Atividade Esporte News: Judô
⚽Notícias
Mostrando postagens com marcador Judô. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Judô. Mostrar todas as postagens

25 novembro 2018

Brasil encerra o Grand Slam de Osaka sem conquistar medalhas

 (Foto: Divulgação/CBJ)
Neste domingo, o Brasil encerrou a sua participação no Grand Slam de judô em Osaka, no Japão. Rafael Macedo, Rafael Buzacarini, Rafael Silva “Baby” e Beatriz Souza foram os representantes brasileiros no último dia de competição, e embora três deles tenham ido à repescagem, nenhuma medalha foi conquistada.

Rafael Macedo, da categoria 90kg, começou na segunda rodada, derrotando Mattias Kuusik, da Estônia. Depois, venceu o holandês Jesper Smink, mas acabou derrotado pelo japonês Shoichiro Mukai. Na repescagem, Rafael venceu o tcheco David Klammert, mas caiu para o alemão Eduard Trippel na luta que valia a medalha de bronze.

Na categoria -100kg, Rafael Buzacarini estreou com vitória sobre o americano L.A. Smith III, e na sequência bateu o georgiano Varlam Liparteliani e o sueco Joakim Dvarby. Diante do japonês Aaron Wolf, contudo, Rafael não conseguiu a vitória, e na repescagem, parou no português Jorge Fonseca.

Rafael Silva, conhecido também como “Baby”, deu adeus à disputa pela categoria +100 kg de maneira precoce: Logo na primeira luta, o brasileiro foi derrotado pelo alemão Sven Heinle.

Representante feminina do Time Brasil neste domingo, Beatriz Souza, da +78kg, começou com vitória sobre Gabriella Woor, de Trindade e Tobago, e na sequência perdeu para a japonesa Akira Sone. Na repescagem, Beatriz superou a croata Ivana Maranic, mas acabou sendo eliminada por Nami Inamori, também japonesa.

Fonte:Gazeta Esportiva

24 novembro 2018

Brasil volta a passar em branco no segundo dia em Osaka

 (Foto: AFP)
O Brasil teve mais um dia sem medalhas em Osaka, Japão. Após não ter um bom início no último Gran Slam da temporada, a equipe brasileira teve Maria Portela, que disputa a categoria até 70 kg, como melhor representante neste sábado.

A judoca, que avançou automaticamente na primeira rodada, superou a grega Elisavet Teltsidou por ippon na segunda rodada. No entanto, ela perdeu para a atleta da casa Saki Nizoe por ippon na final do grupo C. Dessa forma, Portela foi para a repescagem e foi superada por Maria Bernabeu por um wazari, desperdiçando a chance de brigar pelo bronze.

Campeã olímpica no Rio de Janeiro, Rafaela Silva deixou a competição com uma derrota em uma luta. Ela foi superada pela búlgara Ivelina Ilieva por wazari na categoria até 57 kg. Já Alexia Castilhos venceu a chinesa Chang Su e perdeu para a eslovaca Tina Trstenjak no peso até 63 kg.

Na categoria até 73 kg no masculino, Marcelo Contini e Eduardo Barbosa começaram na segunda rodada. O primeiro foi derrotado logo no seu primeiro combate contra o japonês Nogami Renaro. Já o segundo bateu o porto-riquenho Jeffrey Ruiz por wazari, foi eliminado pelo sueco Tommy Macias pelo mesmo golpe na semifinal da chave C.


Fonte:Gazeta Esportiva

28 outubro 2018

Hino de Israel toca pela primeira vez em Abu Dhabi durante torneio de judô

A ministra israelense Miri Regev.(POOL/AFP/Arquivos / JIM HOLLANDER)
O hino de Israel soou pela primeira vez neste domingo em uma competição esportiva realizada nos Emirados Árabes Unidos, na entrega da medalha de ouro à judoca israelense Sagi Muki, na presença de uma ministra israelense.

Já campeã europeia na categoria -81 kg, Muki conquistou o primeiro lugar no Grand Slam de Abu Dhabi.

Em julho, a Federação Internacional de Judô (FIJ) alertou a organização deste torneio que iriam anulá-lo se não permitisse que todos os atletas, incluindo os israelenses, competissem com sua bandeira e seu hino.

Pela primeira vez, a equipe de judô israelense pôde participar deste torneio sob sua bandeira nacional. Além disso, o triunfo de Muki permitiu que seu hino fosse ouvido.

"Estou orgulhoso de que o hino nacional tenha tocado pela primeira vez em Abu Dhabi, é um grande momento na minha carreira", disse a atleta à TV israelense.

Miri Regev, ministra da Cultura e Esportes de Israel, assistiu à entrega de medalhas a poucos metros do pódio e não segurou as lágrimas. Ela é a primeira ministra israelense a participar de um torneio esportivo no Golfo Pérsico, segundo a delegação do país.

Os Emirados Árabes Unidos não reconhecem Israel como país e os dois não têm relações diplomáticas. A participação de atletas israelenses em competições internacionais leva, por vezes, a reações hostis e até ao boicote de organizações ou atletas árabes ou muçulmanos.

Em 2017, quando os judocas israelenses participaram do Grand Slam de Abu Dhabi, vestiram quimonos neutros, sem as iniciais ISR, as três letras que designam o país em competições esportivas.

Quando o israelense Tal Flicker ganhou uma medalha de ouro, o hino israelense não soou, foi substituído pelo da IJF.

13 outubro 2018

Victor Penalber é prata em Cancún; Marcelo Contini e Alexia Castilhos são bronze

 (Foto: CBJ/Divulgação)
Neste sábado, o Brasil conquistou uma prata e dois bronzes no Grand Prix de judô de Cancún, no México. Victor Penalber chegou até a final da categoria até 81kg, mas foi superado por ippon pelo belga Sami Chouchi na grande decisão. Marcelo Contini e Alexia Castilhos ficaram em terceiro lugar da sua categoria.

O atleta brasileiro venceu o romeno Marcel Cercea e o francês Alpha Oumar Djalo por ippon e o espanhol José Maria Mendiola Izquieta por wazari na fase preliminar. Na semifinal, ele ganhou do alemão Tim Gramkow com um wazari antes de ser derrotado pelo belga, que bateu Thiago Pinho na segunda rodada, na final.

Marcelo Contini levou o bronze na categoria até 73kg masculino. Ele superou o porto-riquenho Jeffrey Ruiz e o romeno Alexandru Raicu, ambos por ippon, e o canadense Arthur Margelidon por ter menos penalidades na rodada preliminar. Na semifinal, ele perdeu para o russo Denis Iartcev por ter mais penalidades e caiu para a repescagem. Nesta fase, ele venceu o peruano Alonso Wong por ippon e garantiu o terceiro lugar.

Na mesma categoria, Eduardo Barbosa venceu o holandês Sam Van Westende, o russo Ondar Saian e o húngaro Frigyes Szabo por ter menos penalidades. Na semifinal, ele foi derrotado pelo sueco Tommy Macias por ippon e perdeu a repescagem para Arthur Margelidon

Na categoria até 63kg feminino, Alexia Castilhos iniciou sua campanha com triunfos sobre a mexicana Anacaren Requejo e sobre a canadense Steganie Tremblay por ippon. No entanto, ela perdeu, ainda na fase preliminar, para a britânica Lubjana Piovesana por ippon e foi para a repescagem. Ele venceu a russa Badurova Kamila e a australiana Katharina Haecker por ippon e wazari, respectivamente, para levar o bronze.

No mesmo peso, Ketelyn Quadros foi eliminada no primeiro round. Ele levou um ippon da mexicana Prisca Awiti Alcaraz com 40 segundos para o final do combate.


Fonte:Gazeta Esportiva

12 outubro 2018

Rafaela Silva dá troco em canadense e leva ouro em Cancún; Chibana é bronze

 (Foto: Reprodução/IJF)
Nesta sexta-feira, Rafaela Silva voltou a encontrar o caminho mais alto do pódio. No Grand Prix de Cancún, no México, a brasileira conquistou a medalha de ouro no peso até 57kg vencendo na final a canadense Jessica Klimkait, contra quem havia sido eliminada duas vezes neste ano.

Assim, depois de ficar sem medalhas no último Mundial, a campeã olímpica voltou a subir ao pódio, assim como Charles Chibana, que conquistou o bronze no peso até 66kg.

Segundo brasileiro a entrar no tatame, Chibana encarou o eslovaco Matej Poliak e venceu em menos de dois minutos de luta. Na outra disputa pelo bronze do -66kg, o brasieiro Daniel Cargnin enfrentou o italiano Elios Manzi e acabou sofrendo o revés.

Mais cedo, Sarah Menezes disputou o bronze na categoria até 48kg e acabou sendo derrotada pela sérvia Milica Nikolic. O Ouro ficou com a argentina Paula Pareto, que com 1min30s derrotou a portuguesa Catarina Costa.


Fonte:Gazeta Esportiva

17 agosto 2018

Pinheiros domina Troféu Brasil Interclubes de Judô

(Foto: Divulgação/CBJ)
Terminou nesta sexta-feira o Troféu Brasil Interclubes de judô, que ocorreu em Canoas, no Rio Grande do Sul. Após dois dias de disputa, o Pinheiros (SP) terminou a competição no topo do quadro de medalhas com vantagem confortável.

O clube da capital paulista terminou o torneio com 15 medalhas no total, sendo nove de ouro, duas de prata e quatro de bronze. Em segundo lugar, a Sociedade de Ginástica Porto Alegre (RS) terminou com oito medalhas, sendo duas de ouro, duas de prata e quatro de bronze. Na terceira posição, com uma medalha de bronze a menos que o segundo colocado, ficou o Instituto Reação (RJ).

Dos medalhistas olímpicos no Rio de Janeiro, em 2016, apenas Rafael Silva conquistou medalha no Troféu Brasil. O judoca do Pinheiros, bronze no Rio, conquistou o ouro na categoria sênior masculino pesado (+100kg). Mayra Aguiar, que também conquistou o bronze em 2016, acabou sem medalha na categoria sênior feminino meio pesado (-78kg).

Rafaela Silva, campeã olímpica em 2016, também acabou sem medalhas na competição. Ela perdeu na primeira luta da noite para Ketelyn Nascimento, atleta do Palmeiras de apenas 20 anos que conquistou o bronze na categoria sênior feminino leve (-57kg).


Fonte:Gazeta Esportiva

13 agosto 2018

Federação Internacional de Judô fará debate sobre igualdade de gênero

 (Foto: Reprodução)
A Federação Internacional de Judô (FIJ) promoverá, no dia 19 de setembro, a primeira Conferência sobre igualdade de gênero na modalidade, como parte da programação do Campeonato Mundial da categoria. Entre os palestrantes, estará a técnica japonesa Yuko Fujii, que falará sobre sua experiência inédita à frente da seleção masculina de judô do Brasil.

Fujii é a primeira mulher da história do judô brasileiro a comandar uma seleção masculina. Ela assumiu o cargo no dia 30 de maio deste ano e será a responsável pela preparação dos judocas brasileiros para os Jogos de Tóquio 2020. Além dela, a comissão técnica do judô brasileiro tem outra mulher em posição de liderança, a treinadora Rosicleia Campos, atual coordenadora da seleção feminina do Brasil.

A programação contará com quatro painéis que discutirão os seguintes temas: “Posição da mulher no Judô: estatísticas e atividades dos membros da FIJ”; “Experiência em igualdade de gênero: perspectivas de árbitros e técnicos”; “Experiências em igualdade de gênero: perspectiva do atleta”; “Mulheres em cargos de liderança: experiências e atividades”.

A igualdade de gêneros é uma das principais agendas do Comitê Olímpico Internacional para Tóquio 2020. Uma das medidas já tomadas em prol da causa foi a criação da disputa por equipe mistas.  Além disso, nas competições oficiais da FIJ, por exemplo, as regras, a área de competição, os uniformes e as premiações são iguais para mulheres e homens.


Fonte:Gazeta Esportiva

12 agosto 2018

Émilie Andéol, campeã olímpica no Rio, se aposenta

Foto:AFP / Arquivos / Jack GUEZ

A Francesa  Émilie Andéol, campeã olímpica de judô (+ 78 kg) no Rio em 2016, anunciou no domingo que encerrou sua carreira aos 30 anos em sua página no Facebook.


12.08.16 gravada para sempre em mim Dois anos que eu vivi o dia mais bonito da minha vida Eu subi no telhado do Olimpo Mesmo que seja um segredo, agora uma página fica vire .... ", escreve Andeol.

"Um ano se passou desde a minha última competição. Eu precisava respirar, para me encontrar, para desfrutar a minha família e especialmente para ver se a motivação foi sempre presente para Tóquio de 2020. Este não é o caso, mas n não é sério ", disse o atleta Girondin.

Andeol, também bicampeão da Europa (2014 e 2015), deve ficar no mundo do judô. Atualmente, ela está treinando para se tornar um treinador de alto nível e também planeja lançar um tour Andéol + em colaboração com a Federação Francesa de Judô para jovens.
 
Back To Top