Atividade Esporte News: Superliga feminina de vôlei
⚽Notícias
Mostrando postagens com marcador Superliga feminina de vôlei. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Superliga feminina de vôlei. Mostrar todas as postagens

14 abril 2018

Sesc-RJ e Praia Clube decidem título pela segunda vez nos últimos três anos

 (Foto: Divulgação/Sesc RJ)
Neste domingo, às 10h, na Arena Carioca 1, Sesc/RJ e Dentil Praia Clube farão a primeira final da Superliga Feminina de Vôlei da temporada 2017/2018. Essa será a segunda vez nas últimas três temporadas que as duas equipes se enfrentarão na grande decisão da competição nacional. O segundo jogo será no dia 22 de maio às 9h10, no ginásio do Sabiazinho, em Uberlândia (MG).

As duas equipes tiveram uma campanha muito parecida durante a primeira fase da competição. O Praia Clube foi o melhor time de toda a competição com 61 pontos, sendo 21 vitórias e apenas uma derrota ao longo de toda a temporada (justamente contra o Sesc/RJ). Já o clube do Rio de Janeiro teve 57 pontos, com 20 triunfos e perdendo um jogo a mais do que as adversárias da final.

Com a partida será de manhã, situação bem diferente das outras partidas da Superliga que na maioria das vezes era no período noturno, o Praia Clube viajou nesta quinta-feira e aproveitou para inverter a programação com os treinos táticos no começo do dia, para melhor se adaptar ao horário.

No entanto, os dois times tiveram roteiros bem diferentes para chegar na grande final da SuperLiga. Enquanto que o Sesc/RJ enfrentou a equipe do Minas e com as três vitórias consecutivas garantiu a vaga bem antes do adversário deste domingo, o Praia Clube teve uma “batalha” contra a equipe do Vôlei Nestlé Osasco, conseguindo a clasificação apenas no último e quinto jogo da série.

Caso o Sesc/RJ conquiste o título, a equipe comandada por continuará fazendo história na Superliga. Será o sexto troféu consecutivo e o 13° da história do clube, de longe, a equipe com mais conquistas no principal torneio de vôlei do país. Já no caso do Praia Clube, seria a primeira vez que o time venceria e faria com que o torcedor esquecesse o vice campeonato da temporada 2015/2016, justamente contra o adversário deste domingo.


Fonte:Gazeta Esportiva

10 abril 2018

Após nove anos, Nestlé anuncia fim da parceria com Osasco

 (Foto: Divulgação)
A Nestlé anunciou nesta terça-feira que irá encerrar a parceria que já dura nove anos com o time de vôlei de Osasco. A multinacional suíça confirmou que a atual temporada será a última em que marcará presença na Superliga feminina, conforme estava previsto no contrato assinado entre as partes.

O anúncio foi uma verdadeira bomba para a equipe, que nesta temporada chegou até a semifinal da Superliga feminina, sendo eliminada pelo Dentil/Praia Clube. Considerado um dos principais e mais vencedores times do Brasil, o Osasco agora corre contra o tempo para encontrar um novo parceiro que mantenha o alto nível de investimento e proporcione a manutenção de suas principais atletas.

A Nestlé diz que o fim de seu investimento no vôlei nacional se deve ao fato de sua estratégia global ter sido direcionada para o propósito de “melhorar a qualidade de vida e contribuir para um futuro mais saudável”. A empresa suíça tem como meta colaborar em com o crescimento mais saudável de cerca de 50 milhões de crianças até 2030.

No período em que o Osasco contou com o suporte da Nestlé, uma série de títulos importantes foram levados para o município da Grande São Paulo. Iniciada em 2009, a parceria rendeu duas Superligas (2009/10 e 2011/12), o tetracampeonato sul-americano (2009, 2010, 2011 e 2012), seis títulos do Campeonato Paulista (2012, 2013, 3014, 2015, 2016 e 2017), duas Copas Brasil (2014 e 2018), o tradicional torneio Top Volleu (2014) e o Mundial de Clubes (2012).

Esta não foi a primeira vez que a Nestlé montou uma equipe vitoriosa no vôlei nacional. Entre 1992 e 1999, e empresa patrocinou o time de Sorocaba, batizado de Leite Moça e, posteriormente de Leites Nestlé quando a equipe se mudou para Jundiaí. Neste período, a multinacional suíça faturou o Mundial de Clubes (1994), o tricampeonato sul-americano (1996, 1997 e 1998), o tricampeonato da Superliga (1994/95, 1995;96 e 1996/97) e o tricampeonato paulista (1993, 1995 e 1998).


Fonte:Gazeta Esportiva

06 abril 2018

Dentil/Praia Clube supera o Vôlei Nestlé e vai à final da Superliga

Equipe mineira vence o quinto jogo da série e está na final da Superliga pela segunda vez na história. Decisão será contra o Sesc-RJ, algoz na temporada 2015/16

(Foto: Divulgação)
Enfim, a final! O Dentil/Praia Clube contou com a força da sua torcida nesta sexta-feira (6) para vencer o Vôlei Nestlé por 3 sets a 1, parciais de 18/25, 25/16, 25/19 e 25/21, no quinto jogo da série, e avançou para a decisão da Superliga Feminina de Vôlei. A melhor jogadora, eleita pelos torcedores, foi a oposta norte-americana Nicole Fawcett.

- Foi uma conquista do grupo, hoje provamos como fomos fortes como grupo. Acredito que a gente pode fazer bonito. É um prazer dar alegria para essa torcida que nos apoiou tanto nesse campeonato. É uma característica nossa brigar o tempo inteiro. Fomos mais fortes - disse Fernanda Garay ao SporTV.

Na decisão, o Dentil/Praia Clube terá pela frente as atuais campeãs do torneio: o Sesc-Rio, equipe do técnico Bernardinho, que venceu sua semifinal contra o Minas com 3 a 0 na série. As cariocas lutam pelo 13º título de Superliga, enquanto as mineiras querem levantar o troféu pela primeira vez. 

Praia Clube e Sesc-Rio reeditam a final da Superliga de 2015/2016. Na ocasião, foi a última e única vez que a equipe praiana chegou na decisão. As finais estão marcadas para 15 de abril, no Rio de Janeiro, e 22 do mesmo mês, em Belo Horizonte. Caso seja necessário o terceiro jogo, o mando será das mineiras.

DESTAQUES DO JOGO

Dentil/Praia Clube:
Nicole Fawcett: 20 pontos.
Fernanda Gaway: 16 pontos.
Fabiana: 11 pontos.

Vôlei Nestlé: 
Tandara: 33 pontos.
Bia: 10 pontos.
Mari Paraíba e Natália: 7 pontos.


Fonte:Lance

03 abril 2018

Osasco vence Praia Clube e força quinto jogo na semifinal da Superliga

 (Foto: Divulgação)
O Vôlei Nestlé Osasco usou a força de sua torcida para empatar a semifinal da Superliga feminina de vôlei com o Dentil Praia Clube na noite desta segunda-feira. Recebendo o time que terminou a fase classificatória na liderança, no ginásio José Liberatti, na Grande São Paulo, as atuais vice-campeões não deram chances às visitantes e acabaram saindo de quadra com a importante vitória por 3 sets a 1, parciais de 31/29, 27/25, 24/26 e 25/19.

Com o resultado, haverá a necessidade do quinto jogo, que determinará que vai avançar para a grande decisão do torneio nacional. Após bater na trave na temporada passada e amargar o vice-campeonato, o Osasco espera conseguir a virada na próxima sexta-feira, quanto terá de buscar a classificação fora de casa, em Uberlândia.

O duelo desta segunda-feira foi marcado pelo equilíbrio. Tentando evitar o quinto jogo, o Praia Clube tentou surpreender o Osasco no primeiro set para sair em vantagem e ficar em uma situação ainda mais favorável na semifinal. As donas da casa, por sua vez, também adotaram uma postura agressiva em quadra e não deram muitas brechas às rivais, levando a melhor depois de uma longa disputa parelha ao fechar a primeira parcial em 31/29.

No segundo set pouca coisa mudou. As duas equipes seguiram fazendo jogo duro, mas o Osasco novamente foi mais eficiente nos momentos decisivos. Contando com o grande apoio vindo das arquibancadas, que estavam completamente preenchidas, as donas da casa mais uma vez só conseguiram fechar a parcial depois dos 25 pontos, superando o Praia Clube por 27/25.

Diante de um time persistente e disposto a tudo para se manter vivo na partida e tentar evitar mais um jogo na semifinal, o Osasco sofreu no terceiro set, mas conseguiu se manter à frente em boa parte da parcial. O Praia Clube, no entanto, se manteve forte mentalmente para não dar o jogo como perdido e já na reta final virar o confronto (26/24) para fazer 2 a 1 e pressionar as donas da casa.

Precisando se recuperar rapidamente, o Osasco não se abalou com a derrota no terceiro set e mostrou que o Praia Clube terá dificuldades caso queira avançar à decisão na próxima sexta-feira. Bem na recepção e embaladas por um ginásio “fervendo”, as donas da casa mantiveram uma baixa margem de erro na quarta parcial para fechar em 25/19 e forçar o quinto jogo na semifinal.


Fonte:Gazeta Esportiva

31 março 2018

Rio supera Minas e disputa 14ª final consecutiva da Superliga

(Foto: Alaor Filho/Sesc RJ)
Após vencer os dois primeiros jogos na série de melhor de cinco, o Rio de Janeiro precisava de apenas mais uma vitória para disputar sua 14ª decisão consecutiva da Superliga Feminina de Vôlei. E foi exatamente o que aconteceu. O time de Bernardinho bateu o Minas por 3 sets a 1, com parciais de 25/11, 21/25, 25/18 e 25/18 e, diante de sua torcida, que lotou a Arena Olímpica na tarde deste sábado, garantiu a vaga na grande final da competição.

Agora, a equipe carioca espera o vencedor da outra semifinal disputada entre Praia Clube e Osasco, sendo que o Praia leva vantagem por 2 a 1 e pode garantir a vaga na final já nesta segunda-feira, quando acontece o quarto jogo da série de melhor de cinco.

O primeiro set foi um verdadeiro atropelo do time da casa. As cariocas começaram dominando o jogo e sufocando as adversárias, graças a muitos erros do Minas. A equipe visitante mal entrou em quadra e viu o time de Bernardinho fechar a parcial com 14 de pontos de vantagem, com placar de 25 a 11, e largar na frente.

No início do segundo set, Rosamaria, pressionada o jogo todo pela torcida adversária, chamou a responsabilidade para si e marcou quatro dos seis primeiros pontos do Minas. As visitantes voltaram bem melhor em relação à outra parcial, deixando o set bastante equilibrado para loucura de Bernardinho.

A liderança no marcador passou a ser alternada entre os dois times, até que, com erros do Rio, o Minas abriu quatro pontos para fechar o set e deixar tudo igual na casa das rivais.

O Rio voltou para o terceiro set cometendo muitos erros, enquanto o Minas havia se recuperado de vez e parecia outro time em relação ao que começou a partida. No entanto, depois de começar forte na parcial, a equipe visitante baixou um pouco de produção e viu o Rio construir uma ligeira vantagem no marcador.

O Minas até aproveitou os contra-ataques e chegou a diminuir a diferença, mas já era tarde. No set point, o técnico visitante até pediu desafio, mas a bola pegou no bloqueio do Minas e o ponto foi para o Rio, que fechou a parcial em 25 a 18, voltando a ter a vantagem no placar geral.

No quarto set, o Minas não conseguiu repetir início forte e viu o Rio abrir 5 pontos de vantagem. A equipe visitante passou a errar muito e não tardou para as anfitriãs abrirem 12 a 3, para delírio da torcida. Ao som de “eliminado”, o Rio apenas administrou a vantagem e até viu o Minas diminuir a diferença, mas chegou ao match point e não desperdiçou. Com ponto de Drussyla no bloqueio, o Rio garantiu a vaga na grande final.


Fonte:Gazeta Esportiva

17 março 2018

Osasco volta a bater Barueri e vai às semifinais da Superliga Feminina

 (Foto: Divulgação)
Neste sábado, no Ginásio José Correa, Barueri e Oscasco se enfrentaram pelo segundo jogo da série melhor de três válida pelas quartas de final da Superliga Feminina de Vôlei. Melhor para o time visitante, que voltou a vencer, desta vez por 3 sets a 1, e garantiu vaga na semifinal da competição. O adversário das osasquenses na próxima fase será o Praia Clube, que só perdeu um jogo nesta edição do campeonato.

O Jogo – No primeiro set, o Osasco entrou melhor em quadra e foi construindo a vantagem desde o início. Com um time muito concentrado e sacando bem, a equipe visitante teve pela frente um Barueri nervoso e errando bastante e se manteve à frente no placar durante toda a parcial e chegou a abrir oito pontos de frente. As anfitriãs até diminuíram a diferença no marcador, mas o Osasco logo reagiu e voltou a colocar a vantagem na casa dos seis pontos. As visitantes chegaram ao set point e não desperdiçaram, fechando o set e largando na frente.

O Barueri voltou para o segundo set com outra postura, mais relaxado e sacando melhor. A mudança surtiu efeito e a equipe tomou a frente do placar. Com bom desempenho também no ataque e arriscando mais, as donas da casa se impuseram e abriram oito pontos de frente. A equipe do técnico Zé Roberto Guimarães manteve a diferença no placar e fechou a parcial, deixando tudo igual no Ginásio José Corrêa.

As anfitriãs seguiram ligadas na partida, mas desta vez o Osasco também voltou bem para o terceiro set, que começou bastante equilibrado. O Barueri se mantinha na frente do placar, mas sem conseguir abrir vantagem confortável e o Osasco seguia vivo no jogo. No fim do set, as visitantes empataram e passaram à frente, de onde não saíram mais. Chegaram ao set point, desperdiçaram o primeiro, mas não o segundo e fecharam a parcial: 2 a 1.

O início do quarto set foi quente. Zé Roberto Guimarães recebeu cartão amarelo por reclamação e, não contente, continuou a se queixar no banco de reservas. A arbitragem não perdoou e expulsou o treinador. Dentro de quadra, o jogo continuou parelho. A liderança do placar se alternou algumas vezes e chegou a ficar 23 a 21 para o Barueri. A dois pontos de levar a partida para o tie break, as donas da casa, porém, permitiram o empate. Um bloqueio de Tandara levou as osasquenses ao match-point, que se confirmou no lance seguinte, assim como a classificação para a semifinal.


Fonte:Gazeta Esportiva

Minas vence a segunda contra o Flu e vai à semifinal da Superliga

(Foto: Ignácio Costa/ CBV)
Após a vitória no primeiro jogo das quarta de final da Superliga, o Minas recebeu o Fluminense e com uma atuação de gala da capitã Carol Gattaz e da oposta Destinee Hooker, venceu por 3 sets a 1, com parciais de 25/22, 23/25, 25/15 e 25/23.

Com o resultado, a equipe mineira chega ao décimo jogo de invencibilidade na competição, além do segundo triunfo na série de melhor de três, avançando assim para a semifinal. A vaga na grande decisão da Superliga será disputada contra o Rio de Janeiro, que bateu o Pinheiros na última sexta-feira.

O nome do primeiro set foi a capitã do Minas, Carol Gattaz, que completou 150 jogos com a camisa do Minas. A central fez a diferença na hora que o Minas precisou se impor. Assim, mesmo com uma parcial equilibrado, as anfitriãs conseguiram largar na frente. O segundo set começou lá e cá, com ambas as equipes se revezando na liderança da parcial. Este cenário se manteve até praticamente o fim do set, até que o Fluminense conseguiu abrir pequena vantagem no placar, chegou ao set point pela primeira vez, perdeu o primeiro, mas não desperdiçou o segundo. Tudo igual na Arena Minas.

A equipe do Minas voltou bem para o terceiro set e conseguiu ligeira vantagem, com destaque para a boa atuação de Destinee Hooker. A diferença no marcador, porém, não era o confortável e o Flu seguia pressionando as adversárias e conseguiu o empate. Na sequência, o time da casa voltou a se colocar na frente, abrindo sete pontos de frente. A equipe carioca caiu de produção e viu as adversárias dispararem no marcador. Assim, o Minas atropelou o Flu no fim da parcial, a qual fechou com 10 pontos de vantagem para ficar na frente novamente.

O terceiro set começou mais equilibrado. Desta vez, quem conseguiu abrir ligeira, mas não confortável, vantagem no marcador foi a equipe do Fluminense. Com a pouca diferença no placar, o Minas virou o placar e passou a construir novamente a vantagem. O time carioca ainda chegou a empatar a partida, mas Hooker foi decisiva e as donas da casa fecharam a partida para delírio da torcida.


Fonte:Gazeta Esportiva

16 março 2018

Sesc Rio derrota Pinheiros e avança à mais uma semifinal da Superliga

Equipe de Bernadinho venceu por 3 sets a 0 e aguarda adversário da semifinal

Foto:Divulgação/Sesc
O Sesc/Rio está em mais uma semifinal da Superliga Feminina. Na noite desta sexta-feira, as comandadas de Bernardinho venceram o Pinheiros mais uma vez, por 3 sets a 0, e garantiram vaga na próxima fase da competição. As parciais foram de 25/22, 25/22 e 25/13.

A exemplo do que aconteceu na primeira partida do playoff, Sesc e Pinheiros fizeram um jogo muito disputado. Com vantagens curtas e trocas de momentos de pico, as comandadas de Bernardinho e Paulo de Tarso deixaram tudo em quadra. No primeiro set, melhor para o Rio de Janeiro, que conseguiu virar o placar na reta final do set e fechar com 25 a 22.

No segundo set, um susto para o time do Pinheiros: Mari Casemiro pisou de maneira errada e torceu o tornozelo esquerdo, numa imagem verdadeiramente forte. A jogadora teve que sair de quadra carregada pela comissão técnica e foi tratada pelos médicos do clube. O Pinheiros de Mari chegou a ameaçar a vantagem do Rio no placar, mas as donas da casa fecharam mais um set por 25 a 22.

O Pinheiros parecia ter voltado ao terceiro set mais desajustado, e nem o retorno de Mari Casemiro conseguiu fazer diferença. Sob os gritos de Bernadinho, o Sesc Rio conseguiu abrir boa vantagem, e se manteve na frente do placar durante todo o terceiro set. Com tranquilidade, o Rio soube gerenciar a vantagem e fechou a partida em 25 a 13.

- Estou muito feliz. Quero dar parabéns ao Pinheiros pela grande temporada que fizeram. Nossa equipe ainda deu alguns vacilos, erramos um pouco, mas precisamos repetir nosso terceiro set, principalmente no bloqueio, que treinamos muito. Agora é se manter constante para a semifinal, jogar duro e buscar uma vaga na final - afirmou Gabi, eleita melhor jogadora em quadra.

Com o resultado, o Sesc Rio avança para mais uma semifinal da Superliga e agora espera o vencedor de Minas x Fluminense, que se enfrentam neste sábado.


Fonte:Lance
 
Back To Top