postagens

03 novembro 2018

Simone Biles vence no solo e conquista 14º título mundial da carreira

AFP / KARIM JAAFAR
A americana Simone Biles conquistou o ouro no solo, neste sábado em Doha, garantindo seu 14º título mundial com apenas 21 anos.

Com 14.933 pontos, a ginasta superou a compatriota Morgan Hur (13.933) e a japonesa Mai Murakami (13.866). A brasileira Flávia Saraiva ficou na quinta colocação com 13.766 pontos.

Biles conseguiu medalhas nas seis provas individuais disputadas em Doha, conquistando o ouro no concurso geral, por equipes, no salto sobre a mesa e no solo. Além disso, foi prata nas barras assimétricas e bronze na trave.

A americana chegou a 14 títulos mundiais e 20 medalhas no evento, superando o antigo recorde do bielorrusso Vitaly Scherbo (12 ouros) e igualando as 20 medalhas de Svetlana Khorkina.

Na trave, a chinesa Liu Tingting levou o ouro (14.533) à frente da canadense Anne-Marie Padurariu (14.100) e de Biles (13.700).

No masculino, o holandês Epke Zonderland levou o tricampeonato na barra fixa conquistando o ouro depois dos títulos em 2013 e 2014. O japonês Kohei Uchimura ficou em segundo e o americano Samuel Mikulak completou o pódio.

Nas paralelas, o chinês Zou Jingyuan revalidou seu título de campeão com atuação brilhante de 16.433 pontos. No salto sobre a mesa, o norte-coreano Ri Se-Gwang levou o título.

-- Resultados de sábado no Mundial de ginástica:

HOMENS

- Salto sobre mesa:

1. Ri Se Gwang (PKR) 14,933 pontos

2. Artur Dalaloyan (RUS) 14,883

3. Kenzo Shirai (JPN) 14,675

4. Dominick Cunningham (GBR) 14,666

5. Nikita Nagornyy (RUS) 14,650

6. Wai Hung Shek (HKG) 14,366

7. Artur Davtyan (ARM) 13,933

8. Caio Souza (BRA) 13,883

- Barras paralelas:

1. Zou Jingyuan (CHN) 16,433 pontos

2. Oleg Verniaiev (UCR) 15,591

3. Artur Dalalolyan (RUS) 15,366

4. Samuel Mikulak (EUA) 15,233

5. Lin Chaopan (CHN) 15,200

6. Jossimar Calvo Moreno (COL) 15,033

7. David Belyavskiy (RUS) 14,633

8. Lukas Dauser (ALE) 13,700

- Barra fixa:

1. Epke Zonderland (HOL) 15,100 pontos

2. Kohei Uchimura (JPN) 14,800

3. Samuel Mikulak (EUA) 14,533

4. Tin Srbic (CRO) 14,500

5. Tang Chia-Hung (TPE) 14,266

6. Deng Shudi (CHN) 14,066

7. Xiao Ruoteng (CHN) 13,900

8. Artur Dalaloyan (RUS) 12,666

MULHERES

- Trave

1. Liu Tingting (CHN) 14,533 pontos

2. Anne-Marie Padurariu (CAN) 14,100

3. Simone Biles (EUA) 13,600

4. Nina Derwael (BEL) 13,466

5. Elsabeth Black (CAN) 13,033

6. Kara Eaker (EUA) 12,833

7. Sanne Wevers (HOL) 12,666

8. Zhang Jin (CHN) 11,500

- Solo:

1. Simone Biles (EUA) 14,933 pontos

2. Morgan Hurd (EUA) 13,933

3. Mai Murakami (JPN) 13,866

4. Angelina Melnikova (JPN) 13,833

5. Flavia Saraiva (BRA) 13,766

6. Mélanie de Jesus dos Santos (FRA) 13,433

7. Lillia Akhaimova (RUS) 13,366

8. Brooklyn Moors (CAN) 13,066

02 novembro 2018

Zanetti é prata nas argolas e Biles conquista 13º ouro mundial

Americana Simone Biles venceu o ouro no salto sobre a mesa, dia 2 de novembro de 2018, duranto o mundial de ginástica em Doha.(AFP / KARIM JAAFAR)
O brasileiro Arthur Zanetti conquistou a medalha de prata nas argolas, nesta sexta-feira, no mundial de ginástica em Doha, enquanto a americana Simone Biles sagrou-se campeã pela 13ª vez em mundiais ao vencer no salto sobre a mesa.

Zanetti fez 15.100 pontos, sendo superado pelo rival grego Eleftherios Petrounias, que cravou 15.366 para conquistar pela terceira vez seguida o título no aparelho. O italiano Marco Lodadio completou o pódio com 14.900 pontos.

Biles também conquistou a prata nas barras assimétricas (14.700), sendo superada por Nina Derwael (15.200), a primeira belga a se sagrar campeã do mundo na ginástica artística. A alemã Elisabeth Seitz (14,600) completou o pódio.

No cavalo com alças, o chinês Xiao Ruoteng conquistou o ouro superando o defensor do título, o britânico Max Whitlock. Ambos conquistaram 15.166 pontos, mas o asiático levou a melhor graças a melhor nota de execução (8.566 contra 8.366). O bronze ficou com o taiwanês Chih Kai Lee (14.966).

O russo Artur Dalaloyan venceu no solo com 14.900 pontos, com o japonês Kenzo Shirai (14.866) e o filipino Carlos Yulo (14.600) completando o pódio.

-- Resultados de sexta-feira no Mundial de ginástica em Doha:

HOMENS:

- Solo:

1. Artur Dalaloyan (RUS) 14,900 pontos

2. Kenzo Shirai (JPN) 14,866

3. Carlos Yulo (PHI) 14,600

4. Yul Moldauer (EUA) 14,566

5. Artem Dolgopyat (ISR) 14.566

6. Nikita Nagornyy (RUS) 14,500

7. Samuel Mikulak (EUA) 14,233

8. Kazuma Kaya (JPN) 14,100

9. Ahmet Onder (TUR) 13,833

- Cavalo com alças:

1. Xiao Ruoteng (CHN) 15,166 pontos

2. Max Whitlock (GBR) 15,166

3. Chih Kai Lee (TPE) 14,966

4. Samuel Mikulak (EUA) 14,333

5. Nariman Kurbanov (KAZ) 13,400

6. Nikita Nagornyy (RUS) 12,533

7. David Belyavskiy (RUS) 11,833

8. Cyril Tommasone (FRA) 11,500

- Argolas:

1. Eleftherios Petrounias (GRE) 15,366 pontos

2. Arthur Zanetti (BRA) 15,100

3. Marco Lodadio (ITA) 14,900

4. Artur Tovmasyan (ARM) 14,766

5. Nikita Nagornyy (RUS) 14,733

6. Vahagn Davytyan (ARM) 14,733

7. Nikita Simonov (AZE) 14,266

8. Igor Radivlov (UKR) 14,133

MULHERES

- Salto sobre a mesa:

1. Simone Biles (EUA) 15,366 pontos

2. Shallon Olsen (CAN) 14,516

3. Alexa Moreno (MEX) 14,508

4. Oksana Chusovitina (UZB) 14,300

5. Yeo Seo-jeong (KOR) 14,233

6. Liu Jinru (CHN) 14,150

7. Elsabeth Black (CAN) 14,116

8. Pyon Rye Yong (PRK) 13,616

- Barras assimétricas:

1. Nina Derwael (CAN) 15,200 pontos

2. Simone Biles (EUA) 14,700

3. Elisabeth Seitz (ALE) 14,600

4. Luo Huan (CHN) 14,500

5. Allia Mustafina (RUS) 14,433

6. Morgan Hurd (EUA) 14,433

7. Rebecca Downie (GBR) 13,333

8. Jonna Adlerteg (SUE) 13,166

30 outubro 2018

Simone Biles conquista título mundial de ginástica em seu retorno às competições

Simone participa da prova do solo.(AFP / KARIM JAAFAR)
Em sua primeira competição internacional desde os Jogos Olímpicos do Rio-2016, a ginasta Simone Biles liderou os Estados Unidos rumo ao ouro na disputa por equipes, nesta terça-feira, em Doha, conquistando o 11º título mundial de sua carreira aos 21 anos.

A equipe americana, formada por Biles, Grace McCallum, Morgan Hurd, Riley McCusker e Kara Eaker somou 171,629 pontos, terminando à frente de Rússia (162,863) e China (162,396).

Estas três equipes garantiram assim a classificação para os Jogos de Tóquio-2020.

Já o Brasil, que contou com as ginastas Flávia Saraiva, Jade Barbosa, Lorrane Oliveira, Rebeca Andrade e Thaís Fidelis, flertou com o pódio durante toda a prova, mas falhas na última rotação, as barras assimétricas, fizeram as brasileiras caírem para o 7º lugar (159,830).

Biles, como de costume, foi o grande destaque do dia, somando as maiores pontuações no solo (14,766), no salto (15,500) e até nas barras assimétricas (14,866), modalidade que costuma ser seu calcanhar de Aquiles.

A americana continuará sua exibição em Doha na quinta-feira no concurso geral, no qual é a grande favorita ao ouro. Se vencer, se tornará a primeira mulher quatro vezes campeã do mundo no individual na história da ginástica.

28 outubro 2018

Brasil vai à final do Mundial de ginástica após 11 anos

Última decisão do Brasil foi em 2007 (Foto: Divulgação/CBG)
Neste domingo, a seleção feminina de ginástica realizou as suas primeiras apresentações no Mundial da categoria, disputado em Doha, no Catar, e teve um grande desempenho. O Time Brasil conseguiu a quinta colocação do geral, com 162,529 pontos, garantindo assim a vaga na final pela primeira vez desde 2007.

A primeira colocação ficou com os Estados Unidos, com 174,429 pontos, seguidos por Rússia (165,497), China (165,196), e Canadá (163,897). Além disso, Flavia Saraiva e Jade Barbosa se garantiram na final do individual geral, enquanto Flavinha, quinta colocada no solo, garantiu também um lugar na final do aparelho.

Salto

O Brasil já começou muito bem no salto, o aparelho preferido das atletas brasileiras. Jade Barbosa, Flavinha e Rebeca, com muita precisão, apresentaram o mesmo salto, e cravaram 14,500, 14,466 e 14,566, respectivamente. Com um total de 43,532 pontos, o Brasil só ficou atrás dos Estados Unidos.

Barras assimétricas

Nas barras assimétricas, aparelho considerado um dos pontos fracos para o Brasil, o único susto ficou por conta do passo largo dado por Lorrane na saída (13,166). Sem grandes falhas, Jade fez 13,333, e os 12,400 de Flavinha foram descartados para o somatório, pois ainda havia Rebeca, que cravou 14,333.

Trave

A trave foi um dos destaques do Brasil nas Olimpíadas do Rio, em 2016, mas desta vez, a situação foi bem diferente. Lorrane começou com desequilíbrios leves e deu um passo pequeno na saída, ficando com 12,066. Jade começou bem, mas ficou com 11,700 após uma queda, assim como Rebeca, com 12,633. Pressionada, Flavinha também não teve um desempenho muito positivo, e ficou com 13,233.

Solo

Para não deixar a vaga na final escapar, a esperança das brasileiras era o solo. Com alguns pequenos problemas na aterrissagem, Lorrane ficou com 13,033, e Jade, com uma boa execução, conseguiu 13,200. Flavinha, com uma série quase cravada, deu show e marcou 13,200. Thaís, por sua vez, pisou fora do tablado na primeira acrobacia e com 13,133, perdeu a chance de disputar a final.


Fonte:Gazeta Esportiva

Retomando a parceria, Guto e Saymon vencem etapa de Vila Velha

 (Foto: CBV)
Pouco mais de um mês depois de retomar a parceria, Guto e Saymon voltaram a subir no pódio, neste domingo. Dessa vez, eles foram parar no lugar mais alto dele e faturaram o ouro em Vila Velha, na segunda etapa do Circuito Brasileiro. Eles superaram a dupla de Pedro Solberg e Bruno Schmidt em dois sets diretos, com parciais de 21/17 e 21/18, em 48 minutos.

“Temos uma sintonia e um companheirismo dentro e fora de quadra, e nosso estilo de jogo combina bem. Estamos felizes por voltar com esse time, especialmente vencendo uma etapa do Circuito Brasileiro, dentro de casa, com a torcida fazendo a festa”, declarou Guto. “É diferente de jogar o Circuito Mundial, a vibração acaba sendo mais intensa, você compartilha aquele momento e a galera vai junto durante a partida”.

Guto e Saymon voltaram a atuar juntos depois de quase dois anos. Entre 2014 e 2016, eles foram vice-campeões brasileiros gerais e ainda conquistaram medalhas no Circuito Mundial.

“Fiquei bastante emocionado no pódio, foram muitas mudanças e o convite da comissão técnica do Guto me deixou muito feliz”, destacou Saymon. “Minha família deu todo apoio, isso faz a diferença. Preciso agradecer demais aos nossos fãs, amigos, familiares e ao Guto”, completou o sul-mato-grossense. “Ele é um craque, fez ‘mágicas’ nesta final e contagiou a torcida”.

Na disputa do bronze, Ricardo e Álvaro Filho, também retomando a parceria, levaram a melhor contra George e Averaldo. Os medalhistas levaram a melhor por 2 sets a 1, de virada. O embate de 1h05 terminou com parciais de 22/24, 21/12 e 15/13.

“Fiquei muito feliz de poder voltar ao pódio do Circuito Brasileiro”, destacou Ricardo, que ficou um longo tempo disputando o torneio norte-americano. “Nada melhor do que reeditar essa parceria com Alvinho com uma medalha, com uma resposta muito positiva. Temos muita coisa pela frente, espero que possamos formar aquele time que conquistou muita coisa no passado, estamos com muita vontade e focados no trabalho”.


Fonte:Gazeta Esportiva

16 outubro 2018

Diretora da ginástica americana renúncia após críticas


GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP/Arquivos / Jason Merritt
A recém-empossada diretora interina da Federação dos Estados Unidos de Ginástica (USA Gymnastics), Mary Bono, renunciou nesta terça-feira, poucos dias depois de ser nomeada para o cargo, devido às críticas que recebeu das estrelas do esporte Simone Biles e Aly Raisman.

Bono, ex-política republicana e que havia sido empossada na sexta-feira (12), afirmou que renunciou por "ataques pessoais" que fizeram com que a situação ficasse insustentável.

"Com um profundo pesar, junto com um profundo amor por este esporte da ginástica e o respeito por aqueles que aspiram se tornar grandes ginastas, apresentei minha renúncia como chefe interina da USA Gymnastics", declarou Bono em comunicado.

"Minha saída acontece após os ataques pessoais que ficaram sem defesa e que teriam tornado minha estadia à frente da USAG em uma responsabilidade para a organização", afirmou.

12 outubro 2018

Rival de Zanetti sofre lesão e fica fora do Mundial de Doha

(Foto: AFP/ Thomas Coex)
Um dos principais nomes da ginástica olímpica do planeta e principal rival do brasileiro Arthur Zanetti, Eleftherios Petrounias ficará fora do Mundial de Doha, que acontece entre 25 de outubro e 3 de novembro. Isso porque o grego, Rei das Argolas, não conseguiu se recuperar de uma cirurgia a tempo. O atual bicampeão mundial e campeão olímpico anunciou a desistência por meio de suas redes sociais, nessa sexta-feira.

“Infelizmente, por causa de uma lesão que me fez passar por uma cirurgia, eu não vou estar neste ano defendendo as cores da Grécia e brigando por outro mundial”, escreveu o atleta. Apesar de abandonar a competição, Petrounias destacou que não vai se deixar abater. “Com a ajuda da equipe médica, espero estar apto para brigar pelo título europeu e pelo mundial do ano que vem e ficar saudável para o grande objetivo da Olimpíada de Tóquio”, ressaltou.


Τόσα χρόνια έχω εισπράξει απίστευτη αγάπη από όλους τους Έλληνες και Ελληνίδες σε όλο τον κόσμο. Γι’αυτό και τα άσχημα νέα, επιλέγω να τα μάθετε από εμένα. Δυστυχώς, λόγω του τραυματισμού που με ταλαιπωρεί ήδη από τους προηγούμενους αγώνες και που με υποχρεώνει πια να οδηγηθώ στο χειρουργείο, δεν θα βρίσκομαι φέτος στο Παγκόσμιο για να υπερασπιστώ τα ελληνικά χρώματα και να διεκδικήσω ακόμη έναν Παγκόσμιο τίτλο, για να χαρεί όλη η Ελλάδα. Δεν το βάζουμε όμως κάτω. Εγώ και εσείς μαζί με την στήριξή σας. Σφίγγω τα δόντια και με τη βοήθεια του προπονητικού και ιατρικού team ευελπιστώ ότι θα είμαι σε θέση να διεκδικήσω τους ευρωπαϊκούς και παγκόσμιους τίτλους στις επόμενες διοργανώσεις και να φτάσω υγιής μέχρι το μεγάλο στόχο, τους Ολυμπιακούς Αγώνες στο Τόκυο. Θα είμαστε σύντομα γεροί, δυνατοί, για να βάλουμε την ελληνική σημαία ξανά στον υψηλότερο ιστό. #staystrong #petrounias #illbeback
Uma publicação compartilhada por Eleftherios Petrounias (@eleftherios_petrounias) em

Fonte:Gazeta Esportiva

16 setembro 2018

Conjunto brasileiro fica no 18º lugar e está no Mundial de 2019

(Foto: Divulgação/CBG)
O conjunto brasileiro cumpriu sua meta no Mundial de Ginástica Rítmica e está classificado para a edição de 2019, que oferece vagas nos Jogos de Tóquio 2020. A equipe, que precisava terminar entre os 24 primeiros, classificou-se em 18º (33.775). As atletas se apresentaram neste sábado com os arcos, na primeira coreografia, e com bolas e cordas, na segunda.

“A meta de classificar entre os primeiros 24 países para participarmos do Pré-Olímpico em 2019 foi cumprida. Neste ano, conseguimos melhorar o nível técnico das ginastas e aumentar a nota de dificuldades das séries”, afirmou a técnica Camila Ferezin, que já vislumbra os ajustes necessários. “Tivemos falhas graves, que serão corrigidas para o Pré-Pan, que acontecerá daqui a 10 dias”, afirmou.

Após encerrarem a participação no Mundial, as brasileiras disputarão o Pan-Americano de Ginástica Rítmica em Lima, no Peru, entre os dias 26 e 30 de setembro. O torneio é classificatório para os Jogos Pan-Americanos de 2019, que acontecerão na mesma cidade.

Camila relembrou que foi preciso substituir a ginasta Débora Medrado, titular das duas séries, duas semanas antes do Mundial por conta de edema ósseo no segundo metatarso do pé esquerdo. “Isso pesou muito no conjunto. Mas a decisão da comissão foi recuperá-la para competir o Pan”, explicou.


Fonte:Gazeta Esportiva
 
Back To Top